Vem aí os rebocadores portuários com propulsão híbrida

0
1156

A multinacional Wärtsilä, líder em tecnologias avançadas para mercados marítimos e de geração de energia, assinou com a Petrocity, controladora do novo porto a ser construído na cidade de São Mateus, no Espírito Santo, o primeiro acordo no Brasil para o desenvolvimento de rebocadores portuários com propulsão híbrida com uso de baterias. O principal objetivo é maximizar a sustentabilidade operacional ecológica das embarcações, uma vez que as demandas ambientais do novo porto estão alinhadas com os mais rigorosos requisitos em vigor no mundo.

O novo portfólio de rebocadores, conhecidos como Wärtsilä HYTug, enfatiza a sustentabilidade e a eficiência operacional, representando o que há de mais moderno no mercado. Com baixíssimos níveis de emissões de gases como: NOx, SOx, e CO2, o projeto de 70 toneladas de tração estática contará com motores e propulsores de alta eficiência energética, associados às baterias que armazenam e distribuem energia à propulsão, gerenciados por um moderno sistema que otimiza o consumo de combustível e reduz drasticamente os custos de manutenção. Ao operar no modo sustentável, não há fumaça visível do Wärtsilä HYTug, uma vez que toda potência vem das baterias, com a embarcação operando no modo elétrico.

A eficiência deste novo projeto oferece ainda total controle sobre a potência fornecida e manobrabilidade na operação do rebocador, além de notável redução na poluição sonora. O Wärtsilä HYTug foi otimizado para baixa resistência ao avanço, alta capacidade de reboque e assistência aos navios, comportamento no mar, conforto e segurança da tripulação.

Para a Petrocity, o novo projeto de rebocadores está alinhado com a filosofia e os valores corporativos da empresa, representando uma “Operação Verde” em seu novo porto a ser construído. Já para a Wärtsilä, o acordo representa uma oportunidade para consolidar ainda mais a sua posição em fornecer soluções integradas de alta eficiência energética e baixíssimo impacto ambiental, além de liderar a mudança no mercado de apoio portuário com esta nova tecnologia.

“Está será a primeira solução de muitas, dentro de um projeto grandioso de logística portuária, que visa, além da integração regional, o envolvimento dos Estados do Espírito Santo, Minas Gerais e Bahia, a garantia definitiva da interiorização da economia no norte do Espírito Santo”, afirma José Roberto Barbosa, diretor geral da companhia.

“Os rebocadores híbridos irão mudar o cenário do mercado de apoio portuário, pois o uso de baterias aumenta significativamente a eficiência e sustentabilidade ambiental, reduzindo muito os custos operacionais. Esperamos outros projetos como esse num futuro bem próximo”, afirma o gerente de vendas de Marine Solutions da Wärtsilä, Mário Barbosa.

Como os rebocadores normalmente operam em ou próximos à portos e áreas povoadas, eles são particularmente afetados por considerações ambientais. Por isso, a necessidade de conformidade regulamentar é uma preocupação cada vez maior para os proprietários e operadores em todo o mundo.

Por Redação 

Deixe uma resposta