Porto de Pecém – HUB pode aquecer o setor

1

Tecon Pecém

Com a finalização da segunda expansão do porto do Pecém, prevista para o próximo ano, o Governo do Estado aposta na formação de um hub (ponto de conexão) marítimo no Ceará. Segundo Rebeca Oliveira, diretora comercial da Cearáportos, as empresas transportadoras Hamburg Süd, Maersk e CMA CGM já sinalizaram interesse em formar um hub próprio no local.

“Existe espaço para todos. A gente tendo equipamentos, tendo berços prontos, tendo a tabela acessível que a gente tem, vai ser natural eles chegarem até aqui. Claro que a gente está correndo atrás deles com um laço, mas, eles, eventualmente vão vir mesmo”, diz.

Como motivos para essa atração de empresas interessadas no Estado, Rebeca cita a proximidade com o canal do Panamá, cujas obras devem terminar em dezembro de 2016. “Eu falo não o primeiro porto, mas o primeiro porto que tem berços para isso, equipamentos para isso, profundidade natural e a retro área. Porque a gente não pode esquecer que tem Belém, com o Porto do Conde (PA), Porto do Itaqui (MA). Cada um tem sua vantagem, mas a gente consegue ter todas as vantagens em um terminal só”, enfatiza.

Infraestrutura

O porto conta com Terminal de Insumos e Produtos Siderúrgicos e Carga Geral (píer 1), um Terminal de Petróleo/Derivados e Granéis Líquidos (píer 2), ponte de acesso de 2.142 metros de extensão, pátio de armazenagem de cargas e píer de rebocadores.

Dispõe ainda de uma correia transportadora com 12 km de extensão e capacidade para movimentar 2.400 toneladas por hora; e o Terminal de Múltiplas Utilidades (TMUT), que passa pela segunda etapa de expansão.

As obras incluem pavimentação e ampliação do quebra-mar, que deve ficar pronto até o final de 2015, nova ponte de acesso ao quebra-mar, que será construída a partir de agosto e vai permitir o trânsito de caminhões para movimentação de placas, além da instalação de transportadores de correia para possibilitar a operação nos futuros terminais de granéis sólidos.

Estão sendo construídos mais três berços de atracação de navios cargueiros ou porta-contêineres. Os equipamentos operarão carga geral e produtos da Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP). A previsão de conclusão dos berços são setembro de 2015 (berço 7), dezembro de 2015 (berço 8) e maio de 2016 (berço 9).

O investimento total da segunda ampliação será em torno de R$ 640 milhões, recursos do tesouro Estadual e do Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES). A expansão do terminal vai quintuplicar a capacidade de movimentação de cargas e coloca o Porto do Pecém.

Hub TAM e concessões

André Facó, secretário da Infraestrutura do Estado, diz que o Governo do Ceará ainda está estudando, nos próximos dois meses, o portfólio de projetos de infraestrutura econômica que poderão ser levados ao processo de concessão.

“Estamos selecionando aqueles projetos de infraestrutura que agregariam para o Governo do Estado a questão do desenvolvimento econômico”.

Em relação ao aeroporto, o secretário se mostra otimista. “A gente vê que o Ceará reúne condições técnicas diferenciadas em relação aos outros competidores, não desmerecendo os outros, mas a gente está trabalhando para potencializar essas vantagens. Que a TAM consiga enxergar isso não somente agora, mas no longo prazo”.

NÚMEROS – 640 milhões de reais é o investimento total previsto na obra de ampliação do Pecém.

Dicionário

A retroárea ou retroporto consiste em um instrumento logístico e aduaneiro fundamental para regular os fluxos nos portos e de extrema importância para a competitividade de tais portos. São áreas externas aos portos onde ocorrem atividades essenciais
para o funcionamento dos mesmos.

Fonte: O Povo (CE)/ Edimar Soares

Por Rodrigo Cintra

1 COMENTÁRIO

Deixe uma resposta