Após a tempestade que abalou a indústria do petróleo no país nos últimos anos, e especialmente no Estado do Rio, o céu começa a clarear, e a expectativa é que o setor volte a contratar este ano. Comércio, serviços e mercado imobiliário, que sofrem influência indireta do mercado de óleo e gás, também já começam a sentir essa melhora. Segundo a Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), a perspectiva é que pelo menos 12 mil novos empregos sejam criados ainda em 2019.

Coordenador de Conteúdo Estratégico da Gerência de Petróleo, Gás e Naval da Firjan, Thiago Valejo Rodrigues explica que o número considera apenas os postos de trabalho que têm como indutores os empregos em exploração e produção. Isso porque cada emprego direto em plataformas gera duas vagas indiretas, em atividades de terra e de apoio, e oito vagas no chamado “efeito multiplicador”, ou seja, toda a cadeia que é beneficiada pelo crescimento do setor, como prestadores de serviço e comércio.

— A gente usa o conceito de mercado de óleo e gás porque as atividades extrapolam a cadeia de produção, refino e distribuição — explicou Rodrigues, que aponta para uma tendência de crescimento nos próximos anos.

— A Petrobras espera dobrar a produção até 2030 e, para isso, os investimentos começam desde agora. O pré-sal também movimenta muito o mercado no país e no Rio de Janeiro. Há muita infraestrutura sendo construída não só para 2019, mas para os próximos cinco anos. Já é possível observar diversas vagas surgindo, tanto pelas operadoras, quanto pelos fornecedores que vão dar apoio a essas empresas — disse.

O impacto dessa retomada já é sentido por Faust Maurer, Diretor Executivo do curso Plan Idiomas, que oferece aulas a funcionários de empresas do setor de óleo e gás, entre outras áreas. Segundo ele, já houve neste ano um crescimento de 10% no número de clientes:

— Estamos muito otimistas. A procura certamente aumentou, notamos isso pelo volume de pedidos de propostas. Tivemos várias matrículas de funcionários de empresas da área de petróleo que estão custeando seu próprio desenvolvimento desde novembro do ano passado. O ano de 2018 foi muito melhor do que 2017, e acredito que neste ano de 2019 teremos uma retomada ainda maior.

A Shell Brasil informou ao EXTRA que também espera um aumento na atividade de exploração e produção no país, como resultado das novas áreas adquiridas nos leilões dos últimos dois anos.

A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) realizou, em 2018, duas rodadas de leilão do pré-sal e duas rodadas de concessão. Em todas, foram leiloados blocos das bacias de Campos e Santos, das quais o Rio faz parte. Segundo a agência, essas áreas são responsáveis por cerca de 88% da produção nacional de petróleo.

Campos ficou fora dos leilões por cerca de dez anos, até 2017. Em 2018, a bacia produziu, em média, 1,2 milhão de barris de petróleo por dia, 13% menos do que no ano anterior. Mas um estudo do Instituto Brasileiro de Petróleo (IBP) mostra que a área tem tudo para crescer em 2019, com promessa de destaque nas rodadas previstas para este ano.

Presidente do Clube de Dirigentes Lojistas (CDL) do município de Campos, Orlando Portugal comemora a retomada da indústria do petróleo na região:

— Esperamos que o investimento volte a acontecer. Os últimos anos foram difíceis, mas estamos otimistas de que as coisas vão melhorar.

Chances para todos os níveis de escolaridade

O momento é favorável para quem deseja investir na carreira no segmento de óleo e gás. Segundo Thiago Valejo Rodrigues, da Firjan, as áreas de exploração e produção são as que apresentam a maior demanda por profissionais neste ano:

— Há espaço tanto para técnicos de nível médio, quanto para profissionais do nível superior, inclusive nas áreas de Gestão e Administração. Nossa percepção é de uma concentração maior das vagas nas regiões de Macaé, Rio de Janeiro, Niterói, Angra dos Reis e Itaguaí.

Entre os atrativos das carreiras no setor do petróleo estão salários acima da média, mesmo para funções menos qualificadas, e a possibilidade de viagens ao exterior custeadas pelas empresas para realização de treinamentos e participação em congressos.

Porém, para Thiago Rodrigues, capacitação é fundamental para garantir uma vaga nesse mercado competitivo.

— A indústria está se modernizando e precisa de mão de obra cada vez mais qualificada e com resposta rápida para atender aos desafios com a digitalização. A tendência é que os trabalhos mais braçais sejam substituídos por máquinas. As empresas não vão precisar tanto de um ser humano para fazer algo que a máquina pode fazer, mas vão precisar de alguém para construir aquela máquina — explicou o porta-voz da Firjan.

De acordo com o último Anuário da Indústria do Petróleo no Rio de Janeiro, divulgado pela federação no ano passado, o encadeamento produtivo do petróleo no estado envolve mais de 80 mil trabalhadores.

— Existe demanda por profissionais experientes e qualificados, mas as empresas também têm um desejo por renovação, com pessoas recém-formadas. Há espaço para todos — apontou Rodrigues.

Mercado imobiliário é alavancado

Depois de anos de desaceleração no mercado imobiliário, a expectativa do setor é de melhora este ano, em grande parte influenciada pelo crescimento no setor de óleo e gás. Para Claudio Hermolin, presidente da Associação de Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário (Ademi-RJ) e diretor executivo da Brasil Brokers, já é possível sentir um retorno dos investimentos:

— Nosso primeiro indicador de melhora é na procura, que já aumentou muito. A perspectiva para este ano é de melhora em relação ao ano passado, não apenas na cidade do Rio, mas também no estado, principalmente nos municípios de Niterói, Campos, Macaé, Itaboraí e Maricá.

Segundo Hermolim, a contratação de funcionários de outros estados e países (os chamados expatriados) para trabalhar nas empresas de óleo e gás também ajuda a aquecer o mercado de aluguéis, especialmente nos bairros da Zona Sul do Rio e Barra da Tijuca.

Cursos de capacitação

SENAI

O Senai está com nove cursos abertos na área de óleo e gás. A lista completa está no link: https://bit.ly/2Hu9cLV.

MERGULHO RASO PROFISSIONAL

Curso do Senai dirigido àqueles que pretendem trabalhar como mergulhador raso ou até 50 metros de profundidade. É preciso ter idade mínima de 18 anos e ensino médio completo. Disponível em Macaé e no Instituto de Tecnologia Solda, no Maracanã, na Zona Norte do Rio. Valor: R$ 3.932,90.

CORTE E SOLDAGEM SUBAQUÁTICA

Para este curso do Senai, é preciso ter o ensino médio completo e o curso de mergulhador raso profissional. Disponível em Macaé e no Instituto de Tecnologia Solda. Valor: R$ 3.408,39.

PINTURA INDUSTRIAL

Esse curso de aperfeiçoamento em pintura industrial está disponível nas unidades do Senai em Macaé, Campos e Niterói. É preciso ter concluído o 7º ano do ensino fundamental e ter experiência de um ano em pintura industrial. Valor: R$ 1.244.

INSTITUTO FEDERAL FLUMINENSE

Oferece curso técnico integrado na área de óleo e gás. É preciso ter completado o ensino fundamental. O curso é gratuito, porém, é preciso participar de um processo seletivo. O curso é oferecido no campus de São João da Barra. Mais informações pelo site portal1.iff.edu.br.

CURSOS À DISTÂNCIA

Outra opção são os cursos à distância. O Senai oferece o curso online de técnico em petróleo e gás, com apenas algumas aulas e encontros presenciais no campus de Benfica. É preciso estar cursando ou já ter concluído o ensino médio. Valor: R$ 7.094,79. Mais em informações no site https://bit.ly/2S6p8bn.

Fonte: Extra

2 COMMENTS

  1. obrigado portal maritimo, por sempre nos manter atualizado,sobre o setor maritimo,por caridade queria pedir a vcs postarem algumas vagas pois muitos maritimos precisam de ajuda ,assim como eu,nãotemos condições de pagar alguma taxa para ter acesso a vagas, que Deus abençoe ricamente com saude e prosperidade todos vcs .

  2. O nosso pre-sal foi entregue sem a nossa permissão. A Lava Jato destruiu qualquer possibilidade do Brasil se tornar um dos maiores produtores e refinadores de Petroleo do mundo. Milhares de empregos foram destruidos. Agora ficaremos com as migalhas.

Deixe uma resposta