Mato Grosso do Sul – desenvolvimento do estado passa por hidrovias

0

A competitividade dos produtos gerados em Mato Grosso do Sul passa, necessariamente, por uma reestruturação dos seus eixos de transporte para eliminar gargalos históricos. Com localização geográfica privilegiada – entre os oceanos Atlântico e Pacífico –, o Estado ainda carece de uma logística com menor custo. O sistema rodo-hidro-ferroviário hoje está saturado e sucateado por falta de investimentos federais.

O Governo do Estado, nestes dois anos, tem atuado na reestruturação de uma lógica de transporte que redistribua a movimentação de cargas, atualmente via BR-163 em direção aos portos de Santos e Paranaguá, com frete mais barato e confiabilidade do mercado. Busca-se com o Paraguai, Bolívia e Chile alternativas para se chegar a Europa e Ásia pela Hidrovia do Paraguai e a interligaria a uma rodovia de 830 km cruzando este três países ao Pacífico. A esse novo mapa logístico inclui-se a duplicação das BR-262 (Campo Grande-Três Lagoas) e BR-267 (Nova Alvorada-Bataguassu).

Ao mesmo tempo, o Estado tem cobrado do governo federal uma tomada de posição clara e definitiva em relação à concessão da Ferrovia Malha Oeste, importante intermodal que interliga Mato Grosso Do Sul de Leste a Oeste (Três Lagoas-Corumbá) e se integra aos eixos ferroviários de São Paulo e da Bolívia. A ferrovia hoje está inoperante por falta de investimentos da concessionária Rumo/ALL, quando poderia estar escoando minérios, grãos e outros produtos aos mercados interno e externo.

A reativação também da Hidrovia do Paraguai, no trecho Corumbá-Assunção, modal mais competitivo do Estado, está entre as prioridades do Estado. No ano passado, o governo retomou a operação do porto fluvial de Porto Murtinho, entreposto estratégico na formatação da estrutura viária fluvial, com previsão de exportar 300 mil toneladas em 2017. A esse plano está prevista a construção de uma ponte sobre o Rio Paraguai, em Murtinho.

“O interesse em construir a ponte já foi firmado, em acordo binacional, e estamos elaborando a minuta para ter a aprovação do Senado Federal” (Marcelo Miglioli, secretário de Infraestrutura)

Fonte: MS Notícias

Por Redação

Deixe uma resposta