Macaé vai retomando ritmo de crescimento

0

Aos poucos, o município supera a crise do mercado offshore e retoma ritmo de crescimento através das receitas do petróleo.

O desempenho tributário registrado por Macaé nos dois primeiros meses de 2017, em relação aos repasses dos royalties, indicam que a tempestade que se abateu sobre o mercado do petróleo nacional começa a registrar o sopro dos ventos de calmaria, que possibilitam à cidade sonhar com um novo ciclo de prosperidade, projetado por sua principal riqueza econômica.

Em janeiro e fevereiro deste ano, mais de R$ 71 milhões entraram nos cofres do governo apenas pelos repasses realizados mensalmente pela Secretaria de Tesouro Nacional, um montante inimaginável para a cidade que vive o discurso da crise, mas que é a única na região com capacidade de ultrapassar os R$ 2 bilhões em receitas arrecadadas em um ano.

Para se ter ideia da representatividade das duas parcelas de royalties recebidas por Macaé neste ano, é preciso comparar os números obtidos pela cidade no ano passado.

No primeiro bimestre de 2016, Macaé amargou a queda dos repasses do petróleo, registrando assim uma arrecadação de pouco mais de R$ 49 milhões com as duas parcelas pagas pelo Tesouro Nacional: cerca de R$ 24 milhões cada uma.

Mas, em 2017, ano em que o governo projeta o menor orçamento municipal em cinco anos, Macaé obteve duas parcelas significativas dos royalties: a primeira, paga em janeiro, de R$ 34 milhões e a segunda de R$ 37 milhões, recebida pelos cofres públicos na véspera do Carnaval.

Essa diferença indica um crescimento de 31% entre o primeiro bimestre de 2016 e os dois primeiros meses de 2017, algo impensável para um governo que há um ano tentou consolidar a operação financeira conhecida como “empréstimo dos royalties”, barrada pela Justiça.

E o que projeta esse crescimento das receitas do petróleo é a valorização do petróleo brasileiro no mercado internacional, algo que também pode influenciar nas cotas recebidas pela cidade com a Participação Especial.

Aos poucos, Macaé vive a expectativa de retomar a arrecadação do petróleo no nível dos patamares registrados nos últimos quatro anos, quando os royalties rendiam em média repasses acima dos R$ 40 milhões.

Atualmente, o município segue como aquele que recebeu as maiores parcelas dos royalties neste ano, desbancando Campos dos Goytacazes, cidade que ainda recebe a maior parte das riquezas do petróleo na região, devido as altas cotas da Participação Especial.

Com isso, Macaé deve fechar 2017 atingindo orçamento de R$ 2 bilhões.

Números

R$ 71 milhões- Total de receitas dos royalties do petróleo registradas por Macaé entre janeiro e fevereiro deste ano.

R$ 49 milhões – Total dos royalties arrecadados pela cidade no primeiro bimestre de 2016

R$ 22 milhões – Crescimento da arrecadação de Macaé com os royalties em 2017

Fonte: Márcio Siqueira / O DebateOn

Por Redação

Deixe uma resposta