Dois vazamentos – duas atitudes

0

Nos EUA, a Exxon segura um enorme pepino e na China, CNOOC e Conoco Phillips fingem não saber de nada. Mais uma vez fica o alerta dos perigos inerentes a nossa atividade, não somente para nós, mas também para o Meio Ambiente. Filho feio não tem pai? Tem que ter… Tem que ter…

Foram pelo menos mil barris de petróleo lançados diretamente neste fim de semana no rio Yellowstone, no estado americano de Montana, após a ruptura de um encanamento explorado pela empresa Exxonmobil sob a superfície.

Segundo informações oficiais, a ruptura que causou o vazamento ocorreu na noite de sexta-feira (1º) na altura da cidade de Laurel e alastrou-se a cerca de 130 km de distância, forçando as autoridades locais a evacuar a população próxima às margens do rio.

A Exxon, que descobriu o desastre na manhã de sábado, assegurou horas mais tarde que as redes tinham sido lacradas. “Reconhecemos a seriedade do incidente e estamos trabalhando muito para enfrentá-lo”, disse a companhia em comunicado, mas ainda não se sabe as causas do acidente.

s graves enchentes que têm ocorrido no centro e norte dos Estados Unidos são um dos possíveis motivos citados pelo Departamento de Desastres e Emergências de Montana, que ainda fez a observação de que as enchentes dificultam as tarefas de limpeza do petróleo.

Já na China, a estatal CNOOC e sua sócia ConocoPhillips receberam pedradas de tudo quanto é lado, por terem escondido, durante semanas, dois vazamentos ocorridos em junho em uma baía do Mar Amarelo, no litoral oriental da China.

Os vazamentos aconteceram no começo e meados do mês passado na jazida Penglai 19-3, operado pelas duas empresas, e embora não haja detalhes oficiais a respeito da quantidade de petróleo derramado, informações da imprensa chinesa asseguram que havia uma maré negra de três quilômetros de comprimento e 30 m de largura.

Os òrgãos Oficiais da China afirmam que foram supostos trabalhadores destas companhias que informaram sobre os vazamentos através de suas contas no Weibo (um Twitter “made in China”), e até estas informações se espalahrem pela Internet, a CNOOC não se pronuncou a respeito. 

A primeira informação oficial da CNOOC só foi divulgada na sexta-feira passada, com duas semanas de atraso, dizendo que o problema estava “basicamente sob controle” e sem oferecer mais detalhes sobre o acidente.

Fica o alerta da importância de “filho feio ter pai”. Parabéns à Exxon pela atitude. Agora é hora de trabalhar… trabalhar muito.

Por Rodrigo Cintra

Deixe uma resposta