Superporto Sudeste vai bem, obrigado

2

Empregos, geração de renda, novos negócios de um lado. Risco de aumento da violência, favelização e poluição de outro. Moradores da pacata ilha da Madeira, em Itaguaí, a 70 quilômetros do Rio, se mostram divididos sobre o futuro que está sendo imposto à região.

Na ilha estão sendo erguidos empreendimentos de grande porte, como o Superporto Sudeste, do empresário Eike Batista, e o estaleiro da Marinha para a fabricação de submarinos nucleares. Ambos deverão estar operando em até três anos.

A Usiminas já acena com um novo projeto no terreno da antiga mineradora Ingá, e a Petrobras avalia montar ali uma base logística para operações na camada pré-sal.

Juntos, todos os investimentos devem ultrapassar R$ 5 bilhões.
Silêncio e tranquilidade foram substituídos pelo barulho de máquinas, explosões e poeira. O temor agora é que a violência chegue na esteira do progresso. “Deixávamos nossas casas abertas, mas já não fazemos isso mais. Tem muita gente estranha circulando aqui”, diz o pescador Valter Marinho, 52.

O empreendimento de Eike, o de maior porte, está em execução. Apesar de pagar valores acima dos estimados para os imóveis, encontra resistência de moradores.

“As pessoas deveriam ficar. Ninguém é obrigado a sair. Estão pagando bem, mas não é o preço da minha liberdade, de viver no meu lugar”, afirma o comerciante Marco Antônio da Silva Rocha, 46.

Batizada em homenagem à ilha homônima, em Portugal, a ilha da Madeira tem na pesca o motor de sua economia. Às margens da baía de Sepetiba, sua atividade pesqueira teve queda significativa nos últimos anos por conta da entrada de indústrias, como a CSA (Companhia Siderúrgica do Atlântico).

Presidente da Associação de pescadores da Ilha da Madeira, Sérgio Hiroshi não é desfavorável à chegada de empresas na região, mas questiona se não seria prudente limitar seu número.

Com as informações – Cirilo Junior / Folha de São Paulo

Por Rodrigo Cintra

2 COMENTÁRIOS

  1. Estao cometendo um crime contra o patrimonio publico, com erario publico, o meio ambiente é de todos e, se aterrar manguezal, derrubar mata atlantica e expulsar os viveres nao se constitui crime, por favro rasgem a Constituicao de 1988. Há espaço e tecnologia suficiente para o desenvolvimento, mas infelizmente optaram pelo crescimento exonomico, pela corrupcao e praticas ilegais encobertas pelo manto da governança, o interesse nestes empreendimentos sao simplesmente mobilizar capitais financeiros e eleitoreiros. Ressentimos da justiça seguindo seu curso, afinal hoje enveredou pelo caminho da industria de compensaçoes e negociatas.
    Se houvesse justiça de fato, nao haveria cadeia para tantos criminosos.

Deixe uma resposta