Portaria 264 da DPC – CIAGA pode certificar Oficiais de Máquinas como DPOs

7

Conforme publicado aqui no Portal Marítimo, o Nautical Institute havia modificado os requisitos para certificação de DPOs e deixou bem claro que a certificação de máquinas seria aceita, com implementação das novas regras prevista para janeiro de 2012.

Clique aqui e leia a matéria publicada na época.

A polêmica foi levantada e a DPC soltou portaria ratificando o que o NI havia determinado. A portaria é de 30 de dezembro de 2011, altera a NORMAM 13 e com certeza vai dar o que falar, porque, até o presente momento, muito pouco se tem falado a respeito disso.

Oficiais de Máquinas podem sim ser Operadores de Posicionamento Dinâmico.

Fico imaginando as novas Plataformas Semi Subs que estão saindo do estaleiro com console de DP (Emergência) no CCM (Centro de Controle de Máquinas) e o que pode vir como conseqüência disso.

Ou então nas que já possuem todo o sistema de alarmes da Máquina no passadiço.

Acesse a Portaria 264 clicando aqui.

Vamos ver o que vai acontecer no final.

Por Rodrigo Cintra

7 COMENTÁRIOS

  1. acredito que seja mais uma maneira das empresas reduzirem custos pois em veis de ter um DPO terá um oficial de maquinas no passadiço e este ira atuar na maquina em unidades menores também reduzindo custo .

  2. vamos ver agora se as empresas de perfuração estrangeiras reinantes no Brasil vão preferir contratar máquinistas DPOs brasileiros aos invés dos estrangeiros que a cada dia que passam infestam cada vez mais as bacias de Campos e Santos.

  3. Sou Oficial de náutica desde 2002 formado pelo CIAGA. Bem, acho que todos podemos fazer tudo inclusive já estou fazendo um curso de medicina (três semanas) – na verdade são só procedimentos de suturas para hemorragias internas e externas e mal posso esperar por ter vocês como cliente.
    Claro que o mencionado acima não é verdade, mas já imaginou ?

  4. Modéstia a parte, não vejo problema algum em um maquinista poder ser DPO, até porque estes possuem uma visão muito mais ampla de consequências (em relação as máquinas) das ações tomadas no console operador, além de terem bem mais facilidade em gerenciar o consumo de carga de maneira eficaz.
    Na realidade 2 DPOs, um oficial de náutica e outro de máquinas trabalhando a bordo em conjunto pode ser uma parceria muito bem vinda, afinal de contas exitem DPOs que sequer são marítimos, como técnicos de terra, engenheiros, ou até mesmo nem possuem formação técnica (caso de alguns professores de inglês que se tornam radioperadores e posteriormente DPOs), então porque não dar chance aos maquibambas?

  5. Mais uma vez os “homens de branco” entenderam tudo errado!

    Quando o NI normatizou que os Of. de Máquinas estariam habilitados a fazer o curso de DP quis eliminar os mecânicos e outras categorias de fazer o mesmo.

    Na Europa é comum ver empresas que solicitam “Engineers with DP Certificate” para suas unidades DP. Estes Of. de Máquinas receberam treinamento para entender e solucionar problemas em sistemas de DP.

    Nós, que sabemos como o sistema tem ramificações com equipamentos como sistema de suporte de força, motores, resfriadores, hidráulica e temas afins à profissão dos Of. de Máquinas, tendo eles o conhecimento destas interligações e a análise de consequências/correções a serem feitas eventualmente propicia a este Maquinista executar o seu trabalho de uma melhor forma e com mais conhecimento da complexidade que é uma Operação de DP.

    Trabalhar e morar num país onde a ignorância abunda é uma dureza…

  6. Graças a Falta de Conhecimento técnico que é adquirido Somente no Instituto de Ciências Náuticas pelos BCO’s.
    Os Operadores da Petrobrás 26 pouco antes do 1° Concurso Público para Técnico em Estabilidade Júnior Ago/2008 ( Obrigatório CIR = BCO ), sem este Conhecimento técnico que alguns julgam “Irrelevante” de que a Abertura de uma Caixa de Mar com um mergulhador dentro há 22 metros era fatal ( apesar de Explícito na APR2 da Própria BR ), Suporto Hoje as Consequências dessa falta de “Conhecimento” em Nível de BCO, Imagina de DPO ou SDPO.

    Caso tenham dúvidas sobre a necessidade e obrigatoriedade desta formação técnico no Nautical Science Institute vejam o caso da Piper Alfa e P36.

Deixe uma resposta