Rapidinhas da tarde

0

Nesta tarde de quarta-feira, temos nova descoberta de Gás Natural pela OGX de Eike Batista, SPA do Azerbaijão oferecendo Petróleo terapêutico e Polícia Alfandegária dos EUA achando navio de cruzeiro entupido de cocaína e heroína. Êta, ferro! Vamo que vamo!

OGX descobre Gás na Bacia de Campos – A OGX identificou a presença de gás em seção do poço 1-OGX-25-RJS, na Bacia de Campos, no Rio de Janeiro. A descoberta complementa as informações referentes a outra descoberta no poço, localizado no bloco BM-C-39, no qual a empresa possui 100% de participação. Em nota, a OGX lembrou que o poço 1-OGX-25-RJS “passou a ser denominado de 6-OGX-27P-RJS a partir da perfuração da seção albiana”. A perfuração do poço segue em andamento até a profundidade total estimada em 3.100 metros.

Petróleo terapêutico – O Azerbaijão, país na fronteira entre Europa e Ásia, é um grande produtor de petróleo, exportando milhões de barris a cada ano. O óleo negro é tão abudante que moradores do oeste do país começaram a usar o produto como tratamento para dores nas articulações. Um spa local oferece, entre diferentes opções de tratamento, um banho de imersão em petróleo. O paciente deve ficar no máximo dez minutos na banheira cheia de petróleo para não alterar seu ritmo cardíaco. Segundo funcionários do estabalecimento, o óleo é mantido na banheira a 40°C. Usuários descrevem a experiência como um banho quente e relaxante. Especialistas locais sustentam que o petróleo da região é rico em naftalina, químico que garante o poder de cura em casos de dores nas articulações. Mas cientistas ao redor do mundo alertam para o potencial cancerígeno da naftalina.

Navio de cruzeiro recheado de drogas – Policiais da Alfândega dos EUA encontraram após buscas no navio de cruzeiro Enchantment of the Seas que fez um cruzeiro pelo Caribe grande quantidade de heroína e cocaína. A polícia norteamericana busca identificar quem trouxe as drogas para dentro do navio e a empresa, a Royal Caribbean já declarou que adota uma política de tolerância zero com relação ao consumo e venda de drogas em seus navios.

Por Marcus Lotfi

Deixe uma resposta