EBX faz audiências públicas sobre seus projetos

0

Esta semana, o grupo EBX realizou duas audiências públicas, uma em São João da Barra e outra em Campos, como parte do processo de licenciamento ambiental da Unidade de Construção Naval (UCN) da OSX, a ser construída no Superporto do Açu.

As audiências contaram com representantes do Instituto Estadual do Meio Ambiente (INEA), OSX e responsáveis técnicos que apresentaram um detalhado estudo sobre os impactos decorrentes da instalação da unidade de construção naval e as medidas compensatórias que serão promovidas pelo grupo EBX.

A UCN Açu, a ser implantada pela OSX, será construída com a mais alta tecnologia disponível no mercado e será responsável pela fabricação, conversão, montagem e reparo de equipamentos e unidades de exploração e produção de petróleo e gás, como embarcações, navios-sonda e plataformas.

No projeto, que representa um investimento de US$1,7 bilhão (cerca de R$ 3 bilhões), a OSX Construção Naval tem como sócia, com 10% de participação, a sul-coreana Hyundai Heavy Industries (HHI), líder mundial em construção naval. Pelo acordo estratégico firmado entre as partes a HHI irá transferir tecnologia em estado da arte e knowhow que permitirão a OSX atingir altos níveis de produtividade.

Durante as audiências, o diretor de sustentabilidade da EBX, Paulo Monteiro, fez questão de ressaltar a importância da capacitação profissional dos cidadãos para que eles possam ser inseridos no mercado de trabalho através da grande quantidade de vagas de emprego que serão criadas durante a fase de construção, previsão de 3,5 mil diretos, e na fase de operação, quando serão gerados 10 mil empregos diretos.

Já o diretor financeiro e de relações com investidores da OSX, Roberto Monteiro, considera que a audiência “foi um passo muito importante para que possamos iniciar as obras dentro do cronograma”.

Segundo a equipe que realizou o estudo de impacto ambiental que analisou os pontos negativos e positivos da realização do empreendimento, na construção e operação do estaleiro do Açu, o principal impacto é social e positivo, com a geração de empregos e renda. Para isso, serão feitas parcerias e convênios com prefeituras e instituições de pesquisa, para o melhor planejamento do crescimento econômico da região, promovendo melhorias nas estruturas públicas.

Com as informações – Esdras / Folha da Manhã

Por Rodrigo Cintra

Deixe uma resposta