Jan De Nul fará a dragagem no Porto de Itajaí

3

O Porto de Itajaí, em Santa Catarina, mudará de cara em 2011. Tudo porque foi confirmado para até o dia 31 de março o início da esperada dragagem de aprofundamento do complexo portuário. Com a realização da obra, os canais de acesso e a bacia de evolução do porto passarão dos atuais 11 metros para 14 metros de profundidade.

O anúncio da data de início dos trabalhos foi feito dia 16 pelo Superintendente do Porto de Itajaí, Antonio Ayres Júnior. Ele recebeu os representantes da empresa Jan De Nul do Brasil Dragagem, que venceu a concorrência pública internacional para a execução do serviço. A obra está estimada em R$ 55 milhões e consta no Programa Nacional de Dragagem (PND).

Mick Formesyn

O Diretor da empresa, Mick Formesyn, deu a garantia que o equipamento está em Itajaí até o final de março, para que os trabalhos sejam iniciados na sequencia. “Traremos para Itajaí uma draga recém-construída, que sairá do estaleiro na Espanha, passará por uma série de testes e virá diretamente para cá”.

O equipamento citado pelo executivo é a draga Charles Darwin, com 223 metros de comprimento, 40 metros de boca e capacidade de 30,5 mil m³. “Essa draga será a maior e mais potente draga em operação no Brasil e, com certeza, vai nos possibilitar executar um excelente trabalho”.

Além da Charles Darwin, a Jan De Nul deverá trazer uma draga de menor porte, para executar os trabalhos nas laterais do rio e em outros pontos onde o equipamento de grande porte não reta acesso. “Esse encontro nos deixou bastante otimistas com relação a execução dos serviços de dragagem e o cumprimento do cronograma, estabelecido no contrato formalizado entre a Jan De Nul e a Secretaria de Portos, que é a contratante”, afirmou o Superintendente Ayres.

Com as informações – Bruno Rios / PortoGente

Por Rodrigo Cintra

3 COMENTÁRIOS

  1. Prezados funcionários de Jan de Nul, bom dia!
    Grande envergadura de sua empresa é muito impressionável, por isso Jan de Nul pode valorizar meus resultados para aproveitar uns deles no nível industrial.
    Estou especialista na área de desenvolvimento de novos métodos de utilização de resíduos industriais e municipais como matérias primas de fabricação de materiais de valor, tais como materiais de construção civil, combustíveis com elevado poder calorífico, etc.
    Entre lista de resíduos aproveitados com meus métodos (veja, por favor, o anexos nas línguas Inglês e Português e mais detalhado em http://www.ufpr.br/~seva ) existem muitos tipos de lodo, inclusivo lodo de dragagem de portos e rios como matéria prima principal (até 80% de peso) de materiais de construção civil de diferentes tipos de tijolos sem secarem preliminar, sem queima e maioria deles sem cimento Portland. As propriedades mecânicas deles superam significativamente as demandas de NBR.
    Cálculos demonstram economia de 43% sobre o preço médio de um paver similar disponível no mercado.
    Caso este tipo de atividade é absolutamente fora de interesses do Jan de Nul, eu gostaria pedir um conselho de alta qualificação e sabedoria sobre as empresas, cujos podem ter interesse aos resultados de minhas pesquisas acima nomeados.
    Agradeço antecipadamente e desculpe meus erros graves na língua Portuguesa.
    Atenciosamente
    Vsévolod Mymrine
    Membro Real da Academia Russa das Ciências Naturais
    D.Sc., Ph.D., Prof. Titular Visitante, Setor Tecnológica,
    UFPR, Curitiba.
    (41) 3361-3425, 9989-4984

  2. escala de trabalho dos trabalhadores brasileiros na dragagem do porto de tubarão em vitória no espirito santo é desumana. Passam 42 dias ininterruptos trabalhando 12 horas por turno em trabalho quase escravo sem parar. o ministério público do trabalho precisa fiscalizar essa situação.

Deixe uma resposta