Redução de queima de gás – US$ 320 milhões em projetos na Petrobras

0

A Petrobras e a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) estão trabalhando para estabelecer metas plurianuais para reduzir a queima de gás em suas concessões na Bacia de Campos, com a implantação de uma série de projetos visando a melhoria do aproveitamento desse combustível. O Plano de Negócios da Petrobras prevê investimentos adicionais em projetos de redução de queima de gás na ordem de US$ 320 milhões, com objetivo de alcançar 92% de aproveitamento de gás até o final de 2012.

A empresa observa que a queima do gás produzido junto com o petróleo é inerente ao processo de produção em todas as empresas operadoras do mundo. Em primeiro lugar, por questão de segurança: a chama-piloto das plataformas realiza a queima para evitar que o excesso de gás circule em ambiente impróprio e cause danos graves como incêndios, intoxicações ou explosões. A queima ocorre, também, por ocasião do início de operação de novas unidades de produção, até que elas sejam estabilizadas e termine a fase de testes de todos os sistemas.

Entre 1999 e 2008, período no qual a produção de petróleo e gás da Petrobras cresceu mais de 60%, passando de aproximadamente 1,3 milhão para 2,15 milhões de barris de óleo equivalente por dia (boepd), o volume de gás queimado, em boepd, reduziu-se de 2,9% para 1,7% do total de petróleo por dia. Ou seja, a empresa diminuiu a queima de gás enquanto aumentava a produção de petróleo, com investimentos de cerca de US$ 400 milhões realizados no período com o objetivo de melhorar o aproveitamento de gás natural.

O aproveitamento do gás natural produzido pela Petrobras foi de aproximadamente 84% nos anos de 2007 e 2008, percentual acima da média mundial. Entre 1999 e 2008, a produção de gás associado da Petrobras cresceu cerca de 50%, enquanto o seu aproveitamento melhorou dez pontos percentuais, saltando da faixa de 75% para 85%, com uma redução na queima contínua na faixa de 3,5 milhões de m³/dia.

Com as informações – Porto Gente

Por Rodrigo Cintra

Deixe uma resposta