Os preços do petróleo, tanto WTI e Brent, subiram nos últimos meses e os comerciantes atribuem o aumento a uma série de fatores de alta, incluindo os esforços dos principais produtores de petróleo do mundo para reduzir o excesso e a decisão iminente da Administração Trump sobre a possibilidade de tirar os Estados Unidos do acordo internacional de 2015 para frear o programa nuclear do Irã e restaurar as sanções em um dos maiores produtores de petróleo do mundo.

Apesar das questões geopolíticas e atividade do setor, é possível argumentar que o impulsor real por trás do recente aumento dos preços do petróleo tem sido nada menos do que a Arábia Saudita, que está longe do papel que desempenhou durante muito tempo agora como força estabilizadora nos mercados energéticos globais.

Príncipe Mohammed bin Salman, da Arábia Saudita

“A Arábia Saudita é agora a líder em termos de preços”, disse recentemente uma importante fonte da OPEP. De acordo com altos funcionários sauditas, o príncipe Mohammed bin Salman (também conhecido como MBS), de 32 anos e atual governante do país, está por detrás dessa ruptura na política.

Política de petróleo saudita – antes de MBS

O petróleo Brent, de referência global, excedeu o nível de 75 USD esta semana, seu nível mais alto desde que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) em 27 de novembro de 2014 se recusou a reduzir a produção para sustentar os preços, uma medida que desencadeou uma batalha por participação de mercado e ajudou a reduzir o declínio para aproximadamente US$ 25 no início de 2016. Naquela época, o então ministro da energia da Arábia Saudita, Ali Al-Naimi, disse que deveriam deixar que o mercado de petróleo se auto equilibrasse a níveis de preço mais baixo, ressaltando a posição da Arábia Saudita para reconstruir estrategicamente a quota de mercado de longo prazo da OPEP, colocando fim à lucratividade da produção de petróleo nos Estados Unidos, que tem um custo muito alto.

Contudo, a medida que os membros da OPEP se cansaram de baixar os preços, a diminuição de rendimento e a redução das reservas financeiras, o cartel concordou em 2016 em retornar à gestão do mercado com a ajuda da Rússia e de outros estados não membros da organização. O acordo para reduzir a produção de petróleo em 1,8 milhões de barris por dia entrou em vigor em novembro de 2016 pela OPEP, Rússia e outros nove países produtores, causando uma recuperação de preços até o nível de US$ 50 no final daquele ano.

Gráfico mostra o comportamento do barril de petróleo

O acordo já foi prorrogado duas vezes, a primeira vez em maio de 2017 por um período de nove meses. Em dezembro de 2017, a Rússia e a OPEP concordaram em estender os cortes de produção pela segunda vez até o final de 2018.

Ao tomar essa decisão, os principais produtores de petróleo do mundo também sinalizaram um possível abandono do acordo antecipadamente se o mercado superaquecesse e os preços subissem o suficiente para que os principais oponentes da OPEP, os produtores de xisto betuminoso. Estados Unidos, começará a aumentar a produção.

Vamos agora para o presente, em maio de 2018. Os cortes na oferta praticamente atingiram sua meta de reduzir as reservas mundiais para a média dos últimos cinco anos, enquanto a produção dos EUA subiu para recordes. No entanto, os sauditas, os líderes de facto da OPEP, mostraram pouca evidência de querer minar o acordo.

Política de petróleo saudita – depois de MBS

Então, o que mudou para essa profunda mudança na dinâmica do mercado de petróleo? A resposta é simples: o iminente IPO da Saudi Aramco, a joia da coroa do reino saudita.

O IPO, anunciado como o maior IPO da história, com expectativas de circulação de cerca de US$ 100 bilhões em ações na Bolsa de Valores Tadawul da Arábia Saudita, foi inicialmente programado para o segundo semestre deste ano. No entanto, desde então, foi adiado até 2019 devido ao desejo de impulsionar os preços do petróleo antes do IPO para maximizar a avaliação da Aramco antes de começar a cotar.

Autoridades sauditas afirmaram que esperam vender uma participação de apenas 5% da gigante do petróleo, avaliando a empresa em mais de US$ 2 trilhões.

Os altos preços do petróleo também são necessários para as reformas econômicas que o príncipe Mohammed bin Salman planejou como parte de seu plano “Visão 2030”. A Arábia Saudita também participou de uma dispendiosa guerra em sua fronteira sul com os rebeldes iemenitas.

Os preços já subiram 60% desde 21 de junho de 2017, o dia em que Bin Salman foi nomeado príncipe herdeiro da Arábia Saudita, elevando os preços de cerca de US$ 45 para US$ 75.

Para cada dólar que aumenta o preço do petróleo, a Arábia Saudita recebe cerca de US$ 3,1 bilhões por ano em receita adicional, segundo a Rapidan Energy Group, uma consultoria de Washington.

“Não há intenção alguma da Arábia Saudita em fazer qualquer coisa para impedir o rali” nos preços do petróleo, disse um alto funcionário do governo saudita. “É exatamente o que o reino deseja.”

Na verdade, se MBS conseguir, o preço do petróleo aumentará ainda mais na segunda metade do ano e testará o nível-chave de US$ 100 por barril, já que os sauditas ignoram a perda da participação de mercado no cenário global e tentam ignorar o aumento da produção de xisto dos EUA. Notícias recentes sugerem que a Arábia Saudita gostaria que os preços do petróleo aumentassem ainda mais, alimentando especulações de que o reino poderia se opor a qualquer mudança nos limites de produção quando a OPEP se reunir em junho.

O atual Ministro da Energia da Arábia Saudita, Khalid al-Falih, já registrou que os membros da OPEP teriam que continuar coordenando-se com a Russia e outros países produtores de petróleo não membros do cartel em termos das reduções de oferta até 2019.

MBS também tem sido muito crítico em relação ao Irã e o acordo nuclear de 2015 assinado com outras potências mundiais, chamando-o de “acordo falho”. Não é segredo que os sauditas teriam prazer de ver novas sanções contra o Irã e seu petróleo, o que poderia impulsionar ainda mais os preços.

Evolução do preço após o Príncipe Mohammed bin Salman assumir o Governo da Arábia Saudita

Embora os sauditas tenham trabalhado para esfriar os preços do petróleo no passado, depois de superaquecer em 2008 e 2011, a posição de Riad mudou consideravelmente de seu papel pedindo moderação para tentar convencer seus pares de que um aumento rápido demais dos preços beneficiaram os fornecedores de energia, isto é, os produtores de xisto dos Estados Unidos. “Fechamos o círculo”, disse recentemente uma importante fonte da indústria sobre a mudança de opinião da Arábia Saudita. “Não ficaria surpreso se a Arábia Saudita quisesse que o petróleo atingisse 100 dólares até que o IPO (da Aramco) tenha passado.”

Neste momento, são os iranianos e os russos que têm sido mais cautelosos em impulsionar os preços ainda mais, destacando como a dinâmica do mercado de petróleo mudou drasticamente.

Ironicamente, talvez o verdadeiro vencedor desse novo paradigma tenha sido a indústria de xisto dos EUA, que se beneficiou dos altos preços do petróleo. Houve um aumento de nove plataformas de petróleo durante a semana que terminou em 4 de maio, para um total de 834, seu maior nível desde março de 2015.

De fato, a produção de petróleo do país, impulsionada pela extração de xisto, atingiu recordes de 10,62 milhões de barris por dia na semana passada, acima dos níveis de produção na Arábia Saudita. Apenas a Rússia produz mais, com quase 11 milhões de barris por dia.

Isto causou um impacto nas exportações de petróleo dos EUA. Em abril, o suprimento dos Estados Unidos para a Europa alcançou níveis recordes em cerca de 550 mil barris por dia, de acordo com o controle de fluxos comerciais da Thomson Reuters Eikon. Em 2017, a Europa obteve aproximadamente 7% das exportações de petróleo dos EUA, segundo dados da Reuters, mas a proporção já aumentou para aproximadamente 12% este ano.

Fontes comerciais afirmaram que os fluxos dos EUA para a Europa continuam a subir, e os barris dos EUA estão encontrando cada vez demandas em refinarias estrangeiras, muitas vezes à custa da OPEP ou do petróleo russo. Isso era desconhecido até alguns anos atrás.

Fonte: Investing.com

Por Redação

Deixe uma resposta