Corredor Bioceânico em Rio Grande: Uma proposta chilena

0
65

A comitiva de 18 representantes do governo chileno que veio ao Estado para tratar do Corredor Bioceânico Central (CBC), ontem, esteve no Porto do Rio Grande. O grupo chegou ao Município no final da manhã, de terça, sendo recepcionado pelo superintendente do porto rio-grandino, Jayme Ramis, que os levou para conhecer o balneário Cassino, os Molhes, e depois os terminais do Tecon e do complexo Termasa/Tergrasa. A intenção foi mostrar-lhes as potencialidades do porto local, principalmente, em termos de logística.

Após a visita aos terminais, os representantes do governo chileno seguiram para a sede da Superintendência do Porto (SUPRG), onde participaram de reunião que também contou com a participação do prefeito Fábio Branco e de lideranças da cidade. Durante o encontro, o gerente geral da empresa portuária de Coquimbo (Chile), Miguel Zuvic Mujica, fez uma apresentação do porto de Coquimbo. Depois, foi assinada uma carta de intenções entre a SUPRG e a empresa portuária para, dentro de aproximadamente 120 dias, ser feito um convênio de cooperação técnica que terá como objetivo o Corredor Bioceânico Central.

A intenção é firmar essa cooperação técnica no 5º Fórum dos Corredores Bioceânicos, que ocorrerá em abril, na cidade de Serena, no Chile. O CBC ligará os dois oceanos, Pacífico e Atlântico, devendo baratear os custos do transporte. Prevê a ligação das cidades de Valparaíso, no Chile, Mendoza e Córdoba, na Argentina, e Montevidéu, no Uruguai, aos Estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, no Brasil. O objetivo é integrar a América do Sul por meio de ferrovias, rodovias, portos e hidrovias – do Oceano Atlântico, no Brasil, ao Pacífico, no Chile.

“Essa proposta é interessante porque nos abre possibilidades de ligação direta ao oceano Pacífico. Abre novas perspectivas de negócios internacionais. É interessante não só para o porto, mas também para o turismo”, observou Ramis.

O conselheiro regional chileno, presidente da Comissão de Infraestrutura, Pablo Muñoz Pinto, integrante da comitiva, disse que o documento assinado ontem é uma declaração de intenções e pode ser o início de uma relação muito profícua para as duas partes.

A comitiva foi composta de Conselheiros Regionais da Comissão Internacional; de Infraestrutura; Educação, Saúde e Cultura; Desenvolvimento Social; Fomento Produtivo; Administração; Secretário Ministerial de Economia; de Transporte e Telecomunicações; de Obras Públicas; Gerente Regional da empresa portuária Coquimbo; Secretária Executiva do Conselho Regional.

Com as informações – Carmen Ziebell, do Jornal Agora

Por Rodrigo Cintra

Deixe uma resposta