Concurso da Transpetro – Polêmica à vista

13
7384

O Concurso da Transpetro é hoje uma excelente oportunidade para diversos profissionais marítimos que buscam uma empresa que ofereça boas condições de trabalho, benefícios e alguma estabilidade. Disso, todos sabemos, haja vista a enorme quantidade de inscritos nesta última edição.

Altíssima relação candidato / vaga, necessidade de se alcançar uma ótima nota para ser classificado, colegas ansiosos e cheios de esperança em serem aprovados. Definitivamente este concurso hoje representa uma grande possibilidade de carreira para qualquer marítimo.

Organizar concursos nunca foi um problema para a Transpetro, até mesmo porque a empresa já organizou muitos deles. Porém, desta vez, decidiram que a Cesgranrio conduziria este processo.

Que fique claro que não temos a menor intenção em questionar a competência da entidade para tal, pois a Cesgranrio reconhecidamente tem expertise em concursos.

O que questionamos, apenas dando visibildiade às preocupações de muitos colegas marítimos, é o fato de o edital não requerer o preenchimento do número da CIR do candidato, apesar de informar claramente que as vagas são destinadas aos marítimos. Isso causou a inscrição de diversos candidatos não marítimos para as vagas de Auxiliar de Saúde e Cozinheiro, aquelas famosos “concurseiros”, fato confirmado no dia do concurso, e provavelmente às vagas de Taifeiro também. Os candidatos se falam sempre e eram muitos os que não sabiam nem o que era “CIR”.

Tais candidatos, ainda que sejam aprovados nas etapas iniciais, não serão aprovados na verificação de documentos e qual é o grande problema?

No edital está informando que a Transpetro vai chamar uma vez e meia o número de vagas para as etapas complementares que são exame físico, verificação de documentos e exame médico. Pelo menos de acordo com o edital, não haverá uma segunda chamada caso as vagas não sejam completas.

Agora imaginemos uma situação hipotética para os Auxiliares de Saúde, por exemplo:

São 30 vagas, vão chamar 45. Se desses 45 mais de 30 forem não marítimos, e a chance é alta de ocorrer isso, a Transpetro, by the book, NÃO FECHARÁ O TOTAL DE VAGAS DO CONCURSO. Repetimos: o edital não prevê uma segunda chamada no caso de as vagas não serem preenchidas.

Isso, além de prejudicar o Concurso, prejudica a empresa, que faz a sua parte para adequar-se à escala 1 x 1, tão aguardada por seus funcionários do quadro de mar, e prinicpalmente o marítimo, que se preparou, se dedicou aos estudos tanto para sua formação marítima, como para sua formação específica, e que pode não ter nem a oportunidade de concorrer nas etapas complementares.

Deixamos a sugestão para que, num próximo Concurso, a empresa torne o preenchimento de número / apresentação da CIR obrigatório nas provas e, como ação imediata para se antecipar ao que pode acontecer neste concurso, chame mais candidatos para a fase complementar, e não apenas uma vez e meia.

E não queremos nem imaginar o que possa vir a acontecer caso esses que não tem documentação marítima se deparem com esse monte de empresas que tem aparecido ultimamente “formando” marítimos sabe-se lá como, e conseguindo sua documentação de maneiras nada convencionais.

Vamos ver no que vai dar e contamos com a boa vontade da Transpetro em relação a este ocorrido, pois o risco de acontecer o que foi mencionado acima não é somente real, como muito provável.

Após tanto tempo, é triste vir aqui escrever um artigo sobre este ocorrido. Sinceramente eu preferia estar escrevendo sobre outras coisas, mas o compromisso deste espaço com os assuntos relevantes em nossa Marinha Mercante está acima de tudo.

Por Marcus Lotfi

13 COMMENTS

  1. Pelo amor de Deus. Brasileiro gosta de reclamar de tudo, criar post pra tudo.
    Ó só rsrs si lê o edital todo irão observar que existe uma certificação específica (marítima).
    Mais os doido quer sair fazendo, escrevendo… pensando que isso é zap zap.
    Gente vamos lê e interpretar…
    Fica a dica.

  2. Esse edital foi muito mau elaborado, 50% de cada matéria aonde português vai servir só pra desempate, concurso pra área marítima aonde pode se escrever sem o principal documentos, muito dinheiro envolvido

  3. Vão chamar 1,5x o cadastro esperado! Ou seja 75 em ampla concorrência é o cadastro esperado é 750 pessoas, então vão chamar 750 pessoas x 1,5. Correto? Isso para moço de máquinas.

  4. Bom dia marítimos. Entendo a preocupação, mas infelizmente ou felizmente a Transpetro tem que cumprir a lei. A constituição brasileira garante a todo brasileiro nato ou naturalizado o livre acesso a inscrição em concurso público. E a sumusú 266 do STJ diz que o diploma ou certificado de formação so pode ser exigido no momento da posse e nunca durante inscrição do certamente.

    • Sério??? Então porque antigamente nos concursos realizados pela empresa se solicitava o numero da CIR e os embarques anteriores??? O fato de não cobrar a documentação pela lei, não tira a responsabilidade da empresa em filtrar seus candidatos. Mesma coisa que fazer concurso pra motorista e o cara sem carteira ou não sabe nem dirigir….

  5. Boa tarde, com relação ao comentário feito sobre Cir, acho que cada um é responsável por seus atos.
    Agora , sobre formação, ninguém fala dos caras que saem da EFOMM e a “extinta” ASOM/N, sem saber absolutamente NADA, NEM mesmo depois PREST, e vão para bordo sem saber por onde começar, ou seja, ter o documento e não saber atuar na função, não sei o que é pior.
    Esses concursos deveriam ter provas específicas para cada função, e se possível até mesmo prática, garanto que muitos que hoje estão atuando, seriam desclassificados lá atrás.

  6. pura verdade so os verdadeiros vapozeiros nato FICARIA POIS COM O VC MESMO FALOU TEM MUITOS PIRATAS QUE NEM SABE O QUE PASSADIÇO CABEÇO E PORTA LO

  7. Boa noite a todos os companheiros.
    Gostaria de atentar para alguns detalhes:
    1) Dependendo da formação, o inscrito pode durante o prazo de validade do concurso alcançar a sua CIR;
    2) O respeito a língua pátria é condição notória para qualquer concurso em que se almeje vaga em instituição relacionada ao governo, direta ou indiretamente;
    3) Todo concurso, salvo se declaração específica, tem validade de dois anos e, caso nao esteja explícito, pode ser emitido pedido de prorrogação de mais 2 anos de validade do concurso;
    4) Brigar com outros que estão buscando uma vaga em um país, como se fossem golpistas, não é etico;
    5) Suspeitas relacionadas a cursos, diplomas e validação da CIR, entre em contato com o representante mais próximo da DPC;
    6) As vagas que não forem preenchidas servirão a todos por se tornarem vagas de contrato pré determinado até que surja um novo concurso;

    Sei que deve ser um sonho de muitos o ingresso no quadro de mar da Transpetro, mas essa caça às bruxas só prejudica a nossa área. Temos que pensar que haverão aprovados que são contratados, outros que são de outras empresas e que passaram cederão suas vagas a outros. A rotatividade ajudara a acomodar mais marítimos.

  8. REQUISITOS: Diploma ou certificado de conclusão de curso técnico de nível médio em Eletromecânica, ou em Fabricação Mecânica, ou em Manutenção de Aeronaves, ou em Mecânica, expedido por instituição de ensino reconhecida pelo Ministério da Educação, Secretarias ou Conselhos Estaduais de Educação. Registro no respectivo Conselho de Classe, como Técnico. EXEMPLO DE ATRIBUIÇÕES: Executar e participar de tarefas de manutenção corretiva, preventiva e preditiva nas instalações e equipamentos industriais, empregando conhecimentos técnicos e operacionais específicos e complementares; preservação e reparo de materiais, equipamentos, ferramentas e dispositivos de manutenção, dentro de sua área de especialização. REMUNERAÇÃO: Salário básico de R$ 2.672,17 com garantia de remuneração mínima de R$ 4.513,13.

    Nao exige CIR !!!!

    • Acredito que essa dados sejam do segundo edital da Transpetro, que não é do quadro de Mar. No edital PSP/RH 2017-1 não constam as informações que você colocou.

    • Entao, na verdade ela, assim como todas as contribuintes do fundo de desenvolvimento da Marinha Mercante, dão o curso através das OE de cada capitania, mas não é um curso básico, tem 90 dias de duração (chutando uma média) com 8h entre aulas teóricas, práticas e intervalos. O de MOM se não me engano são 540 horas de aula. Somente após a fase teórica haverá a instrução no mar com duração de 2 meses(quebrado ou direto) em embarcações com KVA pré determinado em publicação. Após esse “estágio” será entregue um livro contendo o relatório de suas atividades para ser analisado pela capitania ao qual a OE é subordinada. Qualquer erro e você ou deverá refazer o “estágio” ou buscar a correção, para reapresentar o relatório, somente após isso será feita a troca da sua categoria e você será reconhecido como maritimo de acordo com o seu curso. Ou seja, por melhor que seja o aluno e o curso, ele não terminará antes de 6 meses. O problema geral é a falta de informação ou de compromisso para ler o edital. Acreditamos que depois que passar é só dar um “jeitinho”, o que no caso dos marítimos significa que quando descobrirem você será visto como um pária e será excluído dos embarques de grandes empresas, pois mesmo que não consigam provar que houve uma falcatrua o “povo do mar” protegerá aos seus preterindo o 71.

      Obs.: essas são informações para o caso do curso de MOM.

Deixe uma resposta