Rapidinhas da Peroba!

0

Mesmo na mira do TCU, a Peroba está entre as empresas figuronas do mundo. A estatal é a quarta entre as maiores do mundo em energia. Quanto ao atraso na contratação das sondas, lembra? Gabrielli nega tudo!

Refinarias irregulares – Relatório do Tribunal de Contas da União (TCU) aprovado hoje aponta indícios de irregularidades graves nas obras de duas refinarias da Petrobras.  O TCU recomendou a paralização das construções. Ainda foram apontados indícios de irregularidades em mais 30 obras. Nas duas refinarias, o Tribunal indiciou sobrepreço e superfaturamento.

Entre as 5 – A Petrobras chegou nesta terça-feira, 9, à quarta posição na classificação “Platts Top 250”, lista que inclui as empresas mais importantes do mundo no setor de energia de acordo com os critérios da agência Platts. A petrolífera brasileira ganhou duas posições com relação ao último ranking devido às grandes reservas achadas pelo grupo na camada pré-sal do Oceano Atlântico e ao fortalecimento das atividades de prospecção e produção, avaliou a imprensa. Além disso, a Petrobras finalizou recentemente um bilionário processo de capitalização que a tornou a segunda maior petrolífera de capital aberto do mundo. A lista, na qual apenas a Petrobras representa a América Latina, é liderada, respectivamente, pela americana ExxonMobil, a britânica British Petroleum (BP) e a russa Gazprom. A “Platts Top 250” é elaborada após a avaliação de quatro parâmetros das empresas: o valor de seus ativos, as receitas, os lucros e o retorno do capital investido.

Gabrielli nega atraso na contratação de sondas – O presidente da Petrobrás, José Sérgio Gabrielli, negou nesta terça-feira, 9, que o processo para a contratação de sondas pela estatal esteja atrasado, apesar de a abertura das propostas ter sido adiada por pelo menos cinco vezes desde o início do primeiro semestre deste ano. “Há tempo hábil, sim. A primeira sonda tem que ser entregue em 2017”, afirmou. Além disso, segundo ele, a decisão de pedir ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) a anuência sobre a licença ambiental apresentada pelos estaleiros teve como objetivo reduzir o impasse e a insegurança jurídica dos projetos, já que havia uma série de recursos apresentados pelos concorrentes na licitação.

Por Marcus Lotfi

Deixe uma resposta