Acidente com lancha em Angra dos Reis deixa dois mortos – piloto está preso

0

João Tiago do Nascimento Guimarães, piloto da lancha que causou o acidente que deixou dois mortos e dois feridos na manhã desta sexta-feira em Ilha Grande, Angra dos Reis, no Sul Fluminense, foi autuado pela Polícia Civil por duplo homicídio culposo e dupla lesão corporal. Ele foi preso em flagrante e segundo o delegado Bruno Gilaberte, da 166ª DP, onde o caso está sendo investigado, não apresentava sinais de embriaguez e tinha autorização para pilotar a embarcação.

As vítimas estavam no mar, no local conhecido como Lagoa Azul. Alexandre da Silva Leite, de 43 anos, morreu no local e Walquiria Almeida Barreto, de 29 anos, morreu a caminho do hospital. Estão internadas no Hospital Geral de Japuíba, em Angra, Natacha de Oliveira Soares, de 27 anos, que passou por cirurgia e teve dois dedos do pé direito amputados, e Camila Martinez Precoma, de 30 anos, que deve vai passar por cirurgia na noite desta sexta-feira.

A Marinha do Brasil informa que notificou o piloto, apreendeu a embarcação para perícias e reteve o documento de habilitação do condutor para averiguações posteriores. Segundo o delegado Bruno Gilaberte, a Capitania dos Portos deve abrir uma investigação sobre o caso.

As quatro vítimas do acidente faziam parte de um grupo de 52 pessoas que alugaram uma casa em na Vila de Abraão, em Ilha Grande, de acordo com o secretário de Governo e Relações Institucionais de Angra dos Reis Marcus Venissius Barbosa. Ele foi ao local quando soube do acidente e acompanhou o resgate das vítimas.

VÍTIMAS ERAM DE SÃO PAULO

As quatro vítimas do acidente faziam parte de um grupo de 52 pessoas que alugaram uma casa em na Vila de Abraão, em Ilha Grande, de acordo com o secretário de Governo e Relações Institucionais de Angra dos Reis Marcus Venissius Barbosa. Ele foi ao local quando soube do acidente e acompanhou o resgate das vítimas.

— O que sabemos é que eles estavam fazendo um passeio em um barco e pararam na Lagoa Azul para o banho, quando veio uma embarcação alugada por outro grupo que acabou atropelando os banhistas. A lancha parou imediatamente e o marinheiro ajudou a socorrer as vítimas e fez contato com o Samu. Segundo informações da políca ambos os condutores (do barco das vítimas e da lancha que os atropelou) não apresentaram estado de embriaguez e tinham permissão para dirigir.

O secretário afirma ainda que a prefeitura está cobrando a Capitania dos Portos para que instensifique os trabalhos de fiscalização no mar e pretende levar adiante um projeto de reservar áreas apenas para banhistas.

— O município fez há algum tempo um projeto que consiste em cercar alguns espaços para que os banhistas possam tomar banho sem o acesso de embarcações. Na Lagoa Azul já chegamos a ter este espaço em administrações passadas, e agora pretendemos retormar — afirma.

HISTÓRICO DE ACIDENTES

Há um histórico de acidentes envolvendo lanchas em Angra dos Reis e outras cidades do litoral fluminense. Em 2006 uma colisão entre uma lancha e uma treineira deixou uma mulher de 29 anos morta, e em 2013 outra colisão, dessa vez com um bote, dexou um homem desaparecido.

Em 2015 uma treineira com 13 passageiros naufragou e cinco pessoas ficaram desaparecidas. De acordo com informações do G1, um dos casos mais recentes ocorreu em janeiro deste ano, em que um turista gaúcho também morreu atingido por hélices de um barco em Angra dos Reis. Também no litoral fluminense, em Cabo Frio, uma meninda de 10 anos de idade teve a cabeça decapitada após uma lancha atropelar um “banana boat” com 20 pessoas.

Fonte: Luís Guilherme Julião / O Globo

Por Redação 

Deixe uma resposta