Pecém prevê 4 milhões de toneladas em movimentação para 2011

0

A inauguração do Terminal de Múltiplo Uso (Tmut) do Porto do Pecém deve fazer com que o principal terminal portuário do Ceará movimente 4 milhões de toneladas até o fim deste ano. “Numa previsão conservadora devemos saltar 30% a nossa movimentação com o novo terminal que começa a operar em março. O número de atracações de deve crescer uns 10%, porque vamos trabalhar com navios graneleiros”, estima o Diretor de Desenvolvimento Comercial da Cearáportos, empresa administradora do porto, Mário Lima Júnior.

Ele ressalta ainda que a movimentação maior no terminal deve ser puxada, sobretudo, por três fatores: o aquecimento da indústria da Construção Civil, que passou a demandar maior volume de cimento; a exportação de minério de ferro; e o carvão que alimentará a usina termelétrica da MPX.

Em 2010, foram movimentadas pelo Porto do Pecém 3,15 milhões de toneladas de longo curso e cabotagem, contra 2 milhões de toneladas registradas em 2009 (uma expansão de 64%). No último ano, o porto cearense recebeu 529 navios, movimentou 794 mil toneladas de carga geral, 1,33 milhão de carga conteinerizada, 742 mil de granel líquido e 287 mil toneladas em granel sólido.

A movimentação de contêineres (Teus) registrou crescimento de 20% em relação a 2009, quando foram transportados 138 mil, contra 167 mil no ano passado.

Somente em frutas, foram exportadas 252 mil toneladas de frutas durante os 12 meses do ano passado, o que representa uma participação de 37% do total dos portos brasileiros.

Em 2002, primeiro ano de operação, o Pecém movimentou 30 mil Teus e 386 mil toneladas em167 navios. No ano passado, oito anos após sua inauguração, o porto de São Gonçalo do Amarante movimentou 167 mil Teus e 3,15 milhões de toneladas, além de receber a atracação de 529 navios. Esses indicadores representam cinco vezes mais contêineres, oito vezes mais tonelagem e três vezes mais navios aportados. “O Porto do Pecém é uma infraestrutura que dotou o Estado de várias oportunidades.

O setor industrial passou a receber insumos com preços mais competitivos porque o transporte marítimo passou a ser mais barato pelo Pecém. Passamos a receber navios maiores, o que derrubou o preço unitário dos produtos”, observa Mário Lima.

Com as informações – Lívia Barreira / Diário do Nordeste

Por Rodrigo Cintra

Deixe uma resposta