Graduação Tecnológica: Se fosse um desodorante…

1

Sinceramente, eu nunca fui fã destes cursos chamados de graduação tecnológica. Com o aquecimento do mercado offshore, os cursos neste formato ganharam mais vida e estão sendo muito procurados por venderem a idéia de uma qualificação rápida e “superior”. O fato é que isto não está acontecendo. 

No mercado de petróleo, temos os técnicos e os engenheiros, basicamente. Os tecnólogos (principalmente em petróleo e gás), como são chamados os que têm esta formação, ficariam numa espécie de meio-termo entre o técnico e o engenheiro. O problema é que não há, simplesmente, um mei0-termo no mercado. Ou você é técnico, ou você é engenheiro.

Salsicha ou linguiça, meu amigo. Você tem que escolher.

Na turma da pós-graduação em QSMS que faço existem pelo menos sete tecnólogos em petróleo e gás. Eles entendem, segundo relataram, que esta graduação tecnológica não funciona como uma primeira formação, mas como um adicional. Muitos, depois de “graduados”, buscaram os cursos técnicos, os de pós-graduação, ou ambos.

A cada dia que passa, vejo que não se pode fazer um curso pelo que a instituição promete. Sim, se o curso diz: “Gestão em Petróleo e Gás”, você não pode fazê-lo pensando em ser , como diz o nome, um gestor da área. Afinal, todos sabemos que quem realmente gere a área de Petróleo e Gás são pessoas formadas em engenharia, ou, quando não são, têm uma longa trajetória percorrida na área e fizeram muitos cursos e contatos.

Realidade: vamos trabalhar com ela.

Se você é como muitos dos nossos leitores, um cara que está desesperado por um emprego, então você precisa saber que deve, antes de gastar o dinheiro que não tem para se qualificar, saber fazer isso. Não gaste uma grana fazendo algo que não será um diferencial na sua vida. Entre um curso de graduação tecnológica e um curso técnico, mais vale este último, pelas chances do mercado. Depois de formado e empregado, aí sim, talvez, a graduação tecnológica seja uma opção. Antes, definitivamente, não.

Outra coisa, não caia na armadilha de “vou estudar dois aninhos e depois vou dizer para todo mundo que sou formado em faculdade”. Embora a legislação diga isso (e só diz porque tem muuuuuito dinheiro envolvido), você é 60% menos estudado do que quem estudou engenharia, pelo menos.

Isso tem até um fundo lúdico, na verdade. Se for fazer algo, faça exatamente o que você deseja, e não algo que se pareça com isso. Se você quer ser técnico, seja técnico. Se quer fazer uma faculdade, faça uma faculdade, não algo que se pareça com uma. Este texto está opinião pura.

Ralph Lauren?

Em termos de emprego, objetivamente falando, não há lugar para os tecnólogos. Na maioria das vezes, eles se tornam técnicos e – como há lugar para técnicos – estes tecnólogos acabam arranjando um lugar também.

Enfim, pelos currículos que recebo, pelas pessoas com quem falo e pelas entrevistas que faço, posso concluir que não é uma boa fazer graduação tecnológica. É um barato que sai caro. Faça o esforço que for, mas no final você saberá que valeu à pena.

Por hoje é só, amanhã tem mais!

Por Marcus Lotfi

1 COMENTÁRIO

Deixe uma resposta