CONFEA vai apoiar entrada de estrangeiros no Brasil

2

Preocupada com a falta de mão de obra especializada para atender a crescente demanda por engenheiros no Brasil, o Confea (Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia) está disposto a contribuir com acordos que acelerem a entrada de trabalhadores estrangeiros no País. Segundo o Confea, triplicou o número de pedidos de registros profissionais diplomados no exterior em 2010.

Embora represente uma tendência, o número ainda é baixo – passou de 115 para 400 processos anuais. O Presidente do conselho, Marcos Túlio Melo, revela que há uma pressão para flexibilizar as leis sobre entrada de profissionais e empresas no mercado nacional. “São reivindicações que vêm principalmente da Espanha e de Portugal. Muitas empresas desejam aproveitar o momento do País, e gostariam de trazer profissionais locais para cá”, revela.

Mesmo assim, o número de engenheiros, profissionais técnicos e especialistas que seriam beneficiados pela medida ainda seria irrisório frente ao tamanho do problema no País. Atualmente, o Brasil forma de 30 a 35 mil engenheiros por ano, mas a demanda é de 60 mil. Melo admite que há setores que já estão comprometendo seu desenvolvimento pela falta de pessoal. “A própria Petrobras já tem um gargalo real dentro de seus cronogramas. A indústria naval também está em franca expansão e sem profissionais, além de toda indústria da construção civil, alavancada por programas sociais e pela Copa de 2014”, revela.

Para o Reitor do Instituto Mauá de Tecnologia, Otávio de Mattos Silvares, “nas três últimas décadas ocorreu um processo de desvalorização da profissão de engenheiro e muitos foram trabalhar em áreas diferentes daquelas para as quais foram preparados”.

Censo de engenheiros

O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio e o Confea trabalham na elaboração de um censo para conhecer a capacidade dos engenheiros e profissionais de tecnologia formados no País. A ideia é entender onde eles estão, saber se conhecem outro idioma e se estão dispostos a se habilitarem para se inserir na Engenharia. Com isso, seria possível focar em ações que evitariam a criação de “apagões de mão de obra”.

Sem dados de onde há mais oferta de profissionais ou sua real condição, as empresas vão criando “jeitinhos” de atender suas crescentes demandas. “Algumas fazem programas de atualização profissional para quem está fora de sua área. A própria Vale fez isso em 2007. Outras buscam na própria graduação. Há ainda a opção de flexibilizar a idade de contratação, resgatando profissionais aposentados, por exemplo”, sugere Melo.

Futuro

Mesmo assim, reconhecem os especialistas, soluções emergenciais são apenas paliativos: é necessário criar uma estrutura para formar especialistas técnicos para o futuro. Silvares, do Instituto Mauá, contextualiza o atual problema. “Devido ao processo de desvalorização da profissão ocorrido no passado recente, muitos alunos com boa formação no Ensino Médio foram para outras áreas profissionais e, por outro lado, o Ensino Médio no Brasil tem apresentado uma qualidade baixa, principalmente nas disciplinas das matemáticas e das ciências”.

O Presidente do Confea diz que é necessário estruturar a educação para evitar a evasão nas universidades. “Os dados nos mostram que entram mais de 180 mil por ano [nas universidades], mas menos de 40 mil saem. Temos que trabalhar essa questão”, destaca, preocupado, Melo.

Com as informações – Info Money

Por Rodrigo Cintra

2 COMENTÁRIOS

  1. “30 a 35 mil engenheiros são formados por ano, no Brasil. A demanda é de 60 mil”, esses números não podem estar corretos.
    Meu filho, formado na Poli da USP no ano passado, em engenharia de materiais, não achou emprego no Brasil, após 6 meses de procura, apesar de dominar inglês e alemão, e ter realizado 2 estágios na Alemanha.
    Encontrou emprego na Alemanha, num instituto de pesquisas estatal, com ótimo salário e nem pensa em voltar para o Brasil.

    Agora, imaginem a situação: O governo estadual de SP investiu tanto dinheiro na formação dele e quem se beneficia é o governo de um país riquíssimo. Será que isso é correto ? Eu acho que não.

Deixe uma resposta