Wärtsila Brasil – Mais de 200 embarcações atendidas

1

A Wartsila, empresa finlandesa, passa por um momento positivo com a retomada de crescimento da área de Ship Power no terceiro trimestre. Neste segmento, a Wärtsilä enxerga boas perspectivas, sobretudo com as demandas geradas pelo pré-sal. Para isso, aposta em soluções que vão desde serviços de Front End Engineering & Design (FEED) até sistemas de energia, propulsão, elétricos e de automação.

No primeiro semestre de 2010 a empresa fechou contrato com o grupo Quip para fornecer equipamentos para a P-63 navio/plataforma com capacidade para processar e armazenar petróleo. Os investimentos são de mais de 60 milhões de euros, o maior contrato da história da finlandesa no mundo, na área naval. O objetivo agora é, cada vez mais, aumentar o uso de insumos nacionais.

Perfil- A Wärtsilä é uma empresa de origem finlandesa líder global em soluções energéticas de ciclo de vida completo para mercados marítimos e de geração de energia. A companhia já instalou mais de 4 mil usinas termelétricas no mundo, na área de Power Plants. Na área marítima (Ship Power), os motores da Wärtsilä equipam 65% dos navios de cruzeiro construídos nos últimos três anos. Criada em 1834, a Wärtsilä tem cerca de 18 mil funcionários em mais de 70 países.

Wärtsilä - Serviços especializados em Motores Diesel

A Wärtsilä no Brasil – A Wärtsilä chegou ao Brasil em 1990, onde emprega mais de 600 funcionários. Opera seu escritório matriz e um centro de serviços no Rio de Janeiro, além de outro centro de serviços em Manaus (AM) e possui presença em outros seis estados brasileiros. A empresa projetou e construiu 22 usinas no país e ultrapassou a marca de 2,0 GW de potência instalada. Na área naval, a companhia tem no Brasil base instalada com capacidade superior a 800 MW em mais de 200 navios e embarcações.

Por Rodrigo Cintra

1 COMENTÁRIO

  1. Conheci um Engenheiro Mecânico (Thomas Lestrand), um Supervisor de Produção (Yari Mäki) e um Engenheiro Eletrônico (Bernard Bennet, da ABB Sistems), em 1997/1999, quando a Wärtsila prestou um serviço à Petrobrás, na Ponta do Caju, transformando navios em FPSO (ou quase isso), cuja energia elétrica é gerada por gás. Perdi contato com eles e, caso seja possível, solicito repassem meu e-mail para eles (olavosobreira@r7.com). Grato

Deixe uma resposta