Eike Batista – O homem de 30 bilhões

2

Em 2009, ele era o 61º homem mais rico do planeta. Em seguida, saltou para a oitava posição na cobiçada lista de bilionários da revista Forbes. Mineiro radicado no Rio de Janeiro, Eike Batista combina trato social e tino para os negócios.Imagine se você tivesse cerca de R$ 2.500 para gastar com o que você quisesse a cada minuto da sua vida nos próximos 40 anos. Ao final das quatro décadas, você teria desembolsado em torno de 30 bilhões de dólares ou R$ 46 bilhões. E mesmo assim o dinheiro só acabaria se ficasse parado em um cofre, sem render nem sem investido. A cifra quase impensável e difícil de calcular é quanto vale o patrimônio do empresário brasileiro Eike Batista, o homem mais rico do Brasil e, pelo segundo ano seguido, o 8º mais rico do mundo, de acordo com o ranking recém anunciado pela revista Forbes.

O empresário faz parte de um grupo seletíssimo composto por apenas 1210 bilionários em todo o mundo, o maior número desde que há 25 anos a lista foi criada. De 2010 para cá, Eike enriqueceu cerca de R$ 5 bilhões. Feito maior ele havia conseguido quando passou da 61ª colocação para a 8ª, de 2009 para o ano seguinte, sendo a pessoa do mundo que mais lucrou naquele ano. E ele não pretende parar por aí: o magnata quer ser o homem mais rico do mundo. Mesmo sendo difícil de superar os US$ 74 bilhões do mexicano Carlos Slim, não há quem duvide que ele vá conseguir.

O mineiro, nascido em Governador Valadares e radicado no Rio de Janeiro, vem de família rica – seu pai, Eliezer Batista, já foi presidente da Vale – mas, afirma que não se beneficiou do patrimônio familiar para fazer fortuna e que, em termos de dinheiro, começou do zero. “Minha fortuna vem da minha educação. Fui muito bem educado”, disse certa vez, em entrevista à Marília Gabriela.

Devido à carreira do pai, de quem herdou o perfil empreendedor e o gosto pelo setor de mineração, viveu em países como Suíça, Alemanha e Bélgica. Em 1974, iniciou o curso de Engenharia Metalúrgica na Universidade de Aachen, na Alemanha. Ainda em meio à faculdade, começou a vender apólices de seguro de porta em porta na cidade para garantir uma renda pessoal e se manter de forma independente.

Depois de formado, voltou ao Brasil na década de 1980 e começou a trabalhar com ouro e diamantes. Na década de 1990, iniciou a diversificação dos seus negócios e buscou empreendimentos fora do País, concentrando-se posteriormente na América Latina. Depois dessa fase, centrou os esforços na EBX, a holding que congrega várias empresas, no Brasil. Com sede no Rio e atuação em nove estados, o grupo e suas empresas empregam cerca de 20 mil pessoas nas suas operações e empreendimentos em construção, total que chegará a 40 mil nos próximos anos.

Contudo, Eike Batista não é apenas o empresário de sucesso. Capa da revista Alfa deste mês, em que fala sobre as sacadas que teve ao longo da vida, o bilionário é também garoto-propaganda do próprio negócio, já que com os negócios consolidados, a questão é atrair investimentos, por isso sua imagem é superexplorada no site da empresa, em revistas especializadas, em programas de entrevista. Tanto que esta semana, o empresário participou do Manhattan Conection, programa da GloboNews, e um do entrevistadores, o jornalista Diogo Mainardi polemizou ao compará-lo a Regina Duarte, em uma alusão à sua intensa vida pública e à conexão com o mundo das celebridades.

Antes mesmo de virar um dos bilionários mais bem sucedidos do mundo, Eike já fazia incursões nas colunas sociais. Fora casado por 13 anos com musa Luma de Oliveira com quem teve dois filhos. Era dele o nome estampado na polêmica coleira que a atriz usou no Carnaval carioca de 1998. Separado desde 2004, até hoje o casal mantém uma relação amigável e a ex, por diversas vezes, o defendeu publicamente. “Eu fico muito ferida quando falam que ele fez fortuna da noite para o dia, porque não foi. Ou quando acham que ele só está engordando a conta dele e não é. Ele arrisca sério, mas também sonha grande”, teria dito.

Vaidoso, Eike faz tratamento a laser contra manchas no rosto, submeteu-se a plástica para retirar gordura sob os olhos e passou por diversos implantes capilares até descobrir a peruca de R$ 50 mil do laboratório italiano Cesare Ragazzi Company. Para manter a forma, ele corre quase que diariamente em torno da Lagoa Rodrigo de Freitas, ao lado da advogada Flávia Sampaio, 23 anos mais jovem, com quem namora há quatro anos. Os exercícios e os frequentes almoços em um restaurante japonês no Leblon, são acompanhados de perto pelos paparazzi e as fotos figuram nos principais sites de fofoca do País.

Eike, apesar de carismático, acaba envolto em uma aura de ser inatingível, inerente a sua condição financeira. Como forma de abrir um canal de comunicação com o povo, Eike fez um perfil no Twitter, em junho do ano passado. A época foi questionado sobre o teor de suas declarações no microblog e afirmou que usaria o perfil para ajudá-lo a se mostrar como realmente é. “O perfil vai mesclar informações pessoais e profissionais. A criação da conta só reafirma uma coisa: sou normal, como qualquer outro ser humano”, disse. Um ser humano normal com alguns bilhões na conta bancária.

Todo poderoso

Brasileiro mais rico, o empresário mineiro Eike Batista acaba de conquistar mais um título precioso. O ranking anual das maiores fortunas do mundo, publicado pela revista Forbes, aponta o brasileiro, dono de R$ 46 bilhões, como o oitavo mais rico do mundo.

Com as informações:  O Povo Online

Por Caê Mahan

2 COMENTÁRIOS

  1. Com certeza… verifiquem as imposições do pai na Vale, quando era estatal. Incrível que depois de privatizada ela etá dando um lucro danado..

Deixe uma resposta