Portos precisam de mais segurança jurídica, segundo parlamentar

1

O presidente da Frente Parlamentar de Logística de Transportes e Armazenagem (Frenlog), senador Wellington Fagundes, afirmou que o Brasil precisa se espelhar em investimentos e concessões de sucesso do exterior para melhorar os terminais portuários e fortalecer a economia. Em viagem a Cartagena (Colômbia), o republicano disse que a insegurança jurídica, aliada à precarização dos serviços e a burocracia ainda são os principais entraves ao desenvolvimento da logística nacional.

Wellington visitou, por intermédio da ANTAQ (Agência Nacional de Transportes Aquaviários), dois portos colombianos: o Terminal Marítimo de Manga, administrado pela concessionária Sociedade Portuária Regional de Cartagena (SPRC) – e considerado por sete vezes o melhor porto do Caribe – e o terminal marítimo Contecar, que pode movimentar 1,5 milhão de contêineres por ano e em 2018 espera dobrar essa capacidade.

Defensor do uso de modais alternativos de transporte para escoar a produção de grandes Estados produtores, como Mato Grosso, Wellington alerta que o setor não consegue acompanhar o crescimento econômico registrado a cada ano.

No final do ano passado, Wellington acompanhou a criação de um novo decreto de regulamentação das normas portuárias feito pelo Governo Federal e encaminhado à Casa Civil. A iniciativa, que contou com a experiência de Fagundes no âmbito dos transportes, é uma das formas fundamentais de atrair investimentos ao país e melhorar o escoamento da produção. “É fundamental empreender esforços Necessidade para atualizar o chamado “marco regulatório portuário”, com mais segurança jurídica, menor burocracia e maior liberdade para os investidores”, completou.

Em Cartagena – Ambos os terminais visitados pelo senador fornecem serviços marítimos portuários, às cargas, logísticos e de cruzeiro. Juntos, os dois locais movimentarão 5,2 milhões de contêineres por ano e permitirão atraques de embarcações com até 16 mil contêineres cada.

“Essa multimodalidade e harmonia nos serviços deveria existir plenamente em nosso país. Principalmente como forma de fortalecer a logística, ao mesmo tempo em que criamos condições melhores para receber turistas”, sugere o republicano.

Wellington também chamou a atenção para a informatização dos serviços, encontrada nos terminais, o que traz agilidade no acompanhamento dos processos. “Desta forma, tem-se serviços 24 horas por dia, nos 365 dias no ano, via internet. Os processos aduaneiros ficam mais eficientes e seguros e há identificação automática e entrega inteligente de contêineres”, garantiu.

Ele afirmou ainda que levará às comissões de Desenvolvimento Regional e Turismo e de Infraestrutura do Senado as experiências exitosas colhidas no exterior, buscando fomentar debates e ações futuras do Governo Federal. “Somente com exemplos de sucesso e vontade política conseguiremos dar condições melhores ao nosso país, que é referência no mundo em termos de produtividade”, finalizou Wellington.

Fonte: Gazeta MT

Por Redação

1 COMENTÁRIO

  1. Bom dia, esse senador Wellington Fagundes do mato grosso não Conhece santos ,nem os trabalhos Portuário do nosso Pais,vai busca de fora o que tem de sobra nos portos brasileiros que é um Trabalho bem feito, NOS TRABALHADORES PORTUÁRIOS VAMOS TOMA MAIS ATENÇÃO NESSES POLÍTICOS QUE A MAIORIA FAZ LEI PARA SE BENEFICIAR A SI PRÓPRIO.

Deixe uma resposta