TWB pinta e borda na Bahia, e ainda recebe incentivos do Governo

0

A Capitania dos Portos não deu qualquer autorização à concessionária TWB, que explora o sistema ferryboat desde 2005, para encalhar o navio  “Agenor Gordilho”, desde ontem à noite, em uma manguezal na Baía de Aratu. A operação ilegal da empresa paulista tem o objetivo de fazer ”reparo na embarcação”, mesmo com prejuízo à sua estrutura física, e evitar o pagamento de docagem à Base Naval de Aratu.

A Capitania dos Portos informou há pouco e com exclusividade ao JORNAL DA MÍDIA que a operação da TWB é absurda e que para fazer o procedimento a TWB teria que ter pedido, antes de encalhar o navio no manguezal, autorização ao IMA (Instituto do Meio Ambiente) e a uma sociedade classificadora.

O ferry “Agenor Gordilho” se deslocou para a Baía de Aratu ontem por volta das 22h30m, portanto, na calada da noite, justamente para fugir da Capitania dos Portos. Logo que o JORNAL DA MÍDIA recebeu a denúncia nesta manhã, entrou em contado com a Capitania dos Portos.

“Trata-se de uma ilegalidade. A autoridade marítima (Capitania dos Portos) não foi comunicada pela TWB e vai tomar as medidas cabíveis”, disse a Capitania ao JM.

Não é a primeira vez que a TWB adota o procedimento ilegal de encalhar ferries na Baía de Aratu para fazer manutenção. Os funcionários da Marina de Aratu, que fica bem em frente à área onde o navio é encalhado, disseram ao JORNAL DA MÍDIA que a prática é rotineira.

Entenda o Caso – Para não pagar a docagem de um navio na Base Naval, que custa em média R$ 50 mil, a TWB leva a embarcação para a Baía de Aratu na maré alta. Quando a maré baixa, o casco da embarcação fica exposto e os serviços são feitos.

Além de prejudicar o meio ambiente, com a liberação de óleo combustível e detritos, a TWB está causando um grande prejuízo também ao patrimônio público. Com o navio encalhado, toda a estrtura física da embarcação é comprometida. Este é mais um motivo para o sucateamento sem precedentes com a frota do sistema ferryboat, que conta hoje com 6 navios fora de tráfego.

Ontem, em entrevista à Rádio Metrópole, o diretor-executivo da Agerba, Eduardo Pessoa, garantiu que não iria mais permitir o abuso da TWB contras as embarcações do Estado. E prometeu até “arrumar” estaleiros para a concessionária docar os navios. Pelo visto, a Agerba continua à mercê da TWB, apesar de Pessoa ter declarado inúmeras vezes que isso não poderia acontecer mais, porque a TWB, segundo ele, não tem seriedade.

Mas é esta a TWB que o governo da Bahia insiste em injetar dinheiro do cidadão.

Com as informações – Jornal da Mídia

Por Rodrigo Cintra

Deixe uma resposta