Pouso forçado na NS-07, da Etesco, assusta e levanta mais uma vez o questionamento sobre a manutenção das aeronaves offshore

84

POUSO FORÇADO

Mais um pouso forçado e mais uma vez a pergunta, já levantada em nossas páginas, vem à baila: será que as aeronaves estão passando pela manutenção correta?

O “pousa – decola” de aeronaves principalmente nos aeroportos de Macaé, Jacarepaguá e Cabo Frio mostra, principalmente para os observadores mais atentos, que observam os prefixos das aeronaves, que as aeronaves estão ficando pouco tempo em solo.

Vejam abaixo o comentário de um colega embarcado a respeito do ocorrido:

“Pouso forçado em NS-07 Etesco.. ainda temos que escutar que trabalhar la é facil que da dinheiro, acha que é facil ficar a bordo 14 dias em cima de uma bomba relogio 24hrs?! Ta ai oh a realidade a imprensa nao mostra, mais essa é a dura e verdadeira realidade de quem trabalha OFFSHORE. Cade a PETROBRAS pra divulgar isso? essas aeronaves da BHS em pessimo estado e mesmo assim a PETROBRAS que tanto ‘preza’ pra nossa segurança nao tira esses lixos Voadores do ceu, infelismente só quando uma aeronave cair eles vao querer tomar atitudes! Fica aqui a minha indignação. Olha que despreso com os trabalhadores OFFSHORE merecemos mais respeito e segurança!” (SIC)

Não concordo que as aeronaves são “lixos voadores”, porém, temos sim que pensar até onde os procedimentos de segurança ligados à manutenção das aeronaves estão sendo observados.

Não podemos deixar de pensar na pressão que as empresas de aviação recebem de seus clientes para que as aeronaves decolem logo, que já voou no final do entardecer sabe a loucura que fica um aeroporto quando vai chegando a hora do pôr do sol.

Não posso, todavia, ser leviano em afirmar que o problema foi manutenção, mas este questionamento é sempre levantado nessas horas, pois já tivemos ocorrências onde a manutenção foi o “key point”. 

Publicamos há algum tempo um texto a respeito, que transcrevemos abaixo:

Atrasos, voos cancelados, aeronaves se tremendo mais que o normal, como se estivessem velhas, alguns incidentes e até mesmo acidentes com vítimas fatais. Uma paradinha rápida entre voos para umas checagens e uma grande interrogação no ar. Uma coisa é certa, o petróleo precisa de mais helicópteros, mas será que a coisa é simplesmente comprar estes helicópteros?

Desde os primórdios da Aviação Offshore, quando os helicópteros eram mais conhecidos como “cai cai” (galera da velha guarda vai lembrar), até os dias de hoje, quando simplesmente não temos helicópteros suficientes, as trocas de turma sempre foram uma emoção a parte.

Basta a aeronave subir que Jesus Cristo, Buda, Maomé, os Orixás e tudo quanto é tipo de divindade são acionados automaticamente, através de sinais, rezas, patuás, objetos etc, cada embarcado dentro da sua crença. Já presenciei sinais inpossíveis de se entender dentro de aeronave, mas é a Fé das pessoas, temos que respeitar.

Outros mais prezepeiros acham “maior onda” andar de helicóptero e ir para o trabalho de helicóptero. Gente tirando foto desse momento é o que não falta.

Isso porque, é óbvio, entramos no desconhecido, num meio de transporte que não é acessível a quase que totalidade de nossa população. Um transporte mais pesado que o ar, mas que vai literalmente levitar e seguir a centenas de quilômetros por hora em direção às unidades offshore que muitas vezes estão há centenas de milhas da costa. Tem peão que não entende a Física ali envolvida, meus queridos leitores e mesmo os que entendem… dá um medo danado.

Após as ocorrências como quedas, arremetidas e chacoalhadas estranhas com aeronaves, somada à visível falta das mesmas com a crescente demanda da atividade offshore, vem a dúvida: quem vai fazer a manutenção disso tudo?

Ainda bem que ultimamente não temos visto isso, o que é um bom sinal.

A gente que conhece o trabalho a bordo sabe que um Plano de Manutenção não é uma coisa de outro mundo, mas de simplório, ele não tem absolutamente nada. Profissionais qualificados, ferramentas adequadas, horas de funcionamento devidamente anotadas, manual do fabricante seguido à risca e as necessárias paradas de manutenção que deixam OIMs, Comandantes e Superintendentes de cabelo em pé. A coisa é meio complexa e se pensarmos nisso relacionado a um equipamento que está voando e se falhar a morte de quem está usando é quase que certa… é para se preocupar.

Muitos se assustam com este fato, mas a verdade é que por mais que treinemos lá no HUET todas as técnicas de escape, em caso de queda (que é bem diferente de um pouso de emergência na água), a chance é minima, olhem as estatísticas e vejam por si mesmos. Em caso de pouso na água, a coisa se inverte, e em se usando as técnicas aprendidas, a pessoa sobrevive, mas na queda, meu irmão…

Após dar uma pesquisada, pude ver que o tempo necessário para que tenhamos um mecânico de aviação com um mínimo de preparo para exercer o ofício de maneira relativamente segura é de 3 a 4 anos.

Como profissional qualificado não brota do chão nem dá em árvore, eu me pergunto:

Será que o mercado tem gente suficiente pra isso?

Será que o Mercado tem gente disponível qualificada pra isso?

Aonde estão os investimentos do Governo ou da iniciativa privada divulgando esta carreira?

Junto a isso, vem todo um custo agregado, pois profissional bom e qualificado você não acha em qualquer esquina. Ferramentas adequadas e de qualidade você não compra na quitanda do “Seu Manel” e muito menos ali na Rua Uruguaiana. Isso tem um preço e as empresas envolvidas devem comprometer-se a pagá-lo. Não basta ter um software bom, um AMOS, ENGEMAN, MP5, TM Master, Star, etc, mas tem que ter gente que faça com que todas as informações ali contidas sejam realidade.

Além disso, quem é do meio sabe que qualquer pessoa que trabalhe com Manutenção tem “fungando no seu pescoço” um supervisor ou gerente cobrando um índice de disponibilidade do equipamento o mais alto possível. Não é porque o gerente queira, mas isso é uma técnica de gestão, um indicador de qualidade bastante conhecido para quem trabaha com sistemas de gestão de manutenção centrados na confiabilidade, o famoso RCM (Reliability Centered Maintenance). Traduzindo isso para a Aviação, é basicamente que a aeronave fique o mínimo no solo, mas este “mínimo” deve ser baseado na técnica, na boa manutenção, em não disperdiçar tempo nem material, e não somente em apenas “tirar a aeronave do solo o quanto antes”. Manutenção não dá pra fazer por telepatia, então, meus caros… tem serviço que tem que parar e fazer e ponto final.

Espero que estas empresas de aviação estejam dispostas a isso. Mais que dispostas, espero que estejam fazendo isso. Quero acreditar que sim e muitas eu sei que estão, mas vai que…

Fica aqui nossa pergunta, pois pessoalmente eu realmente não sei as respostas, e talvez algum leitor as tenha.

Mais do que ter essas aeronaves disponíveis, devemos pensar em tê-las disponíveis e seguras para os voos, com a manutenção em dia, do contrário será na base da Fé mesmo.

Por Rodrigo Cintra

84 COMENTÁRIOS

  1. Eu estava na aeronave que se acidentou na NS-07. Aparentemente não foi problema na aeronave. O sustou foi grande, é de se pensar se vou embarcar novamente ou procurar outro meio de me sustentar.
    Não bastasse o susto que passamos, após desembarcarmos na NS-07 sofremos por 3 dias sem termos se quer notícia de quando iríamos desembarcar.
    O acidente acontece às 7 hrs de domingo, e só nos desembarcaram por volta das 13 hrs de terça feira. Segundo a PETROBRAS não poderíamos transbordar de cesta para rebocadores, e depois para outra plataforma para desembarcarmos de aeronave, por motivos de segurança. Só que os pilotos desembarcaram dessa forma, e os mecânicos da BHS embarcaram dessa forma…… Por fim, resolveram navegar até Arraial do Cabo e acabamos transbordando de cesta para um rebocador, e navegamos até o porto de Arraial…..

    Pergunto, se era pra transbordar de cesta, porque não fizeram isso no domingo mesmo?????

    Somos trabalhadores psicologicamente abalados que tivemos nosso emocional mais abalado ainda devido à falta de respeito e prioridade.

    Essas coisas acontecem para nos mostrar o quanto somos descartáveis e substituíveis como funcionários do setor petrolífero.

    • Camarada…enquanto os navios continuarem a mentir sobre as condições de balanço, para os pilotos, somente pra realizar as trocas, isso vai continuar acontecendo.

      • Exato Carlos! As UM’s MENTEM é mentem muito! Que foi o que aconteceu especificamente neste caso! Mentira da UM pra forçar um pouso! Ou seja, a culpa não foi nem só do piloto, muito menos de aeronaves velhas ou falta de manutenção! A culpa foi 50% da UM, mentirosa e irresponsável e outra parte do piloto, que talvez por ser novo de off shore, não teve capacidade de julgar e reconhecer uma gravíssima mentira da UM! Então petroleiros, neste caso, a culpa TAMBÉM foi DE VOCÊS!

        • Não existe justificativa para o pouso ter sido feito da forma que aconteceu…. Não defendendo o pessoal do navio que pode ter passado informações erradas, independentemente da dessa informação,, faltou cautela do piloto, que poderia ter feito um pouso a 90o.. Simplesmente lamentável o fato de colocamos as nossas vidas nas mão de pessoas que não tem cuidado nem com a sua própria vida, muito menos com as de outros trabalhadores…

  2. Por experiencia própria, em Novembro fui fazer um embarque na plataforma Amaralina Star da Queiroz Galvão, e um dos 2 geradores do helicoptero deu fora.. Tivemos que retornar ao aeroporto de Cabo Frio e quase 50 min depois chegamos bem.. Foi apavorante.. Uma experiencia que nao desejo a ninguem.. o Comandante da Aeronave regressou bem baixinho caso fosse necessário fazer um pouso no mar..

    • Estranho! Perda de gerador não causa nenhum estresse! A aeronave tem muitas outras fontes de energia e voa perfeitamente sem um dos geradores e inclusive voa sem os 2 geradores, não sendo em hipótese alguma necessário vir baixinho e muito menos se trata de uma pane “apavorante”!

    • Voar sem um gerador é como andar de carro com o radio desligado. Não compromete em nada, porem o procedimento é retornar pra base pois tem pax que da um xilique quando ve uma luz acesa no painel.

    • Só para reforçar a resposta da Paula, as empresas de taxí aereo no Off-Shore tem como questão de segurança regressar ao ponto de origem caso aconteça alguma pane em voo e informar aos passageiros o motivo do regresso, lembrando que os helicópteros tem diversos dispositivos de segurança em exemplo o gerador que possuem 2 e se der pane nos 2 ainda tem condições de manter o voo seguro, no caso deu pane em 1, o tripulante retornou e voando baixo caso se desse pane no outro gerador e na bateria teria condições de pousar em segurança mesmo que em emergência na agua. E mesmo se ele estivesse voando alto o mesmo teria condições de fazer uma auto rotação e garantir o pouso em segurança. Isso é uma das provas de quanto que as empresas de taxí aereo no Off-Shore estão comprometidas com a segurança dos passageiros e tripulantes. Falo isso pois trabalho e já trabalhei em outras empresas do ramo.

      • Querido Anderson, só pra esclarecer! Mesmo que haja perda dos 2 geradores e da bateria não se faz necessário um pouso na água! E auto- rota só em caso de perda dos 2 motores ou pane de cauda!

  3. Estou vendo muitas notícias distorcidas. E os tripulantes não eram funcionários da Etesco e sim de um transbordo que fariam para outra Unidade. As pessoas falam demais também sem saber dos reais fatos. Mas tenho certeza que tudo que foi feito após foi bem pensado para uma situação desse tipo.

    • Realmente, não eramos funcionários da Etesco. Eram do passageiros transbordando e 8 desembarcando… Mas isso não vem ao caso… O tratamento dado pelo pessoal da Etesco foi muito bom, o problema foi que nos “seguraram” a bordo por 3 dias dizendo que era por motivos de segurança, o que não acredito… Na minha opinião foi simplesmente para “ganhar tempo” e esperar a poeira baixar… Para evitar que a noticia se espalhasse…

  4. Prezado, existem vários tipos de check list, pré-acionamento dos motores, durante o acionamento e check lists em voo.
    Achei a matéria de extremo mal gosto por não se ter conhecimento necessários para falar o que foi falado aqui.

  5. O mais engraçado é ver gente reclamando de trabalhar embarcado e dizendo que é perigoso, mas fica a questão:

    Nunca vi ninguém de RH correndo atrás dos outros na rua ou obrigando a qualquer pessoa a subir num helicóptero e ir até lá para ficar 14 dias!!!!

    Todos nós sabemos dos riscos e embarcamos sim por dinheiro e diga-se de passagem…. É uma ótima grana se comparado com os empregos em terra!
    Vamos parar de frescura !!!!!

    Entendo que um incidente/acidente deve ser barra, mas ao invés de reclamar, agradeça por ter sobrevivido!!!

    • Meu amigo, espero que você esteja dizendo essas coisas como ironia, pois ninguém que trabalhe embarcado e compreenda realmente os riscos que corremos diria algo desse tipo. Realmente somos nós, trabalhadores, que vamos até as empresas buscar trabalho, somos nós sim, mais isso não quer dizer que as empresas não tenham deveres e obrigações conosco. Estamos ali para trabalhar durante 14 dias e depois retornar em segurança para nossos lares. Sabemos que é um trabalho de grande periculosidade e o meio de transporte é sim arriscado, temos essa consciência, mas, o que estamos pedindo não é nenhum absurdo. QUEREMOS APENAS TER SEGURANÇA. Só quem passou por uma situação dessas sabe o que é, ninguém que passou por uma situação dessas deixou de agradecer por ter sobrevivido. Como cidadãos e trabalhadores que somos queremos pedir apenas uma fiscalização mais firme dos órgãos competentes.

      APENAS ISSO!

      ISSO NÃO É NENHUMA FRESCURA…

      • Milhares de pessoas pegam estradas para trabalhar em cidades vizinhas todos os dias, e isso eh mais perigoso do que pegar um helicoptero para a unidade.
        Acredito sim que as empresas estejam fazendo manutencao correta, ate mesmo pq, a vida do piloto tb esta em jogo, entao ele mesmo nao voaria se nao visse que a manutencao esta nos conformes.
        Outra coisa, muita gente comenta sobre esses perigos, fica cheio de bla bla bla em como a empresa tem q leva-lo com seguranca pra casa e quando chega a folga, bebe todas e sai pra dirigir. Eh muita hipocrisia.

        • Muito bem Alex, o cidadao que chama todos nós que trabalhamos offshore de frescos, com certeza nunca precisou de esta a bordo de uma aeronave e nem tao pouco foi a uma plataforma observar como é o trabalho , o mesmo deve ser de rh pois defende a causa como muita arrogancia ,tipico de pessoas que trabalha em terra que ganham menos que nós trabalhadores offshore e ficam recalcadas.
          Se nao tem comentario para somar e melhor se calar.

      • Você diz que foi perigoso, certo entendo. Ocorreu um erro de comunicação entre plataforma e o comandante. Porém quantos pousos e decolagens você já fez na vida??? E vem reclamar dizendo que as aeronaves não transmitem segurança. Trabalho no ramo e sei as responsabilidades que temos, afinal somos responsáveis por 14 vidas abordo, tanto indo quanto retornando das plataformas. Temos procedimentos, inspeções, manutenções preventivas e corretivas. Resumindo uma aeronave liberada para voo está totalmente operacional, mas se até um carro apresenta problema o helicóptero também pode apresentar (lembrando que é uma maquina). E também quando todas as vezes que aeronaves retornam ao ponto de partida é pela segurança de todos que se encontram a bordo. Sabemos que quando os passageiros visualizam qualquer joia na cabine acesa é um “deus nos acuda” e é compreensível já que vocês não tem conhecimento do ocorrido e essas jóias são alertas de uma possível pane que irá ocorrer avisando a tripulação para efetuar os procedimentos.

    • A solução pra esse pessoal é pedir a volta dos catamarãns. Será que tem alguem tão idiota que pensa que piloto voaria numa aeronave insegura??? Meu Deus…quanta ingenuidade…

      • Verdade… alguém toparia voltar as lanchas?
        pessoal a manutenção não é feita entre um vôo e outro não, toda manutenção é feita no período que não há vôos programados. entre um vôo e outro o mecânico faz apenas uma verificação visual das condições (como se no carro verificasse nível de óleo, aguá etc.) verifica se alguma coisa de anormal aconteceu visualmente. agora quando alguma anormalidade é informada pela tripulação, a aeronave vai pra uma inspeção mais detalhada. e hoje em dia operando para a Petrobrás não existe aeronave velha não, no máximo com ano de fabricação de 2003.

    • Só quem passou por uma situação dessa sabe como é….

      Essas reclamações são importantes e podem ajudar a melhorar nossa segurança. Não é questão de reclamar de barriga cheia, é sim uma questão de brigar por mais segurança e melhores condições de trabalho.

      Embarco por dinheiro sim, e duvido exista alguém que embarque porque gosta de correr riscos, e ficar longe da família. Mas isso não é motivo para que não briguemos por melhores condições…

      Sou grato a Deus, por ter sobrevido a esse acidente. Mas se não botarmos a borca no mundo e mostrarmos para todos o que acontece, essas coisas vão continuar acontecendo.

      Sou sim, grato por tudo que tenho, mas não sou acomodado a ponto de não querer melhorar…

  6. Dizer que foi falta de manutenção é muito simples….Ser leigo e dizer um monte de asneiras é mais simples ainda…ninguém sabe como se encontrava
    o balanço do mar? como o piloto aproximou? qual era a condição de vento ? existem um monte de fatores para isso deixem que os não leigos trabalhem e expliquem . o modelo do é helicóptero é novíssimo tem menos de 5 anos como a regra manda.

    • Prezado Edson

      Parece que você não leu o post atentamente.
      Fomos bem claros em dizer que seria leviano AFIRMAR que foi manutenção, mas deixamos claro também que, toda vez que algo deste tipo ocorre, essa questão é levantada. E é isso que ocorre.
      Não é preciso ter uma capacidade cognitiva muito ampla para entender a diferença entre “afirmar” e “cogitar”.
      Contamos com sua colaboração e participação para fazer desse espaço um espaço cada vez melhor.

      • Caro Rodrigo
        mais Afirmar que as aeronaves da BHS são lixos voadores!
        ai é demais né!
        pois vocês não sabem o quanto a manutenção rala para manter as aeronaves disponíveis para voar no outro dia!
        pega você e tenta fazer uma visita numa empresa de aviação e ai sim poderá ver como é feita a manutenção das aeronaves e ver que não é isso que estão falando!

  7. Ohh Portal Marítimo, se vocês querem ser respeitados como tal, por favor, antes de postar bobeiras como estas, acusando a falta de Mnt das Aeronaves que operam no OffShore, porque vocês não acompanham um dia apenas da Mnt, e ou Operações de um Aeroporto como Macaé??? façam isso e observem que trabalhamos duro para que todos que embarcam possam ir e retornar em segurança para as suas casas, que somos auditados a cada 15 dias pela Petrobrás, que sofremos Auditorias todos os anos de Empresas,ANAC,etc… aprendam de uma vez por todas que todo tipo de máquina dá problema, inclusive o liquidificador da escrivã desse texto !!! Sou de Mnt, Sou Piloto e posso falar com propriedade !!!
    Boa sorte nas próximas mátérias !!!

    Ahh, ia me esquecendo, antes de acusar alguém,procurem saber sobre as verdades dos fatos !!! e as verdades de aviação, apenas com o CENIPA !!!

    Abss

    • Prezado Cleber

      Assim como escrevi aí em cima para o Edson, escrevo o mesmo para você:

      Parece que você não leu o post atentamente.
      Fomos bem claros em dizer que seria leviano AFIRMAR que foi manutenção, mas deixamos claro também que, toda vez que algo deste tipo ocorre, essa questão é levantada. E é isso que ocorre.
      Não é preciso ter uma capacidade cognitiva muito ampla para entender a diferença entre “afirmar” e “cogitar”.
      Contamos com sua colaboração e participação para fazer desse espaço um espaço cada vez melhor.

      A propósito…

      A “escrivã” sou eu mesmo… careca, peludo, essas coisas…
      E o liquidificador aqui tá funcionando direitinho, se quebrar eu mando pra você consertar.
      Ficamos combinados assim, ok?

      Vou acreditar que tudo é feito na marca também, para que você não fique triste.

      Se um site que tem picos de 11 mil acessos diários não tem respeito, eu realmente não sei mais como conseguir o respeito do pessoal.

  8. Há pouco tempo tive o prazer de almoçar, por uma coincidência enorme, pois havia um evento de aviação no local, com altos executivos da aviação offshore no Clube Naval, aqui na Avenida Rio Branco, no Rio de Janeiro e eles mesmos confirmaram que a pressão para se tirar uma aeronave de solo é grande e que nem sempre tudo é feito na marca.

  9. Estas aeronaves passam por rigorosas inspeções cumprindo o que determina o programa de manutenção do fabricante que deve estar em conformidade com o operador local e o que determina a autoridade aeronáutica do país e, em nosso caso a ANAC e organismos de auditorias que constantemente verificam o CTM, que é responsável pelo controle estatístico e o MGM, que é a bíblia do operador.
    Porém, problemas acontecem e devemos dar graças a Deus, pois todos se salvaram, todavia,a empresa responsável, deve esclarecimentos.

  10. porque que só quando acontece uma situação dessa e que ficamos querendo tentar resolver uma coisa que é muito antiga, deveríamos e tomarmos uma atitude em pró de todos os trabalhadores offshor já que as autoridades não tomam. nós deveríamos tomar, antes que comece o cai cai ou vamos esperar acontecer de novo . desculpa as minhas criticas mais é que eu também trabalho na área e já vi muitos problemas com aeronaves por pouco eu não estaria aqui, espero que os órgãos cabíveis tomem alguma atitude e parem de brincar com vidas.

  11. Realmente vc não afirmou que foi a manutenção, mas atribuiu quase que 100% a este fato… agora vocês também deveriam questionar se realmente as UM tem passado os valores de pitch, roll e heave que afetam diretamente na segurança da operação.
    Já observei por diversas vezes as UM alterando os valores, para os pilotos pousarem, se preocupando apenas com a troca, e sem achar que tais valores possam afetar o voo.
    Inclusive a NS07 é uma delas.

    • Prezada Caroline

      Perceba que o texto sobre o ocorrido é pequeno, mas o que ficou grande foi o texto que transcrevi de uma matéria antiga, onde falávamos sobre manutenção de aeronaves. Em nenhum momento eu atribuo o incidente à Manutenção, mas afirmo sim que toda vez que ocorre um incidente com aeronave, a manutenção é o primero assunto questionado.
      Muito obrigado pela participação e pelo dado novo que você acrescentou.

  12. Ler o que os leigos dizem sobre os helicópteros é realmente cômico.Tanta besteira e achismo que cansa.Nem sabem se foi pane mecânica,aliás não há nenhum indício de falha mecânica nesse evento.Uma questão a se pensar é sobre os valores de pitch,roll e Heave que são informados erroneamente só para os trabalhadores poderem desembarcar.
    Isso acontece frequentemente.
    No dia que uma aeronave escorregar do deck e matar alguém, vão querer por a culpa no piloto.
    Existem relatórios de perigo sobre esse ato criminoso de informar valores errados de balanço.Muitos justamente do NS07.

  13. Parabéns pela matéria! Sou aluno de PCH em Belo Horizonte e sonho um dia estar voando no Offshore. Mesmo que o acidente em questão não tenha sido causado por falha de manutenção, é bom saber de tais fatos. Sei que no Brasil, tanto pela falta de fiscalização quanto pelas atitudes negligentes de certos “profissionais”, a segurança de voo está cada vez mais “fora da proa” das empresas. Isso me dá uma grande saudade da FAA. Uma pena que o Brasil copie tantas coisas dos estrangeiros e deixe de fora “a ordem e o progresso.”

  14. estava eu desembarcando vespera de natal do ns-44 laguna star ,numa aeronave s-76 ,em que o piloto e copiloto estvaam brincando de desligar o piloto automatico fazendo com que aeronave caisse para um lado e para outro ,e ficavam morrendo de rir .todos ficaram com medo no momento . quando descemos no aeroporto os dois estavam zuando o plantao todo como se nada tivesse acontecido . conclusao ja passamos 14 dias embarcado com chefias que sao uns merdas nos chingando ,maltratando etc.. e ainda passar por isso ? profissao injusta ninguem esta la por que e sim por que precisa . com certeza esses pilotos nao estavam puros .

    • Olha só…isso é totalmente previsto. Treinamento de voo sem os auto pilots. Se um dia vc tiver voando e a aeronave tiver uma pane de auto pilots, reze para que sejam esses pilotos treinados que vc se referiu, que estejam no comando da aeronave…
      Se vc acha errado o treinamento em voo com passageiro, sugira a Petrobras o treinamento, pois esse tipo de treinamento não é real no simulador. Fazemos o que podemos pra manter nossas vidas e a de vcs tambem. E nao pense vc que piloto é idiota, nao sente medo, nao tem esposa e filhos, que voa aeronave sem condições seguras de voo. Se vc pensa assim, é melhor rever seus conceitos e pesquisar o assunto primeiro. O problema do embarcado é que ele pensa que o piloto é o maior inimigo dele. Faz relatorio sobre qqer bobagem que nem sabe do que se trata pelo simples prazer de ferrar um piloto. Mas a gente sabe.qie isso é apenas uma minoria infeliz…

  15. Depois que morrer uma meia duzia de trabalhadores, vamos procurar os culpados e escolher bem direitinho quem dá a notícia para as esposas e filhos. Isso também deve ser FRESCURA de embarcado né?

    • Está claro que o mediador do debate, foi infeliz ao levantar a hipótese de falhas na manutenção, isso prova que de maneira irresponsável, escreve artigos sem respaldo técnico, criando pôlemicas, e acredita no que falam sem ao menos apurar a verdade. Não existe pressão pra se decolar um helicóptero se o mesmo estiver com problemas, no caso da BHS, a empresa dá total respaldo para a tripulação, se a mesma cancelar o vôo. A manutenção da BHS é uma das melhores do meio Off-Shor. O José ao dizer que as condições do mar não eram tão adversas, prova que não entende nada da Operação. Bem, como dito anteriormente, se a UM dissesse a verdade com relação aos valores de Pitch, Holl e Heave, com certeza o pouso seria cancelado, evitando o incidente e o risco desnecessário dos muitos trabalhadores e pais de família, que lá estavam.

      • Prezado Antonio (?)
        O fato de termos levantado a hipótese da manutenção só mostra que levantamos todas as hipóteses. Irresponsáveis são os que aqui vem anônimos, com e mails falsos e coisas do tipo e não colocam a cara no debate. O artigo foi escrito numa visão de usuário e apenas reverberando o que é comentado a bordo. Tenho algum, ainda que pouquíssimo, conhecimento de manutenção (mas não de aeronaves). Assim, é lógico que entra um pouco a visão de quem já participa da manutenção, desde as coisas mais simples dentro de uma oficina mecânica automotiva, passando pelo o aprendizado teórico básico, de uma simples troca de parafusos à gestão da mesma, de equipamentos simples como grupos geradores, propulsores, caldeiras, thrusters, BOPs, Top Drives, Draworks, Sistemas de Lançamento de linha, guinchos de manuseio de âncoras, Quadros de alta tensão etc, a bordo de navios e plataformas petrolíferas, há aproximadamente 20 anos… Tipo assim consertar torradeira e ferro elétrico, sabe? Mesmo assim, muito obrigado pela participação, só acho um tanto quanto equivocada essa coisa de “está claro que …. e isso prova que …”. Temos quer ter cuidado com afirmações fechadas, por isso preferi deixar em aberto para que escutássemos os dois lados da moeda e nisso, o site foi muito feliz sim. Foram muitos acessos e, emoções à parte, pois muitos não sabem separar as coisas, o debate tem sido bastante produtivo. Obrigado por somar a este debate.

  16. Sr. Rodrigo
    Gostaria que vc entendesse que a manutenção de helicópteros offshore brasileira conta com profissionais altamente qualificados e as empresas mantém todos os treinamentos em dia, e são submetidas à uma infinidade de auditorias e também vistorias de cada uma das aeronaves, além disso na aviação, diferente de outras profissões como de escritores e jornalistas (que vc leva jeito) nos não trabalhamos com especulações, nós trabalhamos com certezas e utilizando técnicas de duplicidade e até triplicidade, todos os trabalhadores de qualquer área são cobrados e na aviação isso também acontece, mas de forma diferente pois a segurança está em 1º lugar, e se o mecânico ou o tripulante ou o passageiro tiver outra opinião é pq tem algo de errado ocorrendo.
    1º- CENIPA e é esse o órgão que compete a atribuição de investigar acidentes aeronáuticos;
    2º- Sei que vc nao afirmou que foi falha de manutenção nesse texto
    3º- Os “altos executivos” aos quais vc se referiu com certeza não entendem de manutenção aeronáutica, pode ficar tranquilo.
    4º- Todo técnico de manutenção aeronáutica tem como princípio a segurança e como base o manual de manutenção, O piloto tbm tem como princípio a segurança e como base o manual de operação;

    Tenho plena noção de que as pessoas que trabalham embarcadas tem suas preocupações, pois é um serviço de desafios um pouco maiores que de outras profissões, e também concordo que todos necessitam de meios adequados para executar os trabalhos, mas saiba que a petrobras conta com uma frota que conta com aeronaves moderníssimas muito seguras e de primeira linha que são os S92.

    E vejo que a frota está está sempre se renovando, mas quem determina isso é a própria petrobras com a criação de novos contratos.

    Um abraço.

  17. Penso que quem não tem conhecimento técnico sobre o tema aviação deveria se calar e guardar para si os seus comentários. A cada incidente/acidente ocorrido em pousos/decolagens de plataformas, fica concluído após investigação que, na maioria dos casos o evento foi provocado por más condições na unidade. Favor conferir nos autos.

  18. mais se nao teve problema com a aeronave se foi so um pouso “errado” por causa do balanço porque teve que ir mecanico a bordo?? as aeronaves da BHS sao um lixo mesmo pelo menos no aeroporto de macaé, ja passei por 2x uma pane eletrica que ficaram sem gps, e outros equipamentos,. isso saiu da boca do piloto as 2x tivemos um pequeno brifing apos desembarcar, acontece sim mutas vezes eventuais “acidentes” provocado pela pessima condição das plataformas, mais acontece muitas vezes tambem por falta de manutenção das aeronaves.

    • Falta de Manutenção?? Quantas vezes você já acompanhou um turno da noite da BHS pra saber?? É interessante como tem gente que se acha safo no assunto sem saber nem mesmo apertar uma porca ou usar um multímetro. Deixe de ser ridículo e falar coisas que você não entende, não sabe como funcionam, nunca viu e nem vai ver. Helicóptero não é carro, que por estar com a pintura envelhecida caracteriza falta de cuidado. Só pra você se situar, existe a ANAC, existe a CHC (que é a dona Canadense da BHS) que garantem a correta utilização dos meios de manutenção, Não EXISTE UM HELICÓPTERO, existem uma monte de peças, serializadas e monitoradas que voam junto. Tudo na aeronave tem limite de vida e quase nada que saiu voando junto da fábrica está no helicóptero hoje em dia. Adivinha uma coisa que não é requisito???? PINTURA, aí, o passageiro, safo, PHD em mecânica aeronáutica, sabedor de tudo que se passa num hangar de empresa aérea acha que sabe mais do que nós que trabalhamos e ralamos pra que tudo saia certo, vem aqui falar que é falta de manutenção, olha pra aeronave e a chama de lixo porque a pintura não está nova. Quando a gente não tem conhecimento de causa, a gente não abre a boca pra falar asneira e se expor ao ridículo.

    • Houve necessidade de enviar mecânicos a bordo por que houve danos à aeronave, incluindo quebra do trem de pouso. Pode haver sim algum evento de “negligência” de manutenção isoladas, mas não foi o que aconteceu neste caso, e sim informação errônea pelo rádio operador quanto as condições para pouso no NS. Com o balanço (heave), a rede do helideck se prendeu ao trem de pouso, o que ocasionou o incidente.

    • Justamente para efetuar uma inspeção de pouso duro. É um procedimento padrão, e também saber se a aeronave estaria segura para efetuar o voo de retorno. Lembrando com TOTAL SEGURANÇA.

  19. Usei por muitos anos a cestinha no estrangeiro, acredito que é muito mais seguro, inclusive, há umas, como a da Sea Explorer, a qual usei no Congo, que a cesta é rígida, de material flutuante, transporta 3 pessoas por vez sentadas em cadeiras no seu interior, com cinto de segurança. Inclusive a cestinha era a alternativa para quando o tempo não permitia aeronaves, porém as condições do mar não eram tão adversas.

  20. Muito válida a discussão mas não esqueçamos que somos residentes de um país de 3° mundo, hipócrita, mesquinho, egocêntrico, falso puritanista e capitalista acima de tudo! Todos nós sabemos que essas questões só são levantadas qnd algum acidente ou fatalidade acontece. Tenho certeza que essas aeronaves recebem manutenção diária, que informações falsas são passadas para pilotos, e que vista grossa é feita! Sou trabalhador off-shore e tenho a plena ciência que sou apenas mas um número que ajuda a nossa gloriosa Peroba enriquecer. Já presenciei varias situações em que o funcionário é obrigado a tomar uma decisão que vai contra a segurança e se o mesmo não o fizer ficará estigmatizado. Respeito todas as opiniões acima apresentadas mas tenho plena ciência que nosso jeitinho brasileiro de ser e de agir vai matar muita gente ainda, independente de ser em UM, aeronave, ou até mesmo no seu carro! Enquanto o brasileiro não se der conta de que ele é o único responsável pela situação atual do nosso país essa bagunça vai perdurar por décadas e décadas. Ao invés de ficarem aqui querendo ganhar uma discussão fútil comecem mudando a si mesmo antes de verem o erro alheio!

  21. Gostei do debate. Não importa se os leigos falam “besteira” – importa que dando um canal para eles se manifestarem, dizendo o quê sente, acabam aprendendo – tecnicamente – o que é o quê sente, em razão dos “técnicos” també se manifestarem. Só não pode os bem-informados se omitirem, se acomodarem, se ….

    Abraços

    Sinesio

  22. Gostaria de acrescentar ao fórum que a instituição que os senhores devem cobrar é a própria Petrobras, esta sim é quem busca a todo custo reduzir o gasto com as empresas de helicóptero que transportam os Senhores. Novos contratos da Petrobras com estas empresas não pagam mais as horas da aeronave em funcionamento no solo. O que se paga pela hora de voo para que estas empresas prestem serviço com segurança não é suficiente e todos sabemos que assim como a Petrobras, as empresas aéreas visam o lucro. O resultado é que estas empresas também vão procurar reduzir custos para sobreviverem no mercado e fazem isso não preciso nem dizer como. Então cobrem sim da Petrobras porque esta preza muito pela segurança de voo, mas não quer pagar por isso. O preço da segurança não é barato, mas o preço dos acidentes é muito maior. O problema é que para pagar o preço da segurança o dinheiro vais ter que sair do bolso de alguns.
    Pensem nisso.

  23. Imaginem a cena… um touro bravo,solto, pulando enlouquecidamente e vc içado, preso a um guindaste, descendo lentamente, até que vc consiga sentar em cima desse touro. Isso é um aeronave tendo que pousar numa unidade com o pitch, roll e reave acentuado. Agora imagine um touro “espertinho” que quer te pegar. Vc olha para ele e ele está quietinho, então vc se aproxima mais e mais e quando chega a uma distância em que uma desistência é perigosa, ele começa a pular violentamente. E é principalmente por essa segunda situação que é tão importante para os pilotos a informação de pitch, roll e reave, pois durante a aproximação (fase no qual o piloto faz a avaliação se o pouso é seguro ou não), podem acontecer períodos de “calmaria” e a unidade não balançar, porém no momento do pouso ou após o mesmo, ocorrerem surpresas que absolutamente ninguém ficará satisfeito ( na melhor das hipóteses, escorregar no Deck por ex).

  24. GPatricio,para te informar,o mecânico teve que ir a bordo pq a aeronave teve o trem de pouso quebrado quando tocou o deck.
    A BHS é a empresa que mais retorna para a base após pane em vôo pq justamente é a mais comprometida com a segurança.
    Tem empresa que não volta nunca,nem quando o navio esta balançando acima do limite,ou quando tem panes em vôo.Isso é segurança?
    O passageiro que retorna de um vôo com pane tem a impressão de insegurança,mas é justamente o contrário.Se retornou e foi explicado aos paxs e ao ASV da petrobras é pq a empresa é transparente e comprometida.
    Além disso,estatisticamente, a petrobras tem um dos menores indices de acidentes aéreos entre as empresas petroliferas no mundo.Isso se deve ao grande avanço em termos de segurança na última década.
    Abraço a todos e parabéns ao moderador da página que posta os comentários democraticamente.

  25. Não posso falar por outras empresas, mas falo pela minha, que tenho boas condições de trabalho, minha empresa e meus supervisores sempre querem disponibilidade, mas a minha palavra prevalece sem que haja questionamento desde que sempre esteja embasado nos manuais. Trabalho em uma empresa que confia em seu time de manutenção, porque como foi dito no texto, não se acha mecânicos em árvores. Somos auditados a todo o tempo pela PETROBRÁS que PAGA e exige em contrato muitas coisas até mesmo mais restritivas do que o próprio manual do fabricante da Aeronave, que é o que a ANAC reconhece como prática correta de manutenção. Todas a aeronaves que estão em contrato vigente pela PETROBRÁS são as versões mais novas de todos os modelos. Só para exemplo, a PETROBRÁS não aceita que haja nenhum tipo de vazamento na Aeronave, mesmo que o manual do fabricante estipule um limite para aquela determinada área e, se for observado em alguma auditoria, a aeronave é considerada INDISPONÍVEL E IMPRÓPRIA para o voo até que o vazamento seja sanado. Sugiro que antes de postar, ou “sugerir” que algo de errado acontece em algum setor de manutenção, procurem saber, vá ao aeroporto, encontre um mecânico, converse, tire suas dúvidas antes de falar asneira e ofender quem rala pra que os voos sejam seguros. Porque ninguém elogia a manutenção pelos mais de 2 anos de voos seguros sem acidentes fatais ??? Trabalho com uma equipe de profissionais comprometidos, fui SGT do Exército e tenho mais de 800 horas de voo como mecânico de voo, já perdi um companheiro de minha turma num acidente fatal e todas as vezes que eu assino um diário de bordo liberando uma aeronave pro voo eu penso se eu entraria nesta aeronave e só depois de ter a certeza que sim é que eu assino. Gosto de chegar no Hotel e dormir tranquilo e saber que se algo acontecer com aquela aeronave não foi por negligência minha. Muitas vezes pode parecer que uma “olhadinha” do mecânico para a aeronave não vale nada … Realmente, se você não é um mecânico, tua olhadinha não vale nada, porque você nem sabe pra que você está olhando. Mas em uma simples olhada eu consigo detectar um parafuso frouxo, uma cablagem se rompendo, um possível vazamento, alguma avaria onde não deveria haver… Então, vamos parar de fazer diagnósticos e afirmar com veemência de que algo está errado sem conhecer.

  26. Concordo com que todos que trabalham com manutenção publicaram aqui, realmente fazemos essas maquinas voarem com muito sacrifico e sempre colocando a segurança da tripulação e dos
    passageiros em primeiro lugar, mas uma coisa tem que ser dita , hoje todas as empresas estão trabalhando com efetivo de mecânicos muito inferior que se necessita pela quantidade da frota , e isso sim coloca essas operações em risco, tem empresas que estão colocando 1 mecânico para tomarem contas de 3 , 4 e ate mais aeronaves, sem que a Petrobras tome umamatitude a respeito.
    Hoje estamos na eminência de 1 acidente de uma dessas aeronaves , esta mais do que na hora da Petrobras realmente mostrar que se preocupa com seguranca..

  27. Muitos fatores dentro de um acidente ou incidente são envolvidos além da famosa MANUTENÇÃO! Neste caso em específico a falta de uma correta informação passada para a tripulação com relação as condições para pouso e atitude da plataforma passada pelo pessoal de bordo foi cruscial para que esse incidente acontecesse. Esse incidente em especial nada tem a ver com a falta ou com a manutenção incorreta! Favor se atentarem a isso, e parar de culpar a manutenção em todos os acidentes ou incintes, onde em sua maior parte a manutenção eh quem eh a menos culpada.

  28. pessoas que não entendem de aviação nao devem opinar, pois so falam m…! a manutenção das aeronaves é rigorosa e os mecanicos são treinados inclusive no exterior, porem as aeronaves operam em condições extremas como sobre o mar por exemplo e muito raramente tem um pouso forçado, porem sem riscos. petroleiro deve opinar sobre petroleo, aviação é para profissional no assunto, nao opino sobre a operação nas plataformas mesmo achando ser muito arriscado

  29. Na boa. A PETROBRAS ta cagando p offshore e outra, quem escolheu trabalhar embarcados foram VOCES, ninguem pos arma na cabeça de ninguem, entao, quem acha “estressante” ou “perigoso” ou “risco de vida” deve procurar outra coisa p fazer. Pessoal, o BRASIL é muito grande, tem muito lugar precisando de pessoas qualificadas. Pensem nisso!

  30. Já fui militar da FAB e depois como civil, fui mecânico, inspetor e até instrutor de helicópteros em Macaé (e em outras bases) por muitos anos, Depois já embarquei em plataformas como passageiro. Vi os dois lados. Posso dizer por experiência própria que a manutenção não é o que deveria ser mesmo. Preenchem-se muitos papéis, fazem-se muitos documentos, auditorias, etc. A Petrobras cobra um monte de coisas das empresas, mas nada chega perto do calcanhar de Aquiles da manutenção: salários ridículos, cursos minguados, treinamento inexistente, ferramentas faltantes, etc etc. Eu poderia encher um livro com denúncias. Mas não funciona. Um mec de helicóptero não ganha o suficiente nem para fazer um cursinho de inglês. Engana-se quem pensa que a carreira de aviação é rentável para mecânicos. É miséria pura, exceto para uns poucos. Sua segurança está nas mãos de profissionais mal-pagos. Ponto.

  31. Trabalho com Manutenção de Aeronaves na Líder Aviação em Macaé e posso afirmar que TUDO que é preciso e necessário é cumprido à risca,porém, as aeronaves são máquinas, algumas POUCAS vezes pode acontecer de ter algum tipo de pane repentina, sem que antes tenha dado algum sinal, mesmo que todas as manutenções tenham sido feitas. O problema é que como a gente diz, NO CÉU NÃO EXISTE ACOSTAMENTO, qualquer problema que venha a ocorrer as dimensões são muito grandes, mas ainda assim, temos muito menos casos de acidentes e panes do que com nossos carros por exemplo !!!

  32. Lendo as respostas acima,percebo que as pessoas que criticaram a manutenção,treinamento de pilotos ou pane provável da aeronave,não entendem nada de aviação.
    Estes helicópteros que voam na Bacia são checados por equipes de manutenção de suas empresas e como não bastasse a PETROBRAS ou a empresa que contrata a aeronave,faz uma auditoria por mês no equipamento.
    Estes voos são super seguros e só critica quem não entende do que fala.
    Não quer correr riscos,sai de cima da plataforma.
    Outro dia um passageiro desceu da aeronave fazendo críticas destrutivas da aeronave.Fiquei chateado,mas não falei nada.Quando fiz a inspeção de pós voo ,fui almoçar e quem eu encontro entrando em um carro todo ferrado que fazia lotada em FAROL DE SÃO TOMÉ?O passageiro que fazia críticas.
    Acho que deram muita moral pra essa peãozada.
    Seria bom colocar esses caras que só sabem reclamar em CATAMARÃS,como antigamente.Eles chegariam vomitando na plataforma,mas não reclamariam mais de voar em helicópteros novos e com manutenção em dia.
    FRESCOS!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  33. Gostei de ler o comentário do Sinésio, que democraticamente nos ensinou que devemos permitir que as opiniões sejam trocadas, mesmo para que nos elucidemos e aprendamos uns com os outros. Por outro lado há comentários dizendo que ‘calem a boca’, etc, direcionados para quem não é da área. Truculência estúpida, esta. Se for assim vamos acabar com os fóruns. Que se façam apenas conferências entre autoridades nos assunto. E nesta caso, os ‘mechânicos’ que mandaram os outros ‘calarem a boca’ deveriam se calar também porque não são inspetores de anutenção nem engenheiros aeronáuticos, etc.

  34. Boa felipe , bom seus esclarecimentos . Acrescentando que nao existem lixos, as maquinas sao as mais modernas do mundo, com media de custo de 8 milhoes de dolares cada uma. Os indices de acidentes com mortes sao muito pequeno perto da proporcao de pessoas transportadas, e se for buscar a fundo , a maioria das quedas aconteceu, foi com as novinhas , que exigidas pela petrobras , apresentaram problemas de fabricacao.

  35. A voces que ficam falando e tal? Estava embarcado na SS -57 e uma aeronave ficou por dois dias parada no heliponto , por motivos problemas no motor e subiu um mecanico e nao conseguiu resolver. Problema e subiu mais dois mecanicos no outro dia e assim que a aeronave tentou levandar voo saiu fumaca no motor , ate que o piloto seguiu seu regresso a Macae e uma aeronave o acompanhou ate seu destino. Entao este fato nao fo noticiario pela Petrobras. sera q a petrobras esta realmente acompanhando as vistorias e a inspecao das aeronaves? Fica a dica ai galera q embarca.

    • Caro Ricardo o ocorrido nesse caso na SS-57 foi sim uma pane no motor!
      a questão no foi o primeiro mecânico que não conseguiu matar a pane!
      e sim porque pela legislação o helicóptero não pode decolar depois do por do sol!
      somente se tiver emergência na plataforma! ai sim decola aeronaves para a unidade em emergência!

      e no dia seguinte os 2 que foram ate a unidade para ajudar na aeronave, foi para levar material para que a aeronave saísse da unidade!
      e a fumaça que você viu saindo do tal motor que afirmou!
      foi excesso de Óleo que por uma tubulação sai na descarga da aeronave e por ser óleo em contato com a superfície quente faz com que saia a fumaça!

  36. Trabalho na aviação off shore já tem alguns anos, e percebo que os questionamentos com relação a seriedade da nossa operação tem aumentado muito. Senhores, o problema não é a Petrobras ou as empresas que prestam serviços de transporte aéreo à ela. O problema é que existem pessoas irresponsáveis que, POR CONTA PRÓPRIA, tomam atitudes contrárias as defendidas pela Petrobras ou pelas empresas aéreas. Senhores a Petrobras é extremamente cuidadosa com a operação aérea prestada a ela, conforme dito por vários, a Petrobras é mais restritiva do que o fabricante da aeronave, a Petrobras realiza auditorias quinzenais para verificar as condições das aeronaves que servem à ela. Os Mecânicos e nós Pilotos somos extremamente capacitados a exercer nossas funções não duvidem disso.
    O homem erra e máquinas falham, mas percebam que na aviação em geral o número de acidentes é baixíssimo perto do número de voos realizados e na aviação off shore brasileira não é diferente (isto é fruto da seriedade do meio em que a aviação está envolvida) acreditem a aviação que os senhores voam é extremamente seria e segura. Vocês sabiam que a Petrobras é a única empresa na aviação geral nacional que solicita aos pilotos que expliquem aos passageiros o motivos de alguma anormalidade que ocorra no voo para que os senhores fiquem cientes de que, na maioria das vezes, o motivo de algum retorno ou algo do tipo é preciosismo da Petrobras (como por exemplo o voo relatado por alguém nestes comentários que retornou pois perderam um gerador. O retorno deste voo só ocorreu pois a aeronave presta serviço para Petrobras, pois, conforme dito por vários, o fabricante diz não ser necessário o retorno do voo devido a perda de um gerador.)
    Em resumo, a Petrobras e as empresas aéreas que prestam serviço à ela são sérias e respeitam demais vocês passageiros. O grande problema que nós encontramos é que, conforme eu disse acima, existem pessoas irresponsáveis que de alguma maneira estão envolvidas na nossa operação. Como por exemplo os responsáveis em passar informações sobre as condições da UM que em ALGUNS CASOS metem e que provavelmente foi a causa do incidente relatado no texto inicial.
    Senhores Petroleiros, acreditem, é MUITO FÁCIL um irresponsável como este, que não cumpre sua função de forma correta, tornar nossa operação aérea perigosa.
    Por tanto antes de questionar sobre a manutenção das máquinas ou do compromisso da Petrobras com sua aviação, se pergunte se você ou teu colega de trabalho, que de alguma forma está envolvido com as operações aérea, está realizando sua função de forma correta e honesta. Vocês irão perceber que o problema não é da Petrobras ou da manutenção.

  37. Primeiro NÃO HOUVE PROBLEMAS DE MANUTENÇÃO, segundo Não houve problemas com os pilotos ( tipo nossa! eles são retardados, fizeram m…), e sim o que houve foi uma informação via radio da UM ERRADA em fonia para a tripulação no momento do pouso dando a eles todas as condições seguras para pouso e dai somado as condições naturais de riscos ( como ventos fortes, correntes maritimas, balanços da UM e etc) com mais uma informação errada o resultado desta soma toda nao poderia ser um resultado diferente de incidente ou ate mesmo um acidente, tudo visando a correia de ter a “obrigatoriedade” de realizar a troca de turno, ou seja, $$$$$$$$$$$ e mais $$$$$$$$$$$, colocando a vida de TODOS em risco. Trabalhos, empregos, serviços de risco não andam juntos com a presa, isso já foi mais que provado.ENQUANTO A HUMANIDADE VIVER EM MUNDO CAPITALISTA E MERCENÁRIO, SEREMOS SEMPRE SOMENTE O TRANSPORTE PARA A GANÂNCIA a vida fica e segundo plano.

    • Olivetti

      Não sei se é esse mesmo seu nome. Suas ofensas foram deletadas do comentário, mas seus argumentos foram interessantes. Somente por isso, publicamos aqui.
      Caso não queria participar de maneira construtiva, avise, por favor, pois aí já providenciamos sua exclusão do debate. Muito obrigado por participar e, em querendo (e sabendo) se manifestar, seja bem vindo.

  38. Todo trabalho tem seus riscos e na aviação não é diferente. Ninguém é obrigado a trabalhar embarcado. Existem outros tipos de trabalhos, mas, se alguém quiser trabalhar embarcado, deverá saber que terá que voar e, voar, implica em riscos.

  39. Depois de ler 81 postagens, e ver que todos tem a sua opinião, algumas certas e outras erradas, acho que se esqueceram do mais importante.”Os profissionais”
    Profissionais bons, tem em todas as profissões e lugares, mas mal profissionais também.
    Quando alguém acusa um piloto, um mecânico ou outro profissional, é porque não esta satisfeito com algo, e as vezes generaliza, achando que todos são iguais.
    Nas postagens acima, da para identificar, essas ideias, mas também dá para perceber profissionais totalmente empenhados em suas profissões, como destaco, o parecer do mecânico Sr.Felipe , não esquecendo o Sgt do exercito, mas o que me impressionou, foi o relato do piloto Sr. Guilherme, onde o mesmo cita “pessoas irresponsáveis”, e é nesse ponto que quero chegar.
    Empresa, não conserta nada; Empresa não pilota ; As plataformas não retiram petróleo sozinhas, por traz disto, estão os profissionais, que não podem ser relapsos, tem que ter voz ativa.
    Trabalho também em manutenção, não da área de aviação, mas de plataformas e navios, e volta e meia, me indisponho com algum cliente, pois tenho voz ativa, mas vejo outros que não querem se indispor, aí é que esta o perigo, o mesmo vê que o vai fazer não é o certo, e por razões pessoais concorda, “esse é o mal profissional”, colocou a vida dele em jogo, e dos demais. Profissional bom, não concorda, e nem faz o errado, mesmo que perca o emprego, EMPREGO TEM VARIOS, A VIDA É UMA SÓ.
    Mas infelizmente, em todas as profissões vamos ver profissionais não empenhados, e causando algum tipo de acidente.
    Como foi citado nas postagens acima, cada um tem seu ponto de vista, mas eu também tenho o meu.
    Helicópteros são totalmente seguros, com a manutenção em dia.
    Plataformas são totalmente seguras, com a manutenção em dia.
    Acidentes só ocorrem, por peças mal manufaturadas, sem qualidade, ou por PROFISSIONAIS RELAPSOS.

    • Sr José Moura, interessante o seu comentário. Eu estava no voo e na minha visão de leigo, mas que convivo com a rotina de embarque, e consequentemente de voos, a falha foi principalmente do piloto, que se aproximou da unidade “muito baixo”. Sem levar em conta que a unodade poderia balançar. Mesmo com uma informação “errada” da unidade quanto às condições de mar, ele deveria ter sido mais precavido. O pessoal da guanição de hilideck me disse que do jeito que ele se aproximou da unidade “parecia que iria entrar embaixo do helideck”. Lamentável ainda é saber que isso tudo foi tratado como um incidente… E pior de tudo foi o descaso com os trabalhadores que estavam a bordo desse helicoptero…

  40. Boa tarde a todos , o que eu li e que falta mecânicos de helicópteros? não falta não , falta e boa vontade de contratar isso sim , sou mecânico de helicópteros e estou desempregado , já mandei meu curriculum pra líder e bhs e nada de chamarem pra entrevista , no mesmo estado que estou conheço mais de 10 profissionais sem emprego que tb já mandaram seu currículos e nada de chamar , obrigado.

Deixe uma resposta