A Petrobras não é uma Agência de Desenvolvimento, declarou Ministro Coelho Filho

0

mininstro-coelho-filho

Diante de uma plateia lotada de empresários e investidores em Londres, o Ministro de Minas e Energia, Fernando Bezerra Coelho Filho, afirmou nesta sexta-feira que a decisão da Petrobras de reduzir o preço de gasolina e diesel nas refinarias é uma prova de que a estatal está disposta a seguir a lógica de mercado, baseada em oferta e demanda.

Na declaração do Ministro, está embutida uma crítica direta à gestão do PT à frente da estatal. Por mais de uma vez, a Petrobras controlou preços para tentar conter o aumento da inflação.

“A Petrobras não é uma agência de desenvolvimento, é uma empresa de petróleo. Deve tomar decisões que façam sentido para ela e seus acionistas”, afirmou Coelho Filho, em evento na London Business School, na capital inglesa.

A Petrobras anunciou nesta sexta um novo plano para o preço dos combustíveis.

A redução do preço cobrado das distribuidoras começa a valer a partir da 0h deste sábado (15). Será de 3,2%, para a gasolina e de 2,7% para o diesel.

Para o consumidor, contudo, o tamanho da queda do preço depende do valor a ser repassado aos postos. Estima-se que o combustível fique cerca de R$ 0,05 mais barato na bomba.

Popularidade

No mesmo evento, em conversa com jornalistas, Moreira Franco, Secretário-Executivo do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) do Governo Federal, salientou que a medida mostra que a Petrobras “está retomando sua autonomia”.

“Não é para ser uma medida popular, é uma medida de negócio. Ela (Petrobras) quer vender”, afirmou Moreira Franco, após ser questionado se a decisão de reduzir os preços podia ser encarada como iniciativa a melhorar a popularidade do governo.

“Antes, (a Petrobras) manipulava os preços. Você tinha uma empresa com ação em bolsa e conselho que praticava política de preços para servir ao governo e por isso chegou onde chegou”, afirmou Moreira Franco, citando a prática empregada na gestão petista.

Por mais de uma vez a Petrobras congelou o preço do combustível para controlar o aumento da inflação. Tal medida atraia críticas de analistas econômicos, que associavam a iniciativa aos problemas econômicos da estatal.

“A Petrobras voltou a ser uma empresa. Não está compromissada com a inflação, (está) compromissada com o resultado dela”, salientou Moreira Franco, dizendo que a estatal segue a regra de mercado fundamentada em oferta e demanda.

Um dos motivos que levaram a empresa a decidir reduzir os preços, de acordo com a própria Petrobras, foi o aumento recente da importação de combustível por outras empresas. O cálculo do custo do combustível foi alterado para que o preço caísse nas refinarias.

Tour por investimentos

O Ministro de Minas e Energia e o Secretário-Executivo do PPI integram comitiva do governo brasileiro que tenta atrair investidores estrangeiros e convencê-los que o período de turbulência no Brasil já passou. Eles, que já passaram por Portugal, visitarão ainda o Japão.

Como parte do otimista discurso oficial, os representantes do Brasil têm prometido que, a partir de agora, o país está empenhado em não gastar mais do que se arrecada e em garantir segurança jurídica mantendo regras de concessões e privatizações.

Mesmo com a promessa de que a economia é a grande prioridade desse governo, investidores ainda estão desconfiados.

Muitos preferem esperar para verificar, antes de começar a investir, se as promessas – em especial sobre reformas – serão de fato cumpridas.

Fonte: Fernanda Odilla / BBC

Por Redação

1 COMENTÁRIO

  1. […] Sinceramente isto é algo que dificilmente está nos planos da Transpetro, ainda mais em um momento onde a política mudou no país e a após a declaração dada recentemente pelo Ministro das Minas e Energia, Fernando Bezerra Coelho Filho, de que a empresa não é uma agência de desenvolvimento, e precisa dar lucro, conforme mostrado em matéria clipada pelo Portal Marítimo (acesse clicando aqui). […]

Deixe uma resposta