Caos Aéreo em Macaé: “Vai Passar”…NOT!

6
293

Há dois meses, no texto “Caso Senior: Mais um AW-139 cai, fabricante interdita modelo e detalhes sobre o pós acidente”,  o Superintendente em exercício do aeroporto de Macaé,  José Roberto Gementi, disse que o aeroporto seguia suas atividades normalmente sem atrasos de qualquer espécie. Além disso, o superintendente afirmou que nenhuma informação no sentido da paralisação da frota foi passada nem a ele e nem à Infraero, que administra os aeroportos brasileiros. De lá para cá, parece que a situação mudou bastante.

O aeroporto de Macaé está um “samba do crioulo doido”, com o devido respeito aos nossos irmãos negros. E o enredo desse samba são atrasos de todos os tipos, hotéis lotados e profissionais à bordo indignados querendo voltar para casa, com as malas nas mãos.

Sem aviso prévio, alguns vôos são simplesmente cancelados. Já há vôos nesta situação há pelo menos três dias e nenhuma reação da administração do aeroporto. É, Sr Gementi, parece que vivemos um caos aéreo em Macaé.

Ok, agora imagine com helicópteros.

Esse imenso congestionamento cria – claro – uma sensação de desconforto e insegurança, uma vez que a cereja do bolo caótico do aeroporto de Macaé são as panes nas aeronaves e o caso Senior, de tão recente, cria sempre uma sombra de acidentes cobrindo os profissionais que aguardam no aeroporto.

Para completar, as autoridades competentes não são acessíveis. Dizem: “Está cancelado” e acabou.

Pode isso, Arnaldo?

Pesquisando na internet, pude perceber que este samba já é um velho conhecido dos ouvidos embarcados. Muitos profissionais, ora indo, ora vindo, estão sempre sendo embalados pela marcação desencontrada do pessoal de Macaé. Vão dois dias depois, chegam quatro. É dobra e quebra, e segue o cordão.

Helicópteros pousam e decolam num intervalo de 20 minutos, a manutenção, que deveria ser preventiva, é feita de maneira urgente, afobada, e os desencontros são constantes. Imaginem, amigos, que tem gente que pega o vôo, chega à unidade e é obrigado a voltar por falta de vagas à bordo, por conta de turmas que ainda não desembarcaram.

Essa situação me lembra muito o samba “Vai Passar” , de Chico Buarque. Há um certo trecho que diz assim: “Seus filhos erravam cegos pelo continente…”. E aí, amigos? Por quanto tempo continuaremos “errando cegos” pelos campos de exploração?

O estandarte do sanatório geral vai passar...

E aí, Infraero? Esses moços cuidam da menina dos olhos da Presidenta Dilma, hein? Não me vá escorregar!

E aí, Sr Gementi? Tenho a leve impressão que o senhor, em vez de dizer o que acontece…Mente.

É isso, pessoal! Contribuam conosco! É discutindo que a democracia se impõe! Um fortíssimo abraço e até amanhã!

Por Marcus Lotfi

6 COMMENTS

  1. O pior de tudo é que essa bagunça não tem data pra acabar.. e o maior prejudicado nisso é o trabalhador, infelizmente. Já cheguei a ir todos os dias, durante uma semana no aeroporto sem conseguir embarcar.. ficando das 06:00 às 17:00, um absurdo!

    Já aproveitando gostaria de parabenizar o site.. o mais completo e atualizado que já encontrei sobre noticias offshore! Parabéns equipe Portal Maritimo!

    • Huje pudemos constatar que há aeronaves, mas não há pilotos suficientes.
      A informação que temos é que muitos pilotos de Macaé estão indo para a Região da Amazônia, pois as propostas de emprego, salário e vantagens nesta área estão melhores.
      Diversos colegas pilotos estão nos dando essas informações e agradeço desde já pela participação do pessoal da Aviação Offshore, que sempre marca presença aqui em nossas páginas..

  2. Estou embarcado no momento e a sensação é de frustração,pois há colegas há 4 dias tentando desembarcar,sem contar as recentes panes de aeronaves relatadas no site do sindipetro… É UMA VERGONHA!!!!

  3. Estou aguardando desembarque a 4 dias e até agora nada. Ja estamos saindo de casa sem saber quando vamos voltar e se vamos voltar pra casa. Essa situação ja esta virando rotina e as autoridades não fazem exatamente nada. Simplesmente fingem que esta tudo certo e que nada esta acontecendo. E o prejudicado é sempre o trabalhador. Vamos divulgar!

  4. O “Caos Aéreo” no aeroporto não está ligado a administração aeroportuária Quem programa os vôos (emb/des) offshore são as empresas contatantes; Petrobras, Chevron, Shel etc.
    cabe a infraero prover infraestrutura. Nada está relacionado a pista interditada, radar desativado, balizamento desligado e etc. a infraero não tem aeronaves, não tem plataformas e muito menos possui empresa aérea. Talvez seja isto que foi sintetizado pelo Sr. gementi.

Deixe uma resposta