Maersk Peregrino em posição para operar com a Statoil

2
87

A FPSO Maersk Peregrino já está em posição e pronta para iniciar suas operações em nosso país. A transformação do navio em FPSO é conseqüência de um plano muito bem traçado pela empresa, com ótimas parcerias e bastante trabalho em equipe.

A unidade, que chegou ao estupendo preço de US$ 1 bilhão, sendo o maior investimento do Grupo Maersk em uma única unidade, está agora ancorada em sua locação final, posicionada na Bacia de Campos, onde deve ficar em operação por 30 anos.

Este dia é um marco muito importante, marcando o início do contatro com o cliente, que é a Statoil, e a conclusão de um trabalho que durou mais de três anos e que envolveu o projeto, desenvolvimento, construção e a viagem de Cingapura para o Brasil.

Stig Hoffmeyer – CEO da Maersk FPSOs

“Este projeto não significa apenas o mais novo ativo da Maersk, mas sim o suvesso de uma série de ações da empresa, que envolveu a conclusão da conversão de dois anos em Cingapura, a entrada em águas brasileiras, a aprovação pelas autoridades locais para navegar para o campo e ser definitivamente ancorada” declarou Stig Hoffmeyer, CEO da Maersk FPSOs, que esteve no Rio visitando a FPSO Maersk Peregrino nesta última sexta-feira durante a ancoragem da unidade.

“Todas as tarefas envolvidas neste projeto exigiram um trabalho duro, meticulosamente planejado e executado com extremo profissionalismo por diversas equipes pelo mundo e por nossa tripulação. Todos estão muito orgulhosos de suas realizações”, completou o executivo.

O último desafio era a liberação por parte da Alfândega e das Autoridades Brasileiras, que foi conseguido no Rio de Janeiro, durante os feriados de final de ano, pela equipe local da Maersk, que estava muito bem preparada e fez uma ótima parceria com o cliente, a Statoil. O resultado foi um ótimo desempenho na inspeção final e a autorização para a FPSO Maersk Peregrino prosseguir com o a primeira FPSO do Grupo Maersk em nosso país.

Claus V. Hemmingsen - Presidente da Maersk FPSOs

“Em 2006 decidimos entrar no Mercado Brasileiro devido às ótima sprevisões e estou muito feliz que finalmente conseguimos. A ênfase que o Grupo dá em mercados que estão em expansão é agora suportada por este projeto e configura a última aquisição da Maersk Oil na área”, disse Claus V. Hemmingsen, sócio e Presidente da Maersk FPSOs.

Os meses que vêm pela frente já estão bastante ocupados com a conexão das linhas com os poços, testes dos sistemas e preparação final da Maersk Peregrino para seu marco final: o tão esperado primeiro óleo.

A Maersk está de parabéns pela conquista e pelo investimento em nossas águas.

Por Rodrigo Cintra

2 COMMENTS

  1. ESTOU MUITO FELIZ ,POR MEU FILHO ESTA NESTA EMPRESA! LINDA A EMBARCAÇÃO. DEUS ABENÇÕE TODOS V6 Q NELA ESTÃO E OS Q D FORA TRABALHAM POR ISSO.

  2. A Maersk mesmo configurada como o maior armador do mundo e toda força que seu o grupo gestor tem no mundo, poderia traduzir tal grandeza em valores salariais. Infelizmente isso ainda não acontece no no Brasil…a empresa insiste em manter as bases salariais dos marítimos na tabela ABEAM…a mais baixa do setor. Uma pena, pois é uma excelente empresa em termos de suporte e condições de trabalhos para a classe marítima. Assim perde mão – de – obra qualificada e restringe seu leque de opções no que diz respeito a disponibilidade de porfissionais qualificados do setor.

Deixe uma resposta