Para se instalar em Suape, Promar aguarda licença ambiental

3

Na próxima sexta-feira, a Agência Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (CPRH) realiza audiência pública para discutir o impacto ambiental (EIA/Rima) do Estaleiro Promar, que vai se instalar em Suape. Apesar de ser um passo adiante para conseguir a liberação da licença ambiental, a empresa só poderá iniciar as obras quando for resolvida uma pendência judicial.

No ano passado, os ministérios públicos Estadual e Federal ingressaram com ação civil pública na Justiça Federal pedindo que o Porto de Suape fizesse um novo EIA/Rima para avaliar os danos ambientais causados pela supressão vegetal de mais de mil hectares no complexo. No lugar da vegetação será implantado o chamado polo naval de Suape, com seus estaleiros e empresas da cadeia produtiva.

O diretor de Engenharia e Meio Ambiente de Suape, Ricardo Padilha, explica que no final do ano passado foi realizada uma audiência, onde ficou definido que a CPRH apresentaria um termo de referência (TR) ao Ministério Público, apontando que medidas tomaria para compensar os impactos.

“Esse TR já foi encaminhado aos ministérios públicos e estamos esperando que eles se pronunciem”, diz Padilha. A estimativa de Suape é que a questão seja resolvida até o fim de fevereiro para que o Promar comece as obras entre março e abril.

O Promar assinou contrato com a Transpetro para fabricar oito navios para transporte de gás. O diretor de novos negócios do estaleiro, Dail Cardoso, lembra que o prazo inicial era entregar a primeira embarcação em julho de 2013. Mas pela demora para destravar o licenciamento não será possível manter o cronograma. “Assinamos o contrato, mas ele só passará a ter eficácia (validade dos prazos) a partir da liberação da licença ambiental”, diz. O estaleiro será construído em 24 meses e o primeiro navio começa a ser construído a partir do 17º mês de instalação do site.

Clipping direto – Escada e Desenvolvimento

Por Marcus Lotfi

3 COMENTÁRIOS

  1. O projeto Promar certamente significara a consolidacao do segmento naval em Pernambuco.
    Para tal torna-se fundamental o apoio do governo e orgãos no sentido de dinamizar etapas administrativas e burocraticas.

  2. Olá! Sou montador II,e tenho experiência na indústria naval.Trabalhei na
    produção de 2 petroleiros e da P-55.Por favor,informe email para curriculo.

Deixe uma resposta