Brasil igual à Noruega – e tudo na conta do pré-sal

1
128

A Noruega, recém apontada como país de maior IDH (índice de desenvolvimento humano) do mundo, é um exemplo de boa administração dos recursos advindos da exploração e produção de petróleo. A afirmação foi feita pelo Gerente Executivo do Pré-Sal, José Miranda Formigli Filho, durante a Conferência Brasil 2022: Ordem e Progresso?, promovida pela Revista The Economist, no Hotel Unique, em São Paulo.

“A Noruega tem o maior IDH e é um dos países mais verdes do mundo. Mas não tolhe a sua produção de petróleo porque tem bandeiras ecológicas fortes, pelo contrário. Sabe que o petróleo gera riqueza e gera conhecimento, que será utilizado pelas gerações vindouras”, avaliou o gerente durante mesa-redonda. O país tem sido inspiração para o Brasil no desenvolvimento da indústria nacional e hoje é um dos que mais exporta tecnologia para países produtores de petróleo.

Sobre o Plano de Negócios da Petrobras, Formigli ressaltou que este é robusto e arrojado. “Mas foi feito com alta financiabilidade, levou-se em conta o preço do barril entre US$ 80 e US$ 95, abaixo dos preços atuais”. Nos projetos do Pré-Sal, continuou o gerente, “a viabilidade econômica é bastante atraente: conseguimos aprovar nossos projetos na faixa de equilíbrio entre US$ 35 a US$ 45 o barril. Isso nos dá uma boa margem em relação ao preço atual”, afirmou.

Ao falar do potencial da indústria nacional, Formigli ressaltou que o Brasil é exemplo internacional de qualidade em equipamentos submarinos, tais como árvore de natal molhada (equipamento que controla vazão e pressão de poço submarino). “Os fornecedores brasileiros competem internacionalmente”, ressaltou, explicando que a Petrobras também conta com tecnologia estrangeira. “Diversas empresas do mundo estão instalando centros de tecnologia no Brasil”. Para Formigli, há três motivos para os investimentos estrangeiros na indústria de petróleo e gás nacional: existe volume de trabalho que justifica esses aportes, o horizonte para desenvolver o Pré-Sal é longo e a qualidade do capital humano das universidades é atraente para as empresas

A plateia de aproximadamente 300 pessoas confirmou a perspectiva promissora que se abre com as descobertas. Ao final do debate, a correspondente da revista The Economist no Brasil, Helen Joyce, mediadora da mesa-redonda, perguntou aos participantes se estavam otimistas em relação ao desenvolvimento do Pré-Sal. A esmagadora maioria (mais de 90%) levantou a mão quando a pergunta era quem estava otimista.

Também participaram do debate David Zylbersztajn, da DZ Negócios com Energia, e José Goldemberg, Professor da Universidade de São Paulo (USP). O evento é promovido pela revista inglesa The Economist.

Com as informações – Portal Fator Brasil

Comentário do Editor – Ah, tá… então tá… Não quero ser pessimista, mas esqueceram de citar também do nível de corrupção na Noruega, que é mínimo. Na verdade é NADA quando comparado ao Brasil. Se alguns recursos chegassem em seus devidos destinos, já teríamos um país bem melhor.

Por Rodrigo Cintra

1 COMMENT

  1. No BRASIL o problema nao e a falta de recursos e sim a avacalhacao com o dinheiro publico,a corrupcao em todas as esferas.e a farrra do boi ,em seu pior sentido,e quem paga opato somos nos,

Deixe uma resposta