BG prevê 2,2 bilhões de barris

0
71

A companhia britânica de gás natural BG Group afirmou ontem que espera recuperar reservas brutas totais de 2,2 bilhões de barris de óleo equivalente dos dois primeiros FPSOs (navios-plataforma) no campo de Tupi e de um FPSO no campo de Guará, ambos na Bacia de Campos.

Segundo a BG, o primeiro FPSO em Tupi tem capacidade de produção de 100 mil barris de petróleo por dia e de até 177 milhões de pés cúbicos de gás por dia. O campo começou a produzir em outubro. O segundo FPSO em Tupi deverá entrar em operação em 2013 e terá capacidade de produção de 120 mil barris por dia. Um FPSO similar em Guará deverá começar a operar em 2013. Os três FPSOs serão arrendados. Um gasoduto com capacidade de servir aos três FPSOs está pronto, ligando a área de Tupi à infraestrutura de gás doméstica brasileira por meio da plataforma de Mexilhão, afirmou a BG.

Após as informações da BG, a Petrobrás, que é operadora dos blocos, enviou nota esclarecendo que tais estimativas “são de responsabilidade da BG” e que não se trata de “uma divulgação dos consórcios responsáveis pela operação desses blocos”. “A companhia brasileira ressalta que a divulgação das informações pela BG ocorreu sem a observância dos procedimentos estabelecidos no Contrato de Operações Conjuntas (Joint Operations Agreement).”

A BG afirmou que prevê custos técnicos unitários baixos para a fase inicial de desenvolvimento, somando custos de capital de US$ 5 por barril de óleo equivalente e custos operacionais de US$ 9 por barril de óleo equivalente.

Por sua vez, a Petrobrás reitera suas estimativas, já divulgadas, de 5 bilhões a 8 bilhões de barris de óleo equivalente recuperável em Tupi e Iracema (Bloco BM-S-11) e de 1,1 bilhão a 2 bilhões de barris em Guará (Bloco BM-S-9), “assim como reafirma a viabilidade econômica dessas descobertas ao nível de preços entre US$ 35 e US$ 40 por barril, levando-se em consideração as variáveis do PN 2010-2014.” Com informações da Dow Jones.

Com as informações – Danielle Chaves, da Agência Estado

Por Rodrigo Cintra

Deixe uma resposta