Pra variar… Barcas S/A dando problema

2

Um catamarã da empresa  Barcas S.A., que monopoliza o serviço de transporte marítimo entre Rio e Niterói, sofreu uma pane no momento de deixar a Praça XV em direção a Charitas, por volta das 17h50. Os cerca de 400 passageiros tiveram de desembarcar, causando uma grande confusão na estação e revolta dos usuários.

Os passageiros, se sentindo lesados, começaram a reclamar aos berros pelo fato de os funcionários da empresa  terem esperado a embarcação lotar para só depois informarem que o catamarã não seria utilizado na travessia da Baía de Guanabara.

A concessionária Barcas S/A informou, por meio de sua assessoria, que vai verificar,  junto ao Centro de Controle, o que aconteceu.

Com as informações – Jornal do Brasil

Por Rodrigo Cintra

2 COMENTÁRIOS

  1. Agência de Reguladora de Transporte será investigada pelo Ministério Público

    O Ministério Público estadual irá investigar a Agetransp (Agência Reguladora de Serviços Públicos de Transportes) por sua suposta complacência com as concessionárias Metrô Rio, Supervia e Barcas SA. A pouca produtividade na fiscalização resultando em apenas 21 multas e sete infrações aplicadas desde 1998, quando ainda era Asep (Agência de Serviços Públicos Concedidos) chamou atenção do MP.

    http://amahet.blogspot.com/2011/06/agencia-de-reguladora-de-transporte.html

  2. Moro na Ilha do Governador e não entendo como não há um movimento pró transporte hidroviário para o bairro.
    Precisamos forçar o Poder Público a acabar com o Monopólio e reinvidicar a criação de Estações de Catamarã na Ribeira, Jardim Guanabara e Galeão, mesmo que só nos horários de RUSH.
    As Barcas no Cocotá são lentas e não contemplam de forma abrangente a população da Ilha.
    Toda a população do município seria beneficiada, já que o número de carros que trafegariam na Linha Vermelha seria muito menor.
    E nem me venham com essa de que não seria economicamente viável.
    Nem de que causaria impactos ambientais desproporcionais em face da criação das estações.
    Há uma saída para o problema de trânsito da Ilha do Governador e só não vê quem não quer.

Deixe uma resposta