Os FPSOs P-75 (Búzios) e P-67 (Lula Norte) estão prontos para deixar os estaleiros chineses da Cosco e da COOEC, respectivamente. Destinada ao projeto de Búzios II, a unidade da cessão onerosa inicia sua viagem para o Brasil na sexta-feira (18/5), enquanto a P-67 sairá entre segunda-feira (21/5) e a terça-feira (22/5).

A P-75 parte ao meio dia desta sexta-feira por meio de dois rebocadores, da Tranship, e mais um barco salva-guarda, que já estão em águas abrigadas do estaleiro.

O tempo de viagem é estimado entre 45 dias e 60 dias.  O detalhamento da rota de transporte com os locais de parada para abastecimento será fechado na quinta-feira (17/5), mas já é certo a unidade cruzará o cabo da Boa Esperança, na África.

Ao contrário da maioria dos FPSOs da Petrobras, a P-75 não virá tripulada na viagem. Pela programação original, a unidade chegará ao Brasil pelo Rio Grande do Sul, onde ficará em algum porto, aguardando sua liberação e internacionalização. A Petrobras tentará acelerar o processo para garantir que a unidade possa seguir direto para a locação.

A chegada da P-75 está programada para ocorrer entre o fim de junho e o início de julho. O trabalho de instalação da unidade e de interligação dos primeiros poços irá consumir cerca de 60 dias, o que projeta sua entrada em operação para ocorrer entre os meses de setembro e outubro.

Já a P-67 será rebocada para o Brasil via dry-tow pela Dockwise, com o navio Dockwise Vanguard. A previsão é de que a unidade deixe o estaleiro da COOEC, onde foram realizadas a montagem e integração dos módulos,  na segunda-feira (21/5), mas a depender das condições de tempo a operação pode acabar transferida para a terça-feira (22/5).

O tempo de transporte da unidade de Lula Norte é estimado entre 70 dias e 75 dias, o que projeta sua chegada ao Brasil para agosto. A plataforma está programada para entrar em operação no último trimestre, mas diante do prazo apertado existe o risco de o cronograma acabar adiado para 2019, junto com a P-68 que também deve escorregar para o próximo ano, conforme já admitiu a Petrobras.

A expectativa original da Petrobras era de que a P-67 saísse do estaleiro no fim do ano passado. Com a saída da unidade de Lula Norte, a P-70, FPSO destinado a Atapu, na cessão onerosa, e programado para entrar em operação em 2019, atracará no COOEC para finalizar sua obra.

A unidade da cessão onerosa chegou ao estaleiro chinês há mais de um mês, vinda do BJC Heavy Industries, na Tailândia, mas não pode entrar no estaleiro por falta de espaço. O problema, segundo fontes que trabalham na China, teria motivado o afastamento por um gerente de obra da Petrobras, substituído por Teresa Leodido.

Tanto a P-75 quanto a P-67 têm capacidade para produzir 150 mil barris/dia de óleo.

Fonte: Brasil Energia

Por Redação 

Deixe uma resposta