A multinacional Wärtsilä, líder em tecnologias para mercados marítimos e de geração de energia, é uma das patrocinadoras da equipe UFRJ Nautilus, que busca levar o robô BrHUE para a Robosub 2018. A competição internacional é anual e promovida pela RoboNation, organização sem fins lucrativos, que reúne 50 equipes de dez países ao redor do mundo e busca aumentar a visibilidade da comunidade robótica. Seu principal desafio é projetar e desenvolver um robô submarino (Veículos Submarinos Autônomos — AUV), que seja capaz de realizar provas sem interferência humana nas decisões, movimentos e controle do robô. A competição ocorrerá entre os dias 30 de julho e 5 de agosto, em San Diego, Califórnia, costa oeste dos EUA.

A UFRJ Nautilus, é uma equipe de competição da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), especializada em automação naval e submarina que desenvolve AUVs. O objetivo dos universitários é desenvolver tecnologia e inovação com os conhecimentos aprendidos em sala de aula, além de proporcionar o contato com tecnologia de ponta e abrir caminhos à construção de novas expertises. “Em 2016, tivemos nossa primeira chance de participar da RoboSub, entrando para história da competição como a primeira equipe da América Latina a participar do evento. Neste ano de 2018, queremos retornar a San Diego e repetir nossa participação alcançando novos mares. O objetivo é nos colocar entre as campeãs!”, espera Matheus Sant’anna, capitão da equipe UFRJ Nautilus, que complementa “A equipe só consegue cumprir o principal objetivo da forma que deseja quando as suas duas principais demandas financeiras estiverem supridas: a primeira em relação à construção do projeto e a segunda em relação à viagem. Para cobrir os custos do projeto, recorremos aos patrocínios e apoios de empresas privadas, como a Wärtsilä, e para cobrir os custos da viagem está em progresso a campanha de crowdfunding”.

O diretor de Marine Solutions da Wärtsilä Brasil, Luiz Barcellos, acompanha o projeto e resolveu ajudar “Ficamos muito felizes em poder ser um dos apoiadores a viabilizar o sonho desses jovens empreendedores. Estamos orgulhosos do robô subaquático que eles desenvolveram, o BrHUE, e tenho certeza de que será um sucesso na competição”, afirma Barcellos.

Um Autonomous Underwater Vehicle (AUV) é um robô submarino que se movimenta em baixo d’água sem necessitar de controle humano. Assim sendo, os AUVs são programados para serem capazes de executar missões de forma completamente autônoma, sem tomada elétrica, hidráulica, de controle ou qualquer outra vinda da superfície. Nesse sentido, os AUVs surgem como solução para atividades industriais e de pesquisa, sendo capazes de coletar e armazenar enorme volume de dados, investigar áreas inóspitas ou de alto risco ao ser humano e percorrer maritimamente longas distâncias. “Eles podem ser usados na indústria de óleo e gás, posso fazer a amostragem dentro de bacias e de lagoas, posso fazer o controle do assoreamento de um rio, por exemplo”, destacou Sant’anna, que ressalta que a tecnologia pode baratear as operações e diminuir o risco de perdas humanas em várias ações de risco.

A equipe surgiu através da união de nove estudantes da graduação de engenharia da UFRJ (Engenharia Naval e Oceânica, Engenharia Elétrica e Engenharia de Automação) que buscavam empreender a si mesmos. Através de esforço próprio, resolveram se empenhar para o que sabiam fazer de melhor: a construção de um AUV. Se você achou o projeto bacana e quer ajudar a fomentar o desenvolvimento da educação e inovação no país, clique no link, conheça mais sobre a equipe e faça uma doação: https://benfeitoria.com/ufrjnautilus

Por Redação 

Deixe uma resposta