Marinha Mercante ecossustentável

0

As discussões ambientais estão aquecidas nos dias de hoje. Os governos vêm investindo em fontes de energia renováveis e as “empresas-verdes” estão crescendo. Os carros movidos a energia elétrica já são uma realidade no mundo e em breve chegarão ao Brasil. Essa é uma forma de reduzir a emissão de gases do meio de transporte mais poluente. No entanto, o transporte aquaviário, apontado como solução para o transporte de carga, também é poluente e vem sendo alvo de investimentos no setor ecossustentável.

O primeiro navio híbrido do mundo já é uma realidade, o Dorothy Carolyn, que opera no sul da Califórnia. A Companhia Foss Maritime (norte-americana) já idealiza um rebocador híbrido, baseado no sucesso do Dorothy Carolyn, que se chamará Foss Campbell. Segundo a empresa, o navio irá economizar cerca de 100 mil litros de óleo diesel por ano.

Além disso, a MOL (Mitsui O.S.K Lines), maior armador japonês, está desenvolvendo um navio de Ro-Ro que será capaz de captar energia solar enquanto atracado, não havendo a necessidade de gerar energia utilizando óleo Diesel. Os painéis solares serão instalados no convés, que tem uma grande área livre, e podem gerar até 160kW. Já as baterias, são de íon-lítio, capazes de armazenar 2,2 MWh e são instaladas na popa da embarcação, substituindo o lastro fixo, o que não altera a quantidade de carros que o navio pode carregar.

Esse ano, tornou-se mundialmente conhecida uma tecnologia que confeccionou uma “pipa” gigante que auxilia na propulsão de navios mercantes, ao captar a energia dos ventos, que em locais como o mar do Norte podem diminuir em até 30% do consumo de combustível quando navegando por estes locais.
Esses são apenas exemplos de investimentos que podem reduzir, ou eliminar em algumas situações, a emissão de gases poluentes em navios mercantes, ajudando na preservação do planeta.

Por Aline Detoni / Jornal O Pelicano

Aline Detoni é Aluna do Segundo Ano do Curso de Máquinas da Escola de Formação de Oficiais da Marinha Mercante (EFOMM), no Rio de Janeiro.

Acesse o site do Jornal O Pelicano clicando aqui.

Deixe uma resposta