Mega navios da Vale vão interromper recuperação marítima

1
152

O lançamento dos maiores navios de carga seca do mundo pela gigante brasileira de mineração Vale em 2011 vai cortar o custo de transporte de commodities e sufocar uma recuperação no mercado de frete marítimo por anos.

O apetite da China por minério de ferro e carvão, as duas principais commodities despachadas pelo mercado de carga seca em volume, transformou a indústria, com as empresas de mineração e transporte construindo embarcações cada vez maiores para atender a demanda.

A Vale, maior produtora de minério de ferro do mundo, marcou a entrega do primeiro de 30 navios com capacidade para mais de 400 mil toneladas de minério de ferro para o primeiro semestre de 2011. Os navios, que serão entregues até 2013, vão superar a capacidade do maior navio cargueiro atualmente em operação, o MS Berge Stahl, que tem capacidade para 365 mil toneladas.

A chegada desses cargueiros, chamados de Chinamax, não somente vai cortar custos para a Vale como também vai reduzir fretes marítimos em toda a indústria, considerando que os novos cargueiros chegarão em um mercado que já enfrenta excesso de oferta.

“Este será o principal fator a afetar o mercado por pelo menos alguns anos”, afirmou Rahul Sharan, analista sênior da Drewry Shipping Consultants.

O índice báltico de carga seca, formado por rotas de comércio global para commodities secas, caiu quase 30 por cento este ano, para 2.173 pontos, por causa da grande tonelagem disponível e da esperada torrente de novos navios que serão lançados no próximo ano.

Os navios gigantes da Vale, que terão comprimento maior que os 324 metros da Torre Eiffel, devem exacerbar o problema de excesso de oferta e podem pressionar o indicador para abaixo dos 2.000 pontos no próximo ano, afirmam analistas. Isso significa menos dinheiro para os donos de navios, muitos dos quais se opõem aos novos cargueiros da mineradora.

“Não precisamos dos navios (da Vale)”, disse Torben Skaanild, presidente-executivo da Bimco, maior grupo de navios do mundo. “Temos um enorme fluxo de navios com capacidades para 150.000 a 180.000 toneladas vindo ao mercado. Se você começar a construir navios de 400.000 toneladas vai acabar tirando-os do mercado.”

Leia na íntegra – Reuters

Por Marcus Lotfi

1 COMMENT

  1. Resulta obvio el ultimo comentarios del Sr.Torben Skaanild, existe una amplia variedad de cargueros graneleros, muchos algo mas antiguos , otros nuevos y el ritmo de construccion es enorme, muchos de ellos construídos en la propia China.
    Esto llevará en el futuro, cuando todas las naves de 400.000 mt esten en servicio, a una guerra total de fletes, lo que en algún momento pudiere afectarle a Vale do Rio, estos deberían pensar que cuando esto sucede los demas, que también se ven afectados y piensan, les llevará a nuevas estrategias para poder sobrevivir en el campo de transporte de minerales.

Deixe uma resposta