Petrobras e ABNT lançam a ISO 26000 – Responsabilidade Social

0

Os desafios para a concepção e implementação da norma ISO 26000, que trata da responsabilidade social, foram tema de workshop realizado na manhã do dia 12 de setembro (segunda-feira), em Porto Alegre. Organizado pela Petrobras e Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), o evento reuniu empresários, representantes de órgãos públicos, universidades e organizações não governamentais.

Na abertura do painel, o Presidente do Comitê Mundial da ISO 26000, Jorge Cajazera, salientou que a norma é o mais importante conjunto de diretrizes aprovadas para que as corporações possam interagir de forma padronizada com todos os segmentos da sociedade e cumprir com suas obrigações de serem socialmente responsáveis. “O conceito sobre responsabilidade social inclui, entre outras importantes questões, ter uma relação ética com os diferentes públicos (stakeholders), respeitar os direitos humanos e a diversidade, proporcionar condições de trabalho e ser transparente em todas as informações prestadas à sociedade”, explicou Cajazera. Segundo ele, a ISO 26000 é uma poderosa ferramenta para que empresas, governos e sociedade possam desenvolver suas ações de responsabilidade social, focadas na construção de um mundo melhor. ” Precisamos criar hábitos de consumo sustentável”, lançou ele.

A elaboração da norma durou cerca de cinco anos e envolveu 450 especialistas, 99 países e 42 organizações regionais e internacionais com relevância no assunto, como a Organização Internacional do Trabalho (OIT), a Organização Mundial da Saúde (OMS), a Consumers Internacional (CI) e o Pacto Global da Organização das Nações Unidas (UN-Global Compact). Para a elaboração da ISO 26000, as delegações foram divididas em diferentes grupos em um processo de multistakeholders, em que todas as partes interessadas foram devidamente representadas. Nesse caso, estiveram envolvidos: consumidores, governo, indústrias, trabalhadores, organizações não-governamentais (ONGs), além de Serviço, Suporte, Pesquisas, e Outros (SSPO). No Brasil, houve 20 encontros até o momento. “Não é um processo fácil, pois a norma precisa atender a uma necessidade real, gerar benefícios e não entraves, assim como ser constantemente atualizada”, salientou José Salvador, coordenador da delegação brasileira e representante da Fundação Vanzolini.

O que é relevante na ISO 26000 é que, diferentemente de outras normas criadas pela ISO (International Organization for Standardization) – nas quais é concedido um selo de reconhecimento, como no caso das ISO 9000 e 14000, de gestão ambiental –, pois a norma debatida não certifica as entidades que a adotarem, servindo apenas como um guia de diretrizes para melhorar as práticas já existentes e integrar o comportamento socialmente responsável nas organizações – sejam elas de médio ou grande porte ou dos setores público, privado e não-governamental.

Neste sentido, a representante do setor industrial na delegação brasileira de construção da ISO 26000 e Coordenadora do Relatório de Sustentabilidade da Petrobras, Ana Paula Grether, enfatizou que “hoje, a sociedade está cada vez mais crítica e exigente, e não é mais a certificação que garante impactos positivos sobre imagem e reputação. A atuação socialmente responsável é fundamental para qualquer organização que tem o objetivo de manter sua atuação no mercado”. Segundo ela, é importante que as organizações trabalhem de acordo com as expectativas de seu público, considerando princípios de atuação ética, prestação de contas, transparência, respeito aos direitos humanos, questões relativas aos consumidores, práticas de trabalho, além do envolvimento comunitário que promova o desenvolvimento local. “A norma apresenta expectativas amplas que serão cobradas pela sociedade”, concluiu a coordenadora, que dividiu o painel com Lisangela Reis, adjunta da Assessoria de Promoção da Cidadania Empresarial de Furnas e Observadora da Categoria Indústria.

Desde a primeira reunião em 2005, a Petrobras acompanhou o grupo de trabalho internacional da ISO 26000, passando a ser representante da indústria brasileira em 2006. Durante o processo de trabalho, a empresa firmou uma parceria com a ABNT e com a delegação nacional, visando a disseminar a discussão da norma no país. Desde 2007, a Companhia possui uma política de responsabilidade social, o que contribuiu para que a empresa levasse exemplos e iniciativas ao grupo de trabalho da norma, além de ter feito com que a organização estivesse em alinhamento com as recém-lançadas diretrizes da ISO 26000. Atualmente, a Petrobras promove palestras e workshops para o público interno, assim como capacita seus pontos focais de responsabilidade social. A Companhia vai realizar também um programa de avaliação dos seus fornecedores sobre a atuação socialmente responsável.

Com as informações – Fator Brasil

Por Rodrigo Cintra

Deixe uma resposta