Alta do petróleo foi positiva para a Petrobras

1

O alto preço do petróleo, em razão da instabilidade nos países árabes, como Líbia e Egito, teve um impacto positivo no mercado de gás, para o Presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, que na última semana participou da Conferência ARPEL 2011 – Associação Regional de Empresas do Setor de Petróleo, Gás, Biocombustíveis da América Latina e Caribe, realizada em Punta del Este, Uruguai. O cenário energético mundial foi o tema do encontro.

“O alto preço é positivo para o mercado de gás, e não só de gás, pois se esses valores continuarem, as alternativas se tornam mais viáveis. Com isso espero grandes mudanças e incentivos para os projetos de gás em toda a América Latina”.

Outro ponto destacado pelo presidente, na Conferência, foi a diminuição do consumo nos EUA, Europa e Japão, e o crescimento da demanda na China e Índia como fatores essenciais para a mudança dos fluxos de produção e consumo no mundo. “Essa nova demanda já está causando mudanças na geopolítica dos países e irá afetar e intensificar a questão logística em várias regiões”, afirmou.

Diante de um cenário mundial de instabilidade, o Presidente da Petrobras destacou os atrativos da América Latina para o mercado de energia: “A principal vantagem da região são os hidrocarbonetos, pois a maioria das empresas procura novas reservas. Com as condições regulatórias, de infraestrutura e por meio das negociações com empresas teremos o conjunto para atrair mais investimentos”, finalizou.

Já Milton Costa Filho, Gerente Geral da Petrobras México e Presidente da Arpel, ressaltou que o encontro é uma oportunidade para América Latina e Caribe debaterem temas como os efeitos da crise na África e Oriente Médio para os fluxos de investimentos: “As empresas hoje buscam segurança e estabilidade política, além de ambientes mais producentes, e isso inclui o mercado de petróleo, gás e biocombustíveis”.

Também participou da conferência José Carlos Villar Amigo, Gerente Executivo para América Latina da Área Internacional da Petrobras. Amigo destacou a importância de novas descobertas na região. “Está previsto um crescimento na demanda por petróleo e gás de 63% na América Latina nas próximas décadas. É um desafio muito grande, pois é preciso descobrir novas reservas nesses países”, afirmou.

Com as informações – Porto Gente

Por Rodrigo Cintra

1 COMENTÁRIO

Deixe uma resposta