Angola – Sonangol e BP lançam FPSO

2

A Sonangol e a BP Exploration (Angola) Limited, operadora do Bloco 31, em nome dos seus parceiros, receberam neste sábado, em cerimônia que teve lugar em Singapura, um dos maiores navios de produção, armazenamento e descarga em águas ultra-profundas, o FPSO PSVM.

A  cerimônia teve lugar nos estaleiros da Jurong Shipyard – subsidiária da Sembcorp Marine’s, empresa que fez a conversão do FPSO para a MODEC, empresa subcontratada pela BP e seus parceiros, todas associadas da Sonangol.

A produção do projeto PSVM, que é composto pelo conjunto dos campos Plutão, Saturno, Vénus e Marte, vai ser efetuada por um FPSO, que significa Navio de produção, armazenamento e descarga, do original em inglês Floating Production Storage and Offload vessel.

Projectado para trabalhar por mais de 20 anos, o navio tem uma dimensão de 355 metros de comprimento, 57 de largura, 20.000 toneladas de peso e 22,2 metros de calado. O FPSO alberga 120 pessoas a bordo e tem uma capacidade de produção de 150.000 barris, sendo capaz de armazenar 1,8 milhões de barris de petróleo e processar 245 milhões de metros cúbicos de gás por dia.

O FPSO é equipado com uma das maiores torres externas já construídas no setor do petróleo, parte da qual contém um mecanismo de encaixe projectado por um engenheiro angolano, Kimi de Sousa. Também muitas das componentes do projeto foram fabricadas em Angola. Este é apenas um exemplo da integração dos quadros angolanos e da participação de companhias angolanas na indústria.

O FPSO PSVM foi batizado por Ana Maria Martins, esposa do engenheiro Gaspar Martins, Administrador da Sonangol EP. Tradicionalmente, na indústria marítima os navios são sempre femininos. Assim, escolheu-se uma senhora para batizá-lo, desejando-lhe sorte e prosperidade. A cerimônia do batismo decorreu em Singapura, no estaleiro marítimo da empresa Jurong Shipyard e foi testemunhada por várias personalidades, entre elas o Vice-Ministro dos Petróleos, Aníbal Silva, em representação do Ministro dos Petróleos, o Embaixador de Angola em Singapura, Flávio Fonseca, altos responsáveis da Sonangol, da BP e seus parceiros empreiteiros do projecto.
O FPSO PSVM foi construído seguindo elevados padrões de segurança, qualidade e excelência técnica, demonstrados pela Jurong, Modec, BP, bem como pelos estaleiros de fabricação em Angola e noutras partes do mundo, tendo atingido um desempenho louvável de segurança no trabalho que resultou em 8,1 milhões de horas-homem sem acidentes humanos.

Após alguns acertos finais, o FPSO deve navegar para o campo PSVM,  localizado cerca de 400 km  a nordeste de Luanda e onde vai permanecer cerca de 20 anos.  O FPSO vai navegar com motores próprios para Angola, sendo o primeiro a fazê-lo no offshore angolano.

Com as informações – Jornal de Angola

Por Rodrigo Cintra

2 COMENTÁRIOS

  1. saudacoes para o grupo bp; eu gostaria de trabalhar nesta empresa porque tenho uma boa esperiencia neste ramo i neste momento trabalho em [ MPS ] malongo power station como senior operator a 5 anos.na provincia de cabinda.

  2. Sou de nacionalidade búlgara e portuguesa, nascido em 03/10/1958.
    Experiencia profissional: Mergulhador profissional 3ª classe – caderneta portuguesa.
    Experiencia profissional — por mais de 25 anos de mergulho ,barcos e maqinas maritimas
    Cédula maritima – mestre de tráfico local – portuguesa – FORMAR.
    Segurança básica – internacional – FORMAR.
    Sobrevivencia no mar – internacional – FORMAR.
    Ajudante de maquinista – em curso pela FORMAR.
    Profissional na área de máquinas e equipamentos maritimos e de mergulho.Mais de 10 anos navigare nu rio Douro
    e-mail:karagenov@live.com.pt

Deixe uma resposta