Diversas embarcações ilegais em Paripueira/AL

1

Tudo pronto para conhecer as piscinas naturais de Paripueira. Os turistas madrugaram, tomaram café da manhã pouco depois das 6 horas, entraram no ônibus da excursão, pegaram mais de 40 minutos de estrada e chegaram cedo ao local de onde partem os catamarãs. Bem na hora da maré baixa, eles seguem um percurso de 50 a 100 metros com água nas canelas e na cintura para chegar ao barco.

Pura emoção. A paisagem e o vento fresco dão um ar de liberdade, as crianças pulam e dão gritinhos, ansiosas. Mas a alegria vira frustração… e revolta. A embarcação é proibida de navegar pela Capitania dos Portos. Não tem documentos, nem equipamentos de segurança ou sinalização. O piloto também não está habilitado.

A inspeção da Marinha realizada, ontem pela manhã, em frente ao point turístico Mar e Companhia, impediu a saída de dois catamarãs que estavam com várias irregularidades. Pelo menos 45 turistas tiveram que desembarcar.

Donos de catamarãs são notificados

O Secretário Municipal de Meio Ambiente, Henrique Peixoto, revelou ontem que vai notificar, por descumprimento ao decreto municipal que regulamenta as atividades turísticas nas piscinas naturais de Maragogi, dois empresários que disponibilizam o passeio de catamarã àquela área marinha. De acordo com o secretário, eles receberão apenas uma advertência, mas se reincidirem, terão o alvará suspenso ou até mesmo cassado.

Peixoto revelou que os catamarãs do receptivo Frutos do Mar, de propriedade do empresário Gilberto Laranjeiras, e Viva Maragogi, do português João Gonçalves, levaram um número de banhistas acima do permitido pelo decreto às piscinas naturais conhecidas como Taocas, nos dias 27 e 28 de dezembro de 2010, respectivamente. A notificação se baseia na contagem feita por um Fiscal que teria verificado o excesso de banhistas.

Com as informações – Gazeta de Alagoas

Por Rodrigo Cintra

1 COMENTÁRIO

  1. Estive em Paripueira no dia 18/01 e eu e minha família fomos muito bem recebidos por todos os habitantes da cidade.Mas um fato q não é isolado como pude constatar com os marinheiros, fotográfos e guias da Mar e cia, está acontecendo no passeio para as piscinas com essa empresa.Uma pessoa de nome Emanuel responsável pelo mergulho de cilindro disse q ia quebrar a minha cara na frente de minha mulher e de todos q estavam lá pq estava de nadadeira e levantando areia prejudicando o mergulho de cilindro. Já mergulhei em Noronha, Cozumel Cancun e Aruba e não fiz o mergulho em Paripueira pq o pouco q sei vi q a água estava turva motivo esse q fez com q os mergulhadores ficassem na parte mais rasa e convivendo com q estava apenas no livre.
    Pude constatar com o próprio dono Vanderelei q constantemente estava recebendo reclamações de outros turistas sobre a conduta sem educação desse irresponsável.
    É inadimissível uma pessoa denegrir uma legião de mergulhadores com seu trabalho voltado sómente ao lucro e sem nenhum respeito ao próximo e o pior é dono estar ciente dessa situação e não tomar nenhuma atitude pois ele é refem deles.

    Voltarei para Maceió, mas Paripueira não.

    Mário Sérgio Abbatepaulo

Deixe uma resposta