ANP coloca Petrobras contra a parede

0

A Petrobras tem até o dia 31 para declarar à ANP (Agência Nacional de Petróleo) a comercialidade do plano de avaliação do bloco de Tupi, na Bacia de Campos, para exploração de petróleo na camada do pré-sal.

Ocasião que definirá a área que pretende explorar com os seus sócios no empreendimento. “Dia 31 é o marco regulamentar”, acentuou nesta segunda-feira, no Rio de Janeiro, o gerente executivo de Exploração do Pré-sal da Petrobras, José Formigli. Além de declarar a comercialidade do Campo de Tupi, a companhia, segundo Formigli, poderá fazer uma estimativa das reservas locais em termo de volume.

Ele não confirmou, porém, informação divulgada pela companhia britânica BG Group, integrante do consórcio operado pela Petrobras, de que espera recuperar reservas totais de 2,2 bilhões de barris de óleo equivalente dos dois primeiros FPSOs (navios-plataforma) no Campo de Tupi e de um FPSO no Campo de Guará, na mesma bacia.

“(Sobre) nada do que a gente não tenha combinado entre os sócios previamente a gente faz comentários adicionais”, disse. Acrescentou que “a gente procura seguir o que está previsto no contrato entre nós. Se eu não confirmo, não posso fazer extrapolação”.

Na área de Tupi, já foi perfurado, além dos poços pioneiros, um total de dez poços, entre exploratórios e de desenvolvimento. Como as distâncias são muito grandes, Formigli avaliou que os resultados dos poços de desenvolvimento são importantes para confirmar as premissas que os geólogos e os engenheiros de reservatório têm feito.

De acordo com estimativas anteriores anunciadas pela Petrobras, as reservas de Tupi podem alcançar entre 5 bilhões e 8 bilhões de barris de óleo equivalente recuperável.

Com as informações – Agência Brasil

Por Rodrigo Cintra

Deixe uma resposta