Turismo no Ártico é tendência, mas pode ameaçar ecossistema

0

arctic-cruise

O turismo na região do Ártico está em alta, mas ao contrário da maioria dos destinos do mundo, esse não é por um bom motivo. Com o derretimento das geleiras, a região está recebendo uma quantidade cada vez maior de cruzeiros turísticos, que hoje alcançam lugares outrora inacessíveis.

De acordo com a Folha de São Paulo, a grande preocupação das autoridades é tentar impedir acidentes – como o Titanic -, para não prejudicar o equilíbrio do frágil ecossistema da região.

A rota de navios pelo Ártico era bloqueada até bem pouco tempo, por conta da grande quantidade de icebergs. No entanto, devido ao verão quente do Hemisfério Norte potencializado pelos efeitos do Aquecimento Global, muitas geleiras derreteram, permitindo a entrada de cruzeiros. Organizações ambientais e navegadores agora lutam para propor limitações ao tamanho das embarcações autorizadas a trafegar pela região, assim como a proibição de combustíveis pesados.

As viagens têm caráter extraordinário, já que boa parte das camadas de gelo tendem a crescer novamente no inverno. No entanto, executivos de navegação demonstram-se preocupados com a possibilidade da rota virar uma tendência, o que pode causar sérios danos ao ecossistema do Ártico. Além disso, a pouca estrutura da Passagem do Noroeste – conjunto de estreitos que separam o Atlântico do Pacífico Norte – também serve de alerta para as autoridades.

Os pacotes de cruzeiros no Ártico podem ultrapassar os R$ 50 mil por pessoa. A tendência é que as viagens se repitam no verão de 2017.

Fonte: Pureviagem

Por Redação

Deixe uma resposta