Rapidinhas – Êita calorão!

0
58

Eike buscando parceria com os coreanos da SK, Cherne já operando e espanhóis vindo com tudo para investir na terra do Frevo. Libra iniciando nova fase em seus negócios a partir de operação com conteinero enorme. As Rapidinhas chegam com tudo nesta quente tarde de domingo!

Cherne já está operando desde o dia 2 – A plataforma Cherne 2, na Bacia de Campos, litoral norte fluminense, está operando normalmente desde quarta-feira (2). Em nota, divulgada nesta sexta-feira (4), a Petrobras informou que uma equipe de inspetores da Marinha vistoriou a plataforma no dia 1º e atestou as condições de segurança da unidade e reconheceu a capacidade de reação da brigada de incêndio da plataforma diante do incêndio no módulo de bombas, no dia 19 de janeiro.

Espanhóis vão investir em Pernambuco – Um consórcio formado por quatro empresas espanholas assinou hoje um protocolo de intenções para a construção de um estaleiro na área do porto de Suape, no litoral sul de Pernambuco. De acordo com a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, o empreendimento será voltado à construção e reforma de embarcações e demandará um investimento de US$ 440 milhões. Batizado de Galíctio, o consórcio é formado pelas empresas Indasa, Tecnymo, ElectroRayma e Gabadi, todas espanholas. O estaleiro militar Navantia, o maior da Espanha, será o parceiro tecnológico. A ideia é que o empreendimento atenda às necessidades da Transpetro por reforma de navios, serviço que hoje a estatal contrata de estaleiros sul-coreanos e de Cingapura. A expectativa do governo é que o estaleiro do grupo espanhol esteja concluído em 30 meses. A viabilização do projeto, no entanto, ainda depende do sucesso do consórcio em conquistar encomendas da Transpetro. O mesmo ocorre com outros dois investidores que já se comprometeram a construir estaleiros em Suape, os grupos Construcap e Promar.

Libra inicia nova fase – Iniciando uma nova fase na parceria, a Libra Terminais Santos recebe no próximo final de semana um dos novos navios de grande porte da armadora chilena CSAV, o Maipo, com capacidade para 6,5 mil TEUs. Lançado em agosto de 2010, é a primeira vez que o porta-contêiner de 305,6 metros atracará no porto santista. A operação do navio deste porte representa um novo estágio na empresa. “A frota dedicada ao tráfego Brasil-Ásia será composta por navios recém construídos, de última geração e com tecnologia de ponta, similares ao Maipo. Esses navios confirmam a importância que o Grupo CSAV dedica ao mercado Brasileiro”, afirma David Giacomini, vice-presidente de Operações do Grupo CSAV no Brasil. “A operação eficiente desses navios na Libra Terminais Santos é possível devido a preparação e investimentos realizados pelo terminal”, complementa. Para o diretor Comercial para Armadores da Libra Terminais, Roberto Lopes, a operação do navio deste porte representa um novo estágio na empresa. “A Libra está investindo em infraestrutura, equipamentos, acessos, visando aumentar sua produtividade e qualidade dos serviços prestados”, destaca Roberto Lopes. O Maipo, de bandeira liberiana, tem atracação prevista no cais santista no domingo (dia 6), por volta das 15 horas.

EBX busca parceria com SK Group – O grupo EBX, do bilionário Eike Batista, disse que estuda novas parcerias no Brasil com o SK Group depois do terceiro maior grupo industrial da Coreia do Sul comprar uma participação na MMX Mineração e Metálicos SA. O Presidente do Conselho de Administração da SK Group, Chey Tae Won, veio ao País esta semana analisar novos negócios entre os dois grupos e se encontrou com executivos do grupo EBX dos setores de petróleo, energia, logística e imóveis, disse a empresa brasileira em e-mail. “Os executivos sul-coreanos estudam potenciais novos negócios com o grupo, sobretudo nos setores de infraestrutura e recursos naturais”, disse a EBX na mensagem. O SK disse neste mês que pretende ampliar gastos este ano em 31 por cento para um recorde de US$ 9,4 bilhões e aumentar a contratação de funcionários em 25 por cento. Em setembro, a SK Networks, empresa do grupo coreano, fechou em acordo com o grupo de Eike Batista para tornar-se a terceira maior acionista da MMX. Em dezembro, o conglomerado coreano vendeu sua subsidiária de petróleo brasileira SK do Brasil Ltda. a Maersk Oil, uma unidade da A.P. Moeller-Maersk A/S, por US$ 2,4 bilhões.

Por Rodrigo Cintra

Deixe uma resposta