Subsea 7 apresenta projeto para o Pontal do Paraná

1
266

A empresa norueguesa Subsea 7 vai apresentar na terça-feira (11), em Curitiba, o projeto do Parque de Construção Submarina de Pontal do Paraná. Licenciamento saiu no final do governo Pessuti.

O Diretor-Presidente da empresa no Brasil, Victor Snabaitis Bomfim, e o Diretor-Executivo José Augusto Fernandes tentarão explicar que as atividades industriais e portuárias não afetarão a tribo dos M’Byá Guarani, que vive nas proximidades e que aguarda a demarcação de suas terras pela Funai.

Por fim, a Subsea 7 tentará provar que não provocará impactos significativos ao meio ambiente.

A Subsea conseguiu que o Instituto Ambiental do Paraná (IAP) concedesse o licenciamento no final do governo Pessuti. Isto aconteceu no dia 22 de dezembro, depois que o Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais) considerou que a autorização deveria ser feito pelo Estado.

Impactos

O procurador da República Alessandro José Fernandes de Oliveira, de Paranaguá, queria que o pedido de licenciamento fosse analisado por órgão federal em razão da presença dos guaranis, da fragilidade do ecossistema local e do fato de o empreendimento estar em águas da União.

A empresa explica que irá utilizar apenas 3% da área de 2,6 mil hectares entre os rios Maciel e Guaraguaçu que adquiriu. Os 97% restantes seriam preservados, “com monitoramento por profissionais especializados”.

Receita

Mas os principais argumentos são econômicos. Segundo a empresa, serão investidos R$ 10 milhões e gerados 600 empregos diretos. O jornalista Zé Beto, do “Jornale” (http://jornale.com.br/zebeto) informa que só em ISS (Imposto Sobre Serviços) prometem uma receita de R$ 3,8 milhões por mês. Em ICMS a estimativa é de uma receita de R$ 10,8 milhões. Se os valores forem confirmados, Pontal do Paraná terá um acréscimo de mais de 20% em sua arrecadação.

Polo do pré-sal

A autorização para a Subsea poderá ser o início de um polo industrial em Pontal. A empresa ítalo-argentina Techint, especializada em plataformas de petróleo, pretende retomar suas atividades no município.

O grupo João Carlos Ribeiro também aguarda liberação para construir seu terminal portuário na Ponta do Poço, onde o calado natural poderá permitir a atracação de navios maiores do que os que têm acesso à Paranaguá.

Com as informções – Gustavo Aquino / Correio do Litoral

Por Rodrigo Cintra

1 COMMENT

  1. Meu nime é Lourival Zacarias da Silva , sou Téc.Seg.Trabalho, estou aprocura de emprego na area da Petrobras ou de Empresas terceirizadas,venho tentando me comunicar ,mas vejo que não tão facil como diz as propagandas nos sites.

Deixe uma resposta