Dia Internacional do Marítimo – O Profissional Invisível

5

DIM

Comemoramos hoje, dia 25 de Junho, o Dia do Marítimo, um profissional por muitas vezes desconhecido, esquecido e constantemente desvalorizado sob diversos aspectos, ainda que extremamente qualificados.

Pelos últimos milhares de anos, pessoas de todo o mundo enviam e recebem coisas pelo mar. Das roupas que vestem à comida que comem, quase tudo hoje chega através dos navios. A Indústria Marítima, que é tida como uma indústria invisível por muitos, é hoje crucial para a Economia Global, mas ainda há poucas pessoas que fazem alguma ideia do que acontece em alto mar.

Porém, o que esta atividade tem de desconhecida e secreta, ela também tem de fascinante.

Tão vital quanto esta indústria é para o mundo e para as pessoas, é também o trabalho dos bravos marítimos que desempenham um dos trabalhos mais duros no mundo, conduzindo estes navios enormes pelos mares mais bravios e perigosos. Se não fosse por eles, o Comércio Mundial poderia estar estagnado, as pessoas não teriam acesso a bens ligados às suas necessidades básicas e podemos dizer que alguns países passariam por sérias dificuldades para sobreviverem.

Os marítimos são um dos profissionais mais negligenciados e que têm sido constantemente ignorados não somente por organizações e entidades internacionais, mas também pelos seus próprios países. Se fizermos um esforço para enxergarmos além de uniformes bonitos e viagens para lugares bem legais, poderemos identificar um estilo de vida duro, onde a distância de seus entes queridos se faz presente o tempo todo, assim como todo tipo de dificuldade imaginável que estes bravos profissionais encaram diariamente para que o mundo e as pessoas continuem aproveitando suas vidas em terra da melhor e mais confortável maneira possível.

Mencionaremos abaixo algumas das razões mais importantes, dentre milhões delas, pelas quais cada marítimo deve ser lembrado por todos, do fundo de nossos corações.

Marítimos movimentam a Economia Mundial

Cerca de 90% de toda comida, combustível e produtos manufaturados são entregues pelo mar. Quase que tudo que se vende em todo o mundo é transportado por navios, que precisam de marítimos habilidosos e devidamente qualificados para operar, manter e reparar esses gigantes do mar. Não se faz necessário descrever detalhadamente o que aconteceria se os navios simplesmente parassem. Mesmo trabalhando em um meio fechado, invisível para a imensa maioria, o trabalho do marítimo é indispensável para a vida de todos.

Marítimos sacrificam sua vida familiar e social

Uma das maiores dificuldades enfrentadas pelos marítimos é justamente estar longe daqueles que amam enquanto trabalham no mar. Perder aniversários, eventos familiares ou casamentos, por exemplo, é apenas uma parte do preço pago para que diversos bens de consumo cheguem às mãos de seus consumidores pontualmente. Há marítimos que simplesmente perderam todos os aniversários de seus filhos. Alguns, como este que vos escreve, não puderam participar dos funerais de pessoas amadas como mães, pais e familiares. É uma dura escolha que fazem para propiciarem uma boa qualidade de vida para suas famílias, mas nada nesse mundo, tenham certeza, compensa a dor da distância que, apesar de imensa, não impede que o marítimo cumpra sua missão. Alguém tem que fazer este trabalho e os marítimos são especiais o suficiente para aceitar este fato em suas vidas. Enquanto as pessoas em terra celebram e se reúnem sempre que possível, os marítimos continuam sua vida solitária no mar para que o mundo não pare, ainda que isso custe a sua própria felicidade.

Marítimos enfrentam os mares mais bravios e as piores tempestades

Levar uma carga de um porto a outro, por muitas vezes, envolve tempestades horríveis e ondas gigantes. O mar não é tão amigável quanto parece quando olhado de terra. Ainda que se tenha o que há de mais moderno em termos de tecnologia embarcada, um marítimo no mar está literalmente à mercê da Natureza. Independentemente do que aconteça, a carga deve ser entregue íntegra e com pontualidade em seu porto de destino. Ficam nas mãos de Deus e da Natureza, literalmente, devido às grandes tempestades e mares duríssimos, mas isso não amedronta os marítimos. Eles nasceram para isso. Foram especialmente criados por Deus para suportarem estas condições. O marítimo é duro por natureza e tem o coração do tamanho exato para trabalhar sob estas condições, enquanto os navios jogam, balançam e caturram por cima das maiores ondas em alto mar.

Se você pensa que trabalhar sob estas condições é fácil ou divertido, saiba que está profundamente enganado. A rapadura é doce, mas não é mole não. Isso não é para qualquer um e quem trabalha em terra não faz ideia do tipo de dificuldade com que se convive neste tipo de ambiente. Assim, enquanto as pessoas de terra trabalham em condições confortáveis, com todo o tipo de recurso possível para este conforto, os marítimos enfrentam diariamente as piores e mais duras condições para garantir que a rotina em terra não seja impactada.

Podemos também citar fatos como:

– Trabalho em zonas de Guerra e Pirataria

– Exposição constante a riscos químicos, físicos e ergonômicos

– Solidão, possibilidade de fadiga e problemas psicológicos e problemas de socialização em terra

– Trabalho sob os mais duros e exigentes regulamentos internacionais sob todos os aspectos: Segurança Operacional, Técnico, Procedimentos de Emergências etc..

– Cada lugar visitado possui leis específicas que eventualmente são usadas para criminalizar marítimos pelos mais diversos motivos. Há casos de marítimos que foram presos, humilhados e torturados por anos, enquanto eram dados como desaparecidos e suas famílias choravam suas mortes.

– Você em terra trabalha com horários. No mar, marítimos trabalham com fusos horários e escalas que varam a noite, pois o navio não pode parar. Trocar o dia pela noite é bem comum.

– Marítimos pelo mundo ainda lutam por direitos trabalhistas básicos e a MLC, recentemente implementada, é uma conquista bem recente. 

– De acordo com a ITF, os marítimos estão entre os profissionais mais abusados e explorados no mundo. Além disso, muitos marítimos são simplesmente abandonados por suas empresas em arrestos de navios pelo mundo, sem salário, sem comida, sem poder voltar pra casa, sem nada, principalmente nos tempos em que a Economia enfrenta grandes crises.

– Tribunais marítimos e outras cortes pelo mundo punem severamente marítimos em casos de acidentes e fatos da navegação como abalroamentos, colisões e encalhes com dano ambiental, dentre outros. A figura do Comandante e do Chefe de Máquinas está, via de regra, exposta o tempo todo a isso. A Legislação está cada vez mais dura e a possibilidade de eventos acontecerem cada vez maior. Não importa se o erro foi pequeno, a penalidade é sempre muito grande para um marítimo.

Mesmo diante de todo o acima exposto, marítimos são sempre vistos como pessoas sorridentes, com muito dinheiro, ainda mais agora com esta “geração-ostentação” de agora, que não conheceu o tempo do Lloyd, das grandes crises, das trocas de turma via barco a 100, 200 milhas da costa no offshore, da falta de emprego nos anos 90, do constante desrespeito aos marítimos na perfuração, etc.

Marítimos são bem mais que isso. Eles são provavelmente umas das poucas pessoas no mundo que realmente entendem o significado verdadeiro das palavras FAMÍLIA e TRABALHO. Diante das dificuldades enfrentadas no mar, marítimos sabem muito bem como aproveitar ao máximo seu tempo livre. Ainda que saibam da importância de seu trabalho, não deixam que isto sua a cabeça. Eles continuam trabalhando ainda que empresas, governos e a sociedade como um todo continuem ignorando a existência deles.

Marítimos sabem, quer estejam no mar ou em terra, o quanto o tempo é limitado e a única opção que têm é aproveitar este tempo ao máximo. Eles não tem escolha.

O Portal Marítimo deseja a todos os marítimos, quer estejam trabalhando a bordo ou nas empresas em terra, um Feliz Dia do Marítimo.

Agradecimento especial a administração do site Marine Insight pela autorização em divulgar o texto e adaptar a nosso critério e pede a você, marítimo amigo, que participe hoje da divulgação da hashtag #thankyouseafarers pelo seu twitter ou facebook.

Por Rodrigo Cintra

5 COMENTÁRIOS

  1. É a mais pura verdade,nós marítimos somos tratados como saco de pancada,mas continuamos na luta pelo progresso de nosso país.

  2. portal maritimo,sempre alerta ao profissional do mar enquanto isso …outros desfrutam de mais um feriado,até parece que o maritimo brasileiro tem que ter data diferente .

  3. Parabéns a todos vocês, pela bravura e coragem de enfrentar tudo isso. Para nós de terra, já é difícil o afastamento da família imagine pata vocês. E vou mais ainda. Imagina um furacão, tufão, tempestade, altas ondas e o socorro mais próximo está a uma semana. É isso o que o marítimo enfrenta para a economia e o conforto das pessoas existirem.Parabéns guerreiros. Você merecem muita coisa boa e que os valorize. Não aqueles que estão dentro de estádio, correndo atrás de um pedaço de couro, dizendo que estão representando a nação.

  4. Nao estou no olho e nem tampouco no cerne do furacao/questao,mas o que vai,tem muito a ver com o que o Sr Rodrigo Cintra coloca(a proposito camarada,conte comigo, meu apoio para trombetear,alardear,nao torpedear(posso discordar,mas nao serei um mal educado!!!), as noticias que sao colocadas nesses espaço democratico.
    O Maritimo e ser de “poucas letras”,com raras excecçoes,asssim como a massa esmagadora da nossa populaçao ,mas essa nova geraçao ,e um pouco mais informada(nao estou dizendo que sao corrretas suas informaçoes,ou que sao concatenadas,mas que tem mais tem mais,tem mais oportunidades!!!).Mas quede os maritimos??/(pelo menos ,em parte,no IR estamos la-215-piloto,maquinista).Estamos em alta em situaçoes como o Costa concordia,na Italia etc,mas cade”divisas para vc ,divisas para o Brasil(com “”s””mesmo!!!)
    Mas gostaria de mudar um pouco,para manter o rumo,apesar de ser maquinista e nao escrever tao claramente como o Sr Rodrigo,mas com a pratica,um dia quem sabe???
    Na verdade tenho algumas reservas com o SINDMAR, no entanto ,creio que a RN 72 foi um avanço!(com que interesses e que me pergunto)no entanto a estao criminosamente flexibilizando, na cara dura mesmo,como diversas coisas nesse pais,,para atender todo tipo de interesses.Nesse pais onde as fronteiras sao queijo suisso nas saidas dos portos,aeroportos e ate do escovem(???) de tantos Minerais(Niobio,Ouro,Diamantes,silicio,etc)imagina a DRT fiscalizar,pelo menos no nivel,na proporçao que e necessasria.Imagino,para nao bancar o safo,que existem interesses escusos na falta de fiscais,Policias(nisso ai incluo pessimos salarios).A Marinha tem que rever essas vagas e principalmente houve um descompasso entre PAC1,PAC2 ,Pre-sal e por ai vai!!!
    Nesse dia,temos pouco a festejar,nao so como Maritimos mas como brasileiros,senao vejamos os fatos da semana(Barbosa vai largar a toga,os mensaleiros vao poder gastar seu quinhao,a Petrobras vai continuar caindo as açoes(enquanto a Pres…estiver se mantendo)vao continuar entrando barcos de outras bandeiras e saindo divisas do pais!!Triste fim de policarpo!
    Desculpe os acentos pois esses teclado e uma bençao!!!.

Deixe uma resposta