Na contra mão da crise que passou, Maersk anuncia lucro de US$ 5 bilhões e investe na excelência operacional

0
176

O Grupo A.P. Moller-Maersk, maior Armador de navios porta contentores do mundo e o mais novo player da área de Apoio Marítimo e Petróleo e Gás, comunicou um lucro líquido record de US$ 5 bilhões em 2010 nesta pultima quarta feira, apenas um ano após sofrer seu único prejuízo em seus 106 anos de história, prejuízo esse que foi da ordem de US$ 1 bilhão.

O grupo dinamarquês de transporte e energia derrotou a reviravolta dramática que ocorreu durante a crise, aumentando as taxas de frete marítimo e volumes de carga, reduzindo os custos por unidade operacional e ainda foi ajudada pela alta de preço do petróleo.

Mesmo assim, a Maersk advertiu que em 2011 os resultados seriam menos expressivos do que no ano passado, principalmente porque a oferta de capacidade de contêineres provavelmente ultrapassará a procura.

O lucro de 2010, que bateu o anterior recorde de 4,69 bilhões dólares em 2004, foi obtido com um aumento de 15,5 % nas receitas para US$ 56,1 bilhões, enquanto em 2009 essa receita fora de US$ 48,6 bilhões.

O transporte de contêineres, que é dominado pela Maersk Line, avançou para um lucro líquido de US$ 2,64 bilhões, contra um prejuízo de US$ 2,13 bilhões no ano anterior, dando um salto de 31 % em sua receita, que ficou em US$ 26 bilhões.

Nils Andersen

Nils Andersen, CEO da Maersk, disse que era mais pertinente comparar o resultado de 2010 com um lucro de “apenasUS$ 205 milhões dólares em 2008, quando as condições do mercado eram comparáveis às do ano passado. “Mesmo com o fato dos mercados terem crescido consideravelmente em 2010, as taxas de frete e os volumes de carga foram apenas similares às de 2008. Isso significa que nossos lucros são resultados de nossos esforços para sermos mais competitivos, e não apenas de uma conjuntura econômica internacional”, declarou Andersen.

A Maersk cortou custos em suas unidades operacionais, enxugou a folha, aproximou-se dos clientes e reduziiu os custos totais em US$ 800 milhões em 2010. O consumo de combustível nos navios foi reduzido em 10%, principalmente em função da nova prática de navegar com velocidade reduzida.

A média dass taxas de frete, incluindo as sobretaxas, aumentou 29 %, para US$ 3064 por TEU, contra US$ 2370 em 2009 e o tráfego cresceu 5%, chegando a 14,6 milhões de TEUs contra 13,8 milhões de TEUs no ano anterior, seguindo de perto, mas um pouco atrás, o crescimento de 13% do Mercado.

A empresa perdeu uma fatia do Mercado em 2010 porque não se preparou para uma mudança repentina na demanda, como acabou acontecendo, tendo focado nas grandes operações de transporte de cargas, que são bem mais rentáveis.

A operadora aumentou sua mordida no mercado no quarto trimestre de 2010 e tem como objetivo agora reconquistar o espaço perdido durante o ano e, segundo Andresen, a maneira mais correta, lucrativa e ética perante o Mercado como um todo não é causando um “dumping” no mercado, jogando o preço lá em baixo, mas sim oferecendo produtos e serviços de melhor qualidade, sempre disponíveis e relacionando-se de perto com os clientes.

Para os leitores do Portal entenderem bem o que é um “dumping”, basicamente é o que os produtos chineses fazem no Mercado. Entope-se o mercado com produtos e serviços similares, mas de qualidade inferior, joga-se o preço lá em baixo e aí as empresas começam a amargar duras perdas uma a uma, muitas vezes quebrando.

No início desta sema, a Maersk Assinou um contrato de US$ 1,9 bilhões com a Daewoo shipbuilding, conforme noticiado no Portal Marítimo, para  a construção de 10 navios gigantes, de 18000 TEUs, a serem entregues em 2013 ou 2015, ainda tendo a opção de construir mais 20 navios do mesmo tipo, sendo essa a maior encomenda já feita  a um estaleiro no mundo, num total de US$ 5,7 bilhões.

Enquanto uns abaixam seu padrão para não perderem Mercado, a Maersk aumenta seu padrão operacional, oferecendo sempre soluções dinâmicas e inteligentes, propiciando os melhores produtos e serviços a seus clientes e mantendo-se no topo do Mercado, sendo realmente um verdadeiro “ponto fora de curva”.

Por Rodrigo Cintra

 

português

 

 

//

Tradução do inglês para português

Contentor de transporte, dominado pela Maersk Line, mudou para um lucro líquido de 2,64 bilhões dólares de uma perda do ano anterior de US $ 2,13 bilhões em um salto de 31 por cento na receita, para US $ 26 bilhões.

Chefe do Executivo, Nils Andersen disse que era mais pertinente comparar o resultado de 2010 com um lucro de “apenas205 milhões dólares em 2008, quando as condições do mercado eram comparáveis aos do ano passado.

Deixe uma resposta