Falta de gente qualificada faz do petróleo e gás um mercado bastante atraente

6

No furor do bom momento vivido pela economia brasileira (e sendo, inclusive, um dos responsáveis por ele), o setor de petróleo e gás tem se posicionado como um dos mais promissores, principalmente após as descobertas do pré-sal. Como consequência imediata, a demanda por profissionais para as diversas áreas que envolvem seus processos – da exploração à comercialização nos mercados internacionais – cresceu bastante e deve permanecer em alta, pelo menos, até 2020.

Em contrapartida, o número de pessoas qualificadas para esse tipo de trabalho ainda é bastante inferior à necessidade das companhias, o que – em um primeiro momento – gera pelo menos dois fatores aos quais os interessados em atuar nessa área devem ficar atentos: vagas sobrando e salários cada vez mais altos.

“As perspectivas são promissoras, visto que a previsão de investimentos no setor é grande para os próximos anos. Só o montante anunciado pela Petrobras já indica a ordem de grandeza da abertura de novas vagas: serão US$ 224,7 bilhões de 2011 a 2015”, explica Goret Pereira Paulo, diretora adjunta e coordenadora do Núcleo de Energia do FGV in company.

O crescimento do setor tem ainda reflexos diretos em outras áreas com as quais está relacionado, gerando paralelamente o aumento da demanda por profissionais também nesses segmentos. “Se levarmos em conta que os projetos vão movimentar também a indústria de novos equipamentos, de ferro e aço e o fornecimento de uma série de serviços, podemos multiplicar esse investimento por quatro ou cinco”, afirma Goret.

Formação urgente e necessária

Pelo menos 173.686 pessoas já se deram conta do bom momento que o mercado de petróleo e gás vive hoje. Esse foi o número de inscritos no último concurso da Petrobras para cargos de níveis médio e superior cujos salários ultrapassavam os R$ 6 mil.

Ter vagas no mercado não significa, entretanto, que elas estão lá para serem preenchidas pelo primeiro que chegar. O grande calo enfrentado hoje pelo setor de petróleo e gás é a falta de profissionais capacitados, e para isso só existe uma solução: capacitá-los.

“Várias cursos de faculdades já estão se adaptando na especialização e formação de profissionais para o setor de óleo e gás. Contudo, não há no mercado hoje mão de obra especializada para algumas áreas como o pré-sal, por exemplo”, afirma Gabriel Jacintho, especialista em assuntos relacionados a petróleo e gás.

“O pré-sal, por enquanto, ainda é uma promessa de um grande negócio ― digo “promessa”, pois as estimativas precisam ser confirmadas ―, mas a sua exploração envolve uma tecnologia muito sofisticada que ainda nem foi completamente desenvolvida”, complementa Goret.

A coordenadora do Núcleo de Energia da FGV in company ressalta ainda algumas áreas em que a demanda é maior. “O setor precisa de profissionais qualificados em diversos segmentos, mas destaco quatro, devido à natureza do negócio: análise de risco, finanças, logística e planejamento. De uma maneira geral, faltam engenheiros e mais ainda: engenheiros com conhecimento de gestão, uma das principais reclamações das empresas. O setor também está carente de mão de obra especializada em gestão de projetos, regulação, meio ambiente, apoio offshore, processamento e refino, distribuição e revenda”, detalha Goret.

Apesar das dificuldades, entretanto, o especialista Gabriel Jacintho se mostra otimista. “A intenção é de que o setor e a economia brasileira não tenham seu crescimento travado por falta de profissionais qualificados. As faculdades devem responder de forma efetiva aos desafios e as complexidades do setor”, afirma.

Onde estão as oportunidades

Todo o Brasil, no final das contas, deve se beneficiar com o bom desempenho do setor de petróleo e gás. Mas algumas regiões específicas concentram as principais atividades e é nelas onde está grande parte das vagas. “São Paulo, Espírito Santo e Rio de Janeiro são estados fortes no setor e sempre precisarão de mão de obra qualificada. Nos últimos anos, o setor de extração e refino de petróleo também vem sendo responsável, direta ou indiretamente, por novas vagas na Região Nordeste, que deverá sediar novas refinarias”, explica Goret Pereira Paulo. 

Com as informações – Simão Mairins / Administradores

Por Rodrigo Cintra

6 COMENTÁRIOS

  1. Eu ainda não entendi, são tantas vagas de trabalhos sendo publicados, sempre dizem que estão em folta de mãos de Obras Qualificadas. mas quando enviamos Curriculos por e-mail ou telefonamos p/ os rh das empresas eles perguntão logo se tem experiências no Ramo.
    eu conheço amigos meus que fiserao grandes investimentos em cursos
    técnicos com direito o crea e tudo estão bem qualificados e capacitados p/ trabalhos, mas como as
    empresas pede hoje em dia com experiências, muitos não tem e estão em casa parados com os seus Diplomas ficando velhos igual a documentos de terras grilheiras, é muita brincadeira né, rsrs é só jesus nessa Causa.

    • Olá Vagner, bom dia.
      Realmente vc tem razão, eu tenho alguns contatos.
      Vc poderia me falar sobre suas qualificações e de acordo com sua
      informação poderei lhe indicar para um contato e futura oportunidade.
      Meu E-MAIL è geilson.natal@hotmail.com.
      Boa sorte
      Sds.
      geilson F. Silva
      supervisor na SUBSEA 7

  2. eu ja tenho alguns cursos que eu já fiz hue,csbp,etc… pois to precisando trabalhar..como eu faço para entrar o contato para trabalhar qualquer empresa petroleo e gas?

  3. A grande verdade é que as empresas do petroleo preferem o Q.I sem experiencia ao profissional qualificado mas sem indicação.Rh de empresas multinacionais com prosissionais sem carater e profissionalismo, processos seletivos mentirosos onde quem tem Q.I já esta garantido e os outros são para preencher o quadro do processo seletivo.Mercado de ilusoes.

  4. meu nome e alvino estou a procura de emprego ja alguns meses sou encanador industrial ajudei a fabricar a p55 mais estou parado tenho esperiencia como mecnico motador pitura industrial

  5. TRABALHO HA ANGUNS ANOS COMO MONTADOR DE ESTRUTURAS NAVAIS E POSSUO O CURSO TECNICO DE CONSTRUCÃO NAVAL GOSTARIA DE TER UMA OPORTUNIDADE DE ENGRESSAR NO GRUPO FICHER NA VERDADE QUERO SABER SE EXISTE O INTERESSE DE INDICAR PARA A CAPITANIA DOS PORTOS AFIM DE REALIZAR O CURSO DE ADEQUAÇÃO A MARITIMO E FAZER PARTE DE TRIPULAÇÃO EM UMA DE SUAS EMBARCAÇÕES TENDO EM VISTA QUE MEU CURSO TECNICO É PRE REQUIZITO PARA A CAPITANIA O CURSO É DE ADEQUAÇÃO A MARITIMO (C Q A A II) CONDUTOR DE MAQUINAS NESSECITO DE UMA CART A DE UMA EMPRESA LIGADA AO FUNDO DE EDUCAÇÃO DA MARINHA MERCANTE PARA INGRESSAR EM TAL CURSO QUE TEM A DURAÇÃO DE TRES MESES NA CAPITANIA E TRES MESES ESTAGIANDO NA DITA EMPRESA DE NAVEGAÇÃO PODERRIAMOS ATÉ FORMALIZAR UM CONTRATO DE COMPROMISSO VISTO A FALTA DE MÃO DE OBRA ESPECIALIZADA NO SETOR .AGUARDO RESPOSTA O MAIS BREVE POSSIVEL . ATENCIOSAMENTE :CRISTIANO ALCANTARA

Deixe uma resposta