Subsea 7 deve desistir de construir base no Paraná

2
128

O Diário do Comércio, em Portos & Exportações, divulgou na semana passada matéria sobre o risco que o Litoral do Paraná corria de perder um dos maiores empreendimentos dos últimos anos por falta de licença ambiental.Um representante do alto escalão do governo estadual confirmou que o empreendimento, provavelmente, não será instalado no Paraná.

A Subsea 7 já havia recebido as aprovações e anuências de outros órgãos como do IPHAN, FUNAI, IBAMA, Prefeitura, entre outros. Porém o Governo do Estado do Paraná não foi capaz de dar agilidade ao processo junto aos órgãos responsáveis por este tipo de licenciamento no estado.

De acordo com a fonte do Governo, o projeto teria apresentado problemas ambientais e por isso a licença não foi emitida. De acordo com informações extra-oficiais, os empresários já estavam preocupados com os prazos do empreendimento e estariam pensando num “plano B” e isto significa que o Litoral do Paraná pode perder o investimento para a região de São Sebastião, em São Paulo, ou para Vitória, no Espírito Santo.

Segundo esta fonte, do governo estadual, o Paraná deve mesmo perder este grande empreendimento. A Subsea 7 é uma das maiores empresas do mundo na construção e engenharia submarina e já teria comprado uma área em Pontal do Paraná para a instalação de uma base operacional.

O Parque de Construção Submarina do Paraná seria uma unidade produtiva para montagem e embarque de dutos submarinos usados na prospecção e na exploração de petróleo e gás na costa brasileira. A instalação do Parque de Construção Submarina do Paraná faz parte do desenvolvimento do setor petroleiro no Brasil e iria, caso se concretizasse, inserir o Estado na indústria do petróleo e no mapa do pré-sal.

Na fase de implantação, a quantidade de mão de obra exigida iria variar entre 73 e 345 trabalhadores por mês. Na fase de operação, poderiam ser gerados 677 empregos diretos. Cerca de 60% das vagas seriam destinadas para mão de obra de nível técnico especializado.

É lamentável que mais uma vez vemos problemas de ordem ambiental prejudicando o desenvolvimento de toda uma região, que carece de oportunidades de trabalho para milhares de pessoas desempregadas.

Situação parecida vem vivendo a Administração do Porto de Paranaguá para conseguir com que as licenças ambientais que permitiriam a dragagem no Canal da Galheta sejam liberadas em Brasília, o que vem preocupando sobremaneira a comunidade marítima local.

Com as informações – Jornal do Comércio

Por Rodrigo Cintra

2 COMMENTS

  1. isto é um absurdo,o governo estadual deve estar brincando com o povo do litoral do paraná,esses órgãos ambientais só atrasa a vida do povo do litoral,aqui eles não permitem que se estalem nenhuma empresa de grande porte,os outros estados agradecem.

  2. É uma vergonha…Cadê você Beto Richa? Na campanha não saia daqui prometendo mundos e fundos.
    Politicos do Paraná tomem vergonha nestas caras e pessam pra sair.
    Vocês são muito incompetente!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Deixe uma resposta