Turismo náutico no Brasil requer investimento de R$ 5,6 bilhões

0

O Conselho de Turismo da Confederação Nacional do Comércio promoveu nesta quinta-feira (24/03) o primeiro de uma série de debates sobre o Turismo Náutico no Brasil. Ricardo Moesch, Diretor do Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico do Ministério do Turismo, falou sobre a visão estratégica do Turismo Náutico, enquanto Luiz Brito, assessor de Relações Institucionais da TurisRio abordou a atuação do Grupo de Apoio e Fomento ao Turismo Marítimo e Náutico do Estado, que completa 12 anos.

Moesch, que coordena o Grupo de Turismo Náutico do MTur, falou sobre a importância de investir na exploração das vias navegáveis do país. “60% dos Destinos Indutores possuem portos internos ou marítimos, o que demonstra a potencialidade do Brasil”. Segundo ele, o país tem capacidade de aumentar suas vias navegáveis de 13 mil para 54 mil km. “Para isso, será necessário um investimento de R$ 5,6 bilhões. Estamos trabalhando em parceria com a Holanda para desenvolver um projeto que viabilize essas condições.

O Diretor do MTur citou ainda o exemplo da região Norte e seu potencial em gerar roteiros turísticos integrados com países vizinhos, que seriam uma alternativa até mesmo para o controle e segurança de nossas fronteiras. Moesch abordou ainda a necessidade de melhorar a qualidade dos serviços oferecidos pelo setor, assim como da infraestrutura dos portos. “De acordo com o Estudo de Competitividade realizado pelo MTur, o país está com uma média de 4,8. Temos que priorizar a qualificação profissional”, afirmou acrescentando que até a Copa o Ministério vai qualificar 3,2 mil profissionais do setor.

Moesch ressaltou ainda a importância de desenvolver um controle sobre a atividade náutica: “Assim poderíamos ter uma temporada de cruzeiros que durasse por todo o ano”. Ele levando alguns desafios do setor como a questão tributária especialmente para embarcações de pequeno e médio porte, a regulamentação da atividade e a adequação territorial.

Já Luiz Brito falou sobre os 12 anos de atuação do Grupo de Apoio e Fomento ao Turismo Marítimo e Náutico do Rio de Janeiro, e seu papel para impulsionar os cruzeiros marítimos no estado. “Estamos no caminho certo mas precisamos melhorar. Temos muito que discutir sobre a regulamentação do setor. O Brasil é um dos maiores construtores de navios, temos potencial para sermos grandes armadores. Precisamos pensar alto”, finalizou.

Fonte: Mercado e Eventos

Por Marcus Lotfi

Deixe uma resposta