Petrobras divulga resultados de 2016

0

O resultado da Petrobras em 2016 foi marcado por uma melhora significativa no desempenho operacional da empresa ao longo do ano, que se refletiu numa reversão do prejuízo apurado no 3T16 para um lucro líquido de R$ 2,51 bilhões no 4T16 e redução no endividamento.

Apesar do preço de petróleo mais baixo em 2016, da retração do mercado nacional de derivados, com queda de 8% no volume de vendas no mercado interno e da menor geração de energia elétrica, a Cia operou com maiores margens de diesel e gasolina, se comparado ao ano anterior, e reduziu seus gastos com importações, participações governamentais e suas despesas de vendas, gerais e administrativas, bem como despesas financeiras líquidas.

As exportações aumentaram 12% no 4T16, totalizando 634 mil bpd de petróleo e derivados, com destaque para as exportações de petróleo, que subiram 14%, levando a empresa a assumir a posição de exportadora líquida em 2016.

Em termos operacionais, a companhia também cumpriu, pelo segundo ano consecutivo, sua meta de produção, atingindo 2.144 mil de barris por dia (bpd) de petróleo no Brasil e registrou recordes como a produção de 2,9 milhões de barris de óleo equivalente por dia (boed), considerando petróleo e gás, no Brasil e no exterior, em dezembro.

Com a maior geração operacional e a redução de investimentos em 32%, a empresa alcançou um fluxo de caixa livre de R$ 41,57 bilhões. O 4T16 foi o sétimo trimestre consecutivo de fluxo de caixa livre positivo, demonstrando a maior disciplina de capital que a empresa vem perseguindo.

O endividamento líquido foi reduzido em 20%, passando para R$ 314 bilhões ou US$ 96,4 bilhões, em decorrência da amortização e pré-pagamento de dívidas, utilizando recursos de desinvestimentos e do caixa, bem como da apreciação do real. A gestão da dívida também possibilitou o aumento do prazo médio de 7,14 para 7,46 anos.

O EBITDA, referência bastante utilizada pelo mercado financeiro como uma aproximação da geração de caixa, foi de R$ 24,8 bilhões no 4T16 e de R$ 88,7 bilhões em 2016, 16% superior ao ano anterior.

Com isso, a métrica financeira Dívida líquida/EBITDA traçada pela Petrobras no seu Plano de Negócios e Gestão foi reduzida de 5,11, ao final de 2015, para 3,54, ao final de 2016. A meta é que esse indicador chegue a 2,5 vezes o EBITDA no fim de 2018.

A seguir estão resumidos os principais destaques do Resultado anual e do 4T16:

Fonte: Agência Petrobras

Por Redação

Deixe uma resposta